Maria Derbenir passou pelo transplante no ano passado para tratar câncer no fígado. ‘Eu devolvi só um pouco do que ela já me deu’, conta o filho.

Após filho doar parte do fígado para mãe, mulher comemora data no AC: ‘me deu a vida de volta’ — Foto: Arquivo pessoal
Por Mazinho Rogério

A aposentada Maria Derbenir da Silva, de 62 anos, há mais de ano comemora uma nova oportunidade de vida. Ela teve hepatite aos 17 anos e não conseguiu se livrar da doença, que evoluiu para um câncer que comprometeu o fígado.

Depois de dois anos na fila do transplante, a aposentada que é mãe de oito filhos recebeu de um deles a oportunidade de aumentar os seus anos de vida.

Aos 17 anos, Derbenir teve o primeiro diagnóstico de hepatite do tipo A e anos depois foi confirmado o vírus do tipo B.

Em 2012, os médicos descobriram que houve uma evolução para hepatite delta. Depois de muito tratamento, a doença causou nódulos no fígado da aposentada, o que causou câncer.

Os longos anos lutando pela recuperação foram de muito sofrimento não apenas para a paciente, mas também para todos os familiares que a cada dia ficavam mais preocupados com o agravo da doença.

Esperança

Em 2017, ela entrou na fila do transplante e ainda foi duas vezes a São Paulo para tentar receber um fígado, mas os médicos avaliaram que o caso dela era tão grave que não seria mais possível implantar o órgão de um doador morto.

Para salvar a vida da aposentada, a única solução seria então, encontrar um doador compatível com vida. Uma nova corrida contra o tempo começou.

“Depois dos exames em São Paulo, os médicos disseram que não tinha mais como esperar o órgão de um morto e orientou que os filhos tinham que fazer o exame para ver qual deles era compatível. Eles me disseram que eu tinha apenas 3 meses de vida se não fizessem o transplante”, lembra Debenir.

Convencer os filhos a fazer os exames para doar parte do fígado não foi difícil. Dos oito, apenas dois não passaram pela avaliação, porque a mais velha já estava acima da idade permitida e o mais novo ainda era menor de idade. Os outros seis realizaram o diagnóstico e foi comprovado que todos poderiam fazer a doação.

A escolha do filho que passaria pelo processo para retirar parte do órgão para a mãe também não foi difícil. Todos que fizeram os exames ficaram disposto a fazer a doação. No entanto, o professor Heliomar Nunes, de 33 anos, foi quem teve a missão de salvar a vida da mãe.

“Sempre falo que Deus me preparou para esse momento. Como, de todos, eu era quem tinha feito mais coisas que não deveria fazer para afetar o fígado, pois eu bebia e meus irmãos nunca beberam, pedi a Deus a oportunidade de curar minha mãe e os exames comprovaram que eu estava em melhores condições físicas. O fígado e tudo perfeito. Então, entendi que Deus me deu a resposta e eu fui’, conta o Nunes.

O transplante

O procedimento foi feito em São Paulo no dia 5 de abril do ano passado. A aposentada ainda está em acompanhamento médico em Rio Branco. Atualmente, ela ainda reclama de muitas dores, mas os médicos afirmam que já não tem mais câncer, tampouco hepatite.

___________

“Acredito que somos metade do pai e metade da mãe. Como meu pai já morreu, não precisa mais da parte dele, mas minha precisou e eu devolvi só um pouco do que ela já me deu. Estou muito feliz, pois sabemos que, se ela não tivesse feito o transplante, já não estava mais entre nós”, diz o professor.

Debernir vai passar o dia das mães na casa de um filho que mora na capital acreana, pois os outros moram em Cruzeiro do Sul. Ela se emociona ao falar do gesto de amor que teve por parte do filho que se submeteu a cirurgia para salvar a sua vida.

___________

“O filho faz isso porque tem muito amor mesmo, pois não é fácil, mas sei que meu filho tem muito amor no coração. Não tenho palavras para falar dessa coragem que ele teve. Agradeço muito a ele por isso. Deus me deu a oportunidade de dar a vida a ele e ele me deu a vida de volta”, diz a aposentada.

Comentários