As passagens teriam sido compradas em uma agência de viagens da cidade, pelo valor de R$ 923 cada.

Por Glédisson Albano, do G1 Acre.

Quatro amigas e comerciantes de Cruzeiro do Sul, interior do Acre, foram surpreendidas quando descobriram que a viagem marcada para o próximo dia 16 não vai acontecer. Após, supostamente, comprarem as passagens há um ano, as amigas descobriram que não existem passagens no nome delas.

O grupo iria para Fortaleza, no Ceará, comprar roupas para vender no final do ano em Cruzeiro do Sul. As passagens teriam sido compradas em uma agência de viagens da cidade, pelo valor de R$ 923 cada.

“Ligamos na empresa aérea e o que passaram para gente é que foi feita apenas uma reserva. Pagamos as passagens à vista, em dinheiro para a dona do estabelecimento, que é a Jerusa e ela simplesmente não pagou nossas passagens, que simplesmente não existem no sistema da empresa. Nosso nome não consta em nenhum voo, perdemos as passagens”, lamentou a comerciante Eline Oliveira.

Outra prejudicada foi a também comerciante Maria das Dores. Ela explicou que chegou a conversar com a dona da agência para resolver o problema, mas nada foi feito.

“De início, ela [dona da agência] falou que ia dar um jeito, que ia resolver. A gente deu um prazo até o dia seguinte, e quando chegamos lá ela simplesmente falou que a única solução que tinha para gente era que ia devolver o dinheiro que pagamos um ano atrás e que podíamos procurar a polícia, nossos direitos, que não ia pagar agora”, contou.

Empresária se defende

Sem respostas, o grupo procurou a Polícia Civil em busca dos direitos. Em entrevista à Rede Amazônica Acre, a dona da agência, Jerusa de Paula, disse que não reconhecia a compra das amigas.

Reconheço que foi cliente há muito tempo na agência, veio na minha casa umas duas vezes. Realmente não teve nenhum problema comigo, e não reconheço a compra dessas passagens, não tem nenhum comprovante de pagamento. Não reconheço que recebi esse dinheiro dela”, afirmou.

A empresária disse que vai aguardar ser acionada pela Justiça.

“Mas, na dúvida, como veio na minha casa, mostrou o problema, e falei que mesmo eu não reconhecendo, estaria disposta a pagar o valor que ela gastou, mas não aceita e disse que prefere procurar a Justiça, que acha que vai ganhar mais”, complementou.

O delegado Lindomar Ventura, que investiga o caso, disse que vai investigar para saber se de fato houve a intenção de causar um dano às clientes e se mais pessoas foram prejudicadas.

“Há uma possibilidade de haver um crime, como também uma possibilidade de ter havido ali a impossibilidade honrar e cumprir com o serviço contratado”, finalizou.

Comentários