Conecte-se conosco

Brasil

Após se formar, 1ª médica guarani-kaiowá vai combater covid em sua aldeia

Publicado

em

Dara Ramires Lemes largou a carreira no futebol para se tornar médica – Imagem: Arquivo pessoal

Campeã estadual pelo futebol feminino do Atlético Mineiro, Dara Ramires Lemes deu a volta por cima depois de precisar largar o esporte em Belo Horizonte. A jovem enfrentou muitas barreiras até conseguir entrar na faculdade de Medicina, no ano de 2015. Agora, aos 25 anos, ela acaba de se tornar a primeira médica guarani-kaiowá.

De volta à comunidade onde nasceu, em Caarapó (MS), Dara já está na linha de frente do combate à pandemia do novo coronavírus. Ela atua em sua aldeia, a Te’yí kue, de quatro mil habitantes, que fica a quase 300 quilômetros da capital Campo Grande.

“Quando os pacientes da minha terra olham para mim, sentem empatia, e me bate uma grande responsabilidade e um orgulho imenso de fazer o melhor. E é aí que vejo que valeu a pena todo esforço que eu fiz para conseguir chegar até aqui”, afirmou hoje ao UOL. A médica também contou que foi depois da temporada 2012-2013, mesmo com o título, que percebeu que era hora de largar os gramados e deixar para trás o sonho de jogar na Seleção Brasileira. À época, o Atlético Mineiro estava redirecionando seus investimentos na modalidade. Era muito complicado estudar e treinar ao mesmo tempo. “Amo futebol. Joguei no Galo aos 16 anos. Jogava de meia-atacante, meia-direita e às vezes de volante.

Sonho da mãe realizado

Foi então que Dara decidiu entrar na faculdade de Medicina, que era o sonho da mãe, a professora Zeni Lemes Ramires. Aos 17 anos, ela foi aprovada em uma universidade no Rio Grande do Sul, distante mais de mil quilômetros da terra natal.

“Como já tinha morado longe antes também por conta do futebol, em Belo Horizonte, eu me adaptei à nova vida no Sul. Não me lembro de reclamar. Até mesmo na época que jogava bola, sabia que tinha que seguir estudando”, disse.

Dara não era qualquer jogadora. O UOL conversou hoje com o técnico dela na época do Atlético, Wellison Bitencourt. Ele contou que em um teste com 350 atletas em uma peneira no clube, apenas ela passou.

“Era muito aplicada nos treinos e tinha uma qualidade absurda, explosão ímpar, boa condução de bola em diagonal e marcava muitos gols, além de bater muito bem com os dois pés. Cheguei a indicar ela para a seleção sub-17, mas não quiseram e perderam uma grande atleta”, lembrou.

Regresso à aldeia

A formatura em medicina ocorreu no final de 2020. A partir daí, Dara regressou para a aldeia e passou a morar com os pais novamente. Sem tempo para descanso, por conta da pandemia, a médica já começou a atender diariamente as cerca de 400 famílias da comunidade.

Além disso, faz plantão em um hospital local aos finais de semana.

A médica explicou que uma de suas funções por lá é o atendimento primário para a prevenção dos casos de covid-19, mas que também faz questão de prestar um serviço de conscientização para mostrar a importância da vacina nos dias atuais.

Por ser profissional da Saúde e também indígena, ela já recebeu as duas doses do imunizante contra a doença provocada pelo coronavírus.

Rogério Vilhalva Mota, um dos líderes da aldeia e diretor da escola local, foi professor de matemática de Dara quando era criança e chegou a ser atendido por ela recentemente, como médica.

“Menina de ouro, muito orgulho e fico emocionado. Quando ela começou a me atender me passou um filme na cabeça. Me Lembro dela, quando era pequenininha, brincando. Mas ela sempre foi diferenciada. E, agora, falando como uma doutora, é muita felicidade”, completou.

Vale lembrar que especialistas de saúde alertam que os povos indígenas são mais vulneráveis à covid-19 do que a população brasileira em geral devido a fatores que vão da falta de cuidados de saúde à cultura de divisão de moradias e alimentos.

Comentários

Brasil

Cada partido de uma federação deve cumprir cota feminina, reforça TSE

Publicado

em

Tribunal julgou consulta feita pela federação PT, PCdoB e PV

Por Felipe Pontes

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reafirmou hoje (30) que o percentual mínimo de 30% de candidaturas femininas nas eleições proporcionais deve ser cumprido de modo independente por cada agremiação de uma mesma federação partidária.

O TSE julgou uma consulta feita pela federação composta por PT, PCdoB e PV. Os partidos questionaram se o percentual de 30% poderia ser cumprido pela federação como um todo, sem que cada sigla cumprisse a regra individualmente.

Pela resposta aprovada de forma unânime pelo plenário do TSE, tal questão já havia sido respondida em resolução aprovada em dezembro, na qual consta expressamente que na “eleição proporcional, o percentual mínimo de candidaturas por gênero deverá ser atendido tanto globalmente, na lista da federação, quanto por cada partido, nas indicações que fizer para compor a lista”.

“Se fosse apenas a federação, teríamos a possibilidade de esvaziamento, uma fraude um pouco informal de não se dar cumprimento a uma ação afirmativa”, disse a ministra Cármen Lúcia que, assim como os demais, seguiu o voto do relator, ministro Mauro Campbell.

Seguindo a mesma lógica, o plenário respondeu não ser possível a nenhum dos partidos apresentar apenas um candidato para as eleições proporcionais – no caso deste ano, para deputado federal. Isso porque no caso de candidatura única não seria matematicamente possível cumprir a cota de 30% de mulheres.

Nesse ponto, divergiu somente o presidente do TSE, Edson Fachin. Ele seguiu parecer do Ministério Público Eleitoral, segundo o qual, no caso de candidatura única, esta deveria ser de uma mulher, de modo a cumprir a cota de candidaturas femininas.

Edição: Lílian Beraldo

Comentários

Continue lendo

Brasil

TSE fixa IPCA para limitar gastos de campanha em 2022

Publicado

em

Congresso não aprovou a tempo lei fixando critérios de cálculo

 Por Felipe Pontes

O plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou hoje (30) a adoção do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), como critério principal para o cálculo dos limites de gastos de campanha nas Eleições 2022.

Para isso, o TSE precisou elaborar nova resolução interna, uma vez que o Congresso não aprovou em tempo hábil uma lei fixando os critérios do cálculo, conforme prevê a legislação eleitoral.

Os ministros da Corte Eleitoral optaram por aplicar o IPCA sobre os limites de gatos calculados para as eleições gerais anteriores, em 2018. Tal critério está previsto no mais recente projeto de reforma do Código Eleitoral, já aprovado na Câmara e em tramitação no Senado.

O presidente do TSE, ministro Edson Fachin, negou que a Justiça Eleitoral tenha invadido a competência do Poder Legislativo com a nova resolução. Ele afirmou tratar-se “apenas e tão somente do cumprimento de um dever normativo, a fixação dos limites de gastos em campanhas eleitorais, a partir da perpetuação das normas jurídicas já chanceladas, no passado, pelo Congresso Nacional”.

Novos limites

Pelo critério aprovado, o limite para os gastos da campanha a presidente, por exemplo, que foi de R$ 80 milhões em 2018, neste ano se aproximará dos R$ 90 milhões, após o valor ser corrigido pela inflação dos últimos quatro anos. Em eventual segundo turno, tal limite deve ficar próximo de R$ 45 milhões.

No caso das disputas para deputado federal e estadual, os limites devem ficar em torno de R$ 3,1 milhão e R$ 1,2 milhão, respectivamente. Os números exatos devem ser divulgados pelo TSE até o dia 20 de julho, conforme previsto no calendário eleitoral.

Durante a votação, o ministro Alexandre de Moraes destacou que, com a adoção do IPCA para cálculo do limite de gastos, este acabará crescendo em patamar muito menor do que o próprio Fundo Especial de Financiamento de Campanha. Neste ano, o Fundo Eleitoral, como é mais conhecido, será de R$ 4,9 bilhões, cifra mais de 200% superior ao montante de 2018.

Com isso, será possível que mais candidaturas se apresentem, avaliou Moraes, pois haverá mais dinheiro disponível para ser obrigatoriamente distribuído entre os candidatos.

 

Edição: Nádia Franco

Comentários

Continue lendo

Brasil

Caixa diz que Corregedoria investiga denúncias de assédio

Publicado

em

Em nota, o banco diz que “repudia qualquer tipo de assédio”

A Caixa se manifestou na noite de ontem (29) sobre as denúncias de assédio na instituição. Em nota, o banco público afirmou que “repudia qualquer tipo de assédio” e que há investigação em curso para apurar os casos.

“A investigação corre em sigilo, no âmbito da Corregedoria, motivo pelo qual não era de conhecimento das outras áreas do banco”, diz o texto.

A apuração foi iniciada em maio, de acordo com o comunicado. Segundo a Caixa, diligências foram realizadas para colher provas e materiais que estão sendo avaliados. A instituição informou que toda a investigação é conduzida por um órgão externo, o que “garante a transparência, segurança e proteção para denunciantes.”

A nota afirma ainda que “eventuais novas informações serão imediatamente integradas ao procedimento de apuração.”

Pedro Guimarães oficializou ontem o pedido de demissão do cargo. Em carta enviada ao presidente Jair Bolsonaro, ele rebateu as denúncias de assédio sexual feitas por funcionárias da instituição e alegou inocência.

A secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Marques Consentino, foi nomeada como nova presidente da Caixa.

Edição: Juliana Andrade

Comentários

Continue lendo

Em alta