Um assunto que deveria ser levado a sério por alguns, parece que tem pouca importância para àqueles que foram eleitos por quem acredita em ter de volta, uma cidade tranquila como antes.

Em Brasiléia, cidade que faz divisa com a Bolívia, sediou nesta sexta-feira, dia 23, a Audiência Pública para tratar da violência na fronteira do Acre, onde teve como proponente, o vereador Mário Jorge Fiesca, que teve aceitação dos demais edis e grande participação da população em geral.

Também se fizeram presente, representante do Exercito Brasileiro, da Polícia Federal, Polícia Civil, do judiciário, na pessoa do juiz da Comarca, Doutor Gustavo Sirena, dos prefeitos Fernanda Hassem (Brasiléia), Tião Flores (Epitaciolândia) e Francisco Ubiracy (Xapuri), de vereadores de Brasiléia e Assis Brasil e da deputada Maria Antonia, que representou a Assembleia Legislativa do Acre.

Da bancada federal, somente a senadora Mailza Gomes esteve presente e anunciou aos presentes, da disponibilização de R$ 1 milhão de reais para serem investidos em segurança pública no Acre.

No mais, os depoimentos foram marcados por perca, revolta e muita crítica contra as Leis que vem beneficiando, na opinião de alguns, mais os bandidos do que o cidadão de bem. Casos que acabaram em morte, audiência de custodia, foram as principais pautas da Audiência Pública.

O que disseram:

Vereador proponente da audiência, Mario Jorge Fiesca.

Mário Jorge Fiesca (Proponente da audiência): “Tínhamos uma noção que essa audiência seria bem aceita pela sociedade, tendo em vista que a violência que vem crescendo, principalmente na zona rural. Hoje temos a presença do representante do secretario de segurança do estado, na pessoa do Coronel Ulisses, que vai nos dar algumas respostas. (…) Esperamos que o objetivo de reunião seja alcançado, que trazer mais segurança para fronteira e se espera que o for acordado hoje, saia do papel”.

Presidente da Câmara Municipal de Brasiléia, Rogério Pontes.

Rogério Pontes (Presidente da Câmara Municipal de Brasiléia): “Nós do Legislativo temos que estar de mãos dadas junto com a demais instituições federais, estaduais e municipais. As vezes somos criticados por alguns que acham que nós não fazemos nada. Fazemos o que podemos e quero agradecer o público presente que aceitou nosso convite. (…), lamento que nenhum dos oito deputados federais do nosso Estado tenha comparecido, foram todos convidados e não tem um presente em uma audiência como essa aqui”, desabafou.

Coronel Ulisses, representante do governo e Secretaria de Segurança do Acre.

Coronel Ulisses (Representante do governo do Acre e Secretaria de Segurança Pública): “A Secretaria de Segurança Pública está puxando para ela, algo não é de responsabilidade dela, é do governo federal através do Exercito e Polícia Federal, mas, não podemos cruzar nossos braços e quem está sendo afetado é a população. Nós então resolvemos montar o Grupo Especial de Fronteira – GEFRON, que vai ser um grupo especial para combater o crime que ocorre nas fronteiras, como roubo de gado, carros, tráfico de drogas, armas, (…) e isso vai influenciar a diminuir a violência nas cidades que são limítrofes das fronteiras, como também na Capital. Concordo em fechar as fronteiras, mas, não é apenas fechar, precisamos de estrutura, de equipamentos com tecnologia e alguns cuidados com direitos constitucionais. Nós estamos trabalhando com o programa ‘Acre pela Vida’ que tem como meta, diminuir os homicídios”, disse.

Em relação às facções, Ulisses foi disse: “Não quero dar ‘moral’ para esse tipo de grupo criminoso, pra esse tipo de pessoa e organização. Pra mim é tudo farinha do mesmo saco e nós vamos combater eles”, finalizou.

Prefeita do Município de Brasiléia, Fernanda Hassem.

Fernanda Hassem (Prefeita de Brasiléia): “Nós estamos aqui no Sul do Estado com uma insatisfação e um terror muito grande, em um município onde passamos por toda as diversidades possível porque nós temos uma fronteira que está aberta e temos um efetivo pequeno e preciso ser justa e reconhecer que é um problema antigo, mas, com o falecimento de forma brutal que foi a do ‘Mundico’, isso despertou na sociedade inteira, que nós precisamos dar as mãos, (…) para que possa nós dar uma sensação de segurança de volta e esperamos daqui, que a bancada do Acre se una pra combater essa lei branda, onde bandido faz uma coisa errada, tirar a vida e um ser humano e depois da audiência de custódia, aparece três dias depois cometendo outros crimes e é o que está acontecendo aqui em Brasiléia. Então, estamos precisando da sensação de punição e essa pessoa tem pagar pelo que fez errado”, disse a gestora.

Juiz de direito da Comarca de Brasiléia, Dr Gustavo Sirena.

Gutavo Sirena (Juiz de Direito da Comarca de Brasiléia): “É um ato de extrema importância (…), estamos vendo que todos estão unidos, é uma pauta em comum de interessa da comunidade onde vemos muitas autoridades (…), que muitas autoridades estão preocupadas com essa realidade. Em relação as pontes, creio que precisamos de uma fiscalização mais enérgica sobre o assunto. Recentemente estive na cidade de Sena Madureira, onde vi que existem câmeras que elas identificam as placas dos veículos e sendo roubado, já acusa no computador possibilitando a abordagem quase que imediata da polícia. Então, creio que atitudes como essa temos estar desenvolvendo para ajudar na nossa fiscalização”, destacou o magistrado.

Major Ana Kássia, Comandante do 10º Batalhão da Polícia Militar do Alto Acre.

Major Ana Kássia (Comandante do 10º Batalhão da Polícia Militar do Alto Acre): “Essa atividade de hoje, a Audiência de Segurança Pública, é o primeiro passo para que possamos alcançar a que nós precisamos realmente. É necessário que haja uma fiscalização inteligente dessas pontes, mas volto a repetir que nesse aspecto, a integração com as forças federais é fundamental porque existe uma competência da PF, Receita Federal e fiscalização não passa apenas pela linha criminal, e envolve muito mais do que isso. Por isso, volto a repetir, é necessário que essa discussão seja permanente pra que possamos alcançar as soluções necessárias”, pontou a oficial.

VEJA IMAGENS E ENTREVISTAS ABAIXO:

Comentários