Denúncia de Major Rocha sobre indícios de corrupção passiva cometida pelo ex-presidente Lula é investigada pela Operação Lava-Jato

Deputado Rocha entrega ao Procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Rosa, representação contra o ex-presidente Lula (em abril de 2015)
Deputado Rocha entrega ao Procurador-geral de Justiça de São Paulo, Márcio Rosa, representação contra o ex-presidente Lula (em abril de 2015)

A Polícia Federal deflagrou, na última quarta-feira, 27, a 22ª fase da Operação Lava-Jato, denominada de Triplo X. Este é o primeiro desdobramento das investigações sobre o mega esquema de corrupção instalado na Petrobras em 2016.

A nova fase mira atividades criminosas da Bancoop, a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo, e a estratégia da construtora OAS de utilizar imóveis como método para despistar o pagamento de propina.

No dia 28 de abril de 2015, o deputado federal Major Rocha (PSDB- AC) usou a tribuna da Câmara (veja o vídeo) para anunciar a intenção de representar contra o ex-presidente Lula, por indícios de corrupção passiva, em conformidade com o artigo 317 do Código Penal. Na ocasião sofreu uma enxurrada de críticas por parte dos eternos defensores do indefensável.

As denúncias foram apresentadas pelo deputado tucano, em 30 de abril de 2015, em representações dirigidas ao Ministério Público Federal e ao Ministério Público do Estado de São Paulo, pedindo a investigação dos órgãos sobre as nebulosas transações envolvendo o ex-presidente Lula e a Construtora OAS.

Protocolo da denúncia contra o ex-presidente Lula ao Ministério Público de São Paulo
Protocolo da denúncia contra o ex-presidente Lula ao Ministério Público de São Paulo

Essas transações envolviam a reforma de um sítio de “um amigo” do ex-presidente e o pedido feito por Lula ao então presidente da OAS, Leo Pinheiro, para que a empreiteira assumisse a construção de vários prédios da cooperativa Bancoop. O favor garantiu a conclusão das obras nos apartamentos de João Vaccari Neto. A OAS assumiu também a reforma do tríplex de 297 metros quadrados no Edifício Solaris, de frente para o mar do Guarujá, em São Paulo, pertencente a Lula e a sua esposa, Marisa Letícia.

Em 15 de julho do ano passado, o Procurador-Geral da República, Sr. Rodrigo Janot, informou que a representação, que recebeu o nº 59.377/2015, tinha sido enviada para a Força-Tarefa Lava-Jato, em Curitiba, para investigação.

Agora, quase um ano depois, as circunstâncias demonstram que as denúncias do parlamentar tucano tinham (têm) embasamento jurídico e que as transações envolvendo o ex-presidente Lula são, no mínimo, suspeitas.

À época da denúncia, Rocha destacou em seu discurso “o Brasil é um país no qual vigora o Estado de Direito. E, sob a égide do Estado de Direito, ninguém está acima da lei, nem mesmo aqueles que se julgam intocáveis, como o ex-Presidente Lula. Espero, sinceramente, que as denúncias graves trazidas ao conhecimento do público (…) sejam apuradas; e, se confirmadas, que o ex-Presidente Lula seja punido, na forma da lei”.

Da Assessoria

Comentários