O governo do Estado comunicou a morte da imigrante à embaixada do Haiti no Brasil.

Fábio Pontes, da ContilNet Notícias

A haitiana Rigueur Milourde, 27, morreu nesta segunda-feira (4) no Pronto Socorro de Rio Branco por consequências de uma pneumonia em estado avançado.

7301B3AB7D887D292B608B00704BF194A02F1A0FC6D5E3E2A9pimgpsh_fullsize_distr
Vítima dividia o abrigo em Rio Branco com centenas de imigrantes/Foto: Altino Machado

De acordo com nota de esclarecimento da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Rigueur chegou ao Acre no último dia 24 de abril.

O governo do Estado comunicou a morte da imigrante à embaixada do Haiti no Brasil. A embaixada, por sua vez, informou que o translado do corpo é de responsabilidade dos familiares.

Hatiana Milourde Rigueur, de 27 anos, morreu na segunda-feira (4) em Rio Branco (Foto: Arquivo pessoal)
Hatiana Milourde Rigueur, de 27 anos, morreu na
segunda-feira (4) em Rio Branco (Foto: Arquivo pessoal)

A Sejudh contatou parentes de Rigueur, que informaram que ainda vão tomar as providências para o corpo ser levado ao Haiti.

A secretaria afirmou que está tomando as medidas necessárias para amenizar o “momento de sofrimento” da família da imigrante.

De acordo com um servidor da Chácara Aliança, local onde foi montado o abrigo para receber os imigrantes, Milourde deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Baixada da Sobral no sábado (2) e seguiu internada até segunda-feira (4), onde foi transferida para o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb).

O servidor conta, ainda, que ainda não identificaram o grupo que veio com a vítima ao Brasil. Ele diz que os companheiros dela podem ter deixado o estado enquanto estava internada.

Segundo o servidor,  o corpo deve ser sepultado no Brasil, já que a família da vítima não tem recursos para arcar com os gastos do translado até o Haiti e está dispersa.


 

Leia mais:

Nilson Mourão: “Governo federal não tem data para assumir gestão do abrigo de imigrantes”

 

Comentários