De acordo com o porta-voz do Governo, Leonildo Rosas, nenhum estado brasileiro pode hoje anunciar que tem o 13º garantido, mas que no Acre alguns ajustes estão sendo adotados

Da ContilNet
Governador do Acre, Sebastião Viana - Foto: Alexandre Lima/arquivo
Governador do Acre, Sebastião Viana – Foto: Alexandre Lima/arquivo

Mesmo com as medidas tomadas pelo Governo do Acre para reduzir gastos, como a diminuição de 20% em salários e o corte de 545 cargos comissionados, o pagamento do 13º salário dos servidores estaduais pode não ser pago no fim do ano, segundo o porta-voz do governo, Leonildo Rosas.

De acordo com Leonildo, nenhum estado brasileiro pode hoje anunciar que tem o 13º garantido, mas que no Acre alguns ajustes estão sendo adotados para garantir o pagamento aos servidores até o fim do ano. O porta-voz alegou também que o atraso nos pagamentos de fornecedores seria o principal motivo da queda da arrecadação.

Leonildo explicou ainda, que houve uma queda de receita estimada em mais de R$ 1 bilhão nos últimos cinco anos e que em 2016 houve uma redução superior a R$ 300 milhões. De acordo com o porta-voz, ainda assim o governo estadual tem procurado honrar os pagamentos de serviços essenciais.

A representante da Secretaria de Gestão Administrativa (SGA), Sawana Carvalho, falou à reportagem da ContilNet que o estado precisa de um montante de aproximadamente R$900 milhões para ajustar finanças.

“O governador está empenhado para a realização do pagamento, ele tem trabalhado junto com outros governadores em reuniões em diretórios nacionais, Ministério da Fazenda e STF para garantir os recursos que são do estado”, finalizou.

Comentários