Conecte-se conosco

Flash

Bebê indígena de 1 ano morre vítima de síndrome respiratória grave e sobe para 12 o nº de mortes de crianças com a doença no Acre

Publicado

em

Menino morreu na noite de quarta-feira (29)no Hospital do Juruá. Na unidade, há seis crianças internadas com síndrome respiratória grave.

Raio-X mostra como estava o pulmão do menino que morreu com síndrome respiratória grave — Foto: Arquivo pessoal

Cruzeiro do Sul, no interior do Acre, registrou nessa quarta-feira (29) a primeira morte de criança por síndrome respiratória grave. A vítima se trata de um menino indígena de 1 ano identificado como Rauani Kaxinawá. Agora, o estado já contabiliza 12 mortes de crianças com doenças respiratórias. Na UTI do Hospital do Juruá, a criança foi entubada pelo médico pediatra, mas sofreu duas paradas cardíacas e não resistiu.

Segundo a Saúde, ele morava na zona rural de Feijó e deu entrada na unidade com síndrome respiratória grave, evoluindo para a chamada síndrome da angústia respiratória aguda (Sara), que é uma lesão grave no pulmão que impede que o oxigênio chegue aos órgãos.

O menino fez uso de antibióticos, corticoides e antivirais. Foi realizado teste para Covid, com resultado negativo, segundo a Secretaria de Saúde (Sesacre).

O pediatra do Hospital do Juruá, Rondney Brito, explica que a criança foi atendida da forma correta, mas que o quadro evoluiu muito rápido. Ele diz que outras seis crianças estão internadas na unidade com síndromes respiratórias e que estão com o quadro clínico controlado. O menino deu entrada no hospital no último dia 24.

“Tinha o diagnóstico de bronquiolite e já entrou no hospital relativamente grave, o estado foi agravando até o dia de ontem [29], quando teve uma complicação respiratória grave. Não conseguimos estabilizar devido à gravidade do pulmão. Ao todo, temos seis crianças internadas com síndrome respiratória, inclusive, entraram grave, mas estão estáveis, estamos obtendo sucesso”, explica.

Ele destaca ainda que a incidência de casos tem diminuído, mas a chegada do chamado “verão amazônico”, com seca e queimadas, é uma preocupação, porque deve agravar os casos dessas doenças.

“Um alerta é que nesse período aumenta bastante a questão das queimadas porque a gente tem crianças com problemas pulmonares. Quanto a questão da elaboração do plano de contingência hospitalar, está em execução. Não faltou nada, a criança teve o leito de UTI, a gente abriu vagas de enfermaria de semi-intensiva para as crianças que precisam de cuidado intensivo maior. A gente está tendo apoio do governo do estado, inclusive, com aditivo de contrato, que se sensibilizou com as causas de crianças para não repetir o que aconteceu em Rio Branco”, explica.

O Hospital do Juruá não tem UTI pediátrica homologada, mas o médico disse que estão sendo usados leitos de UTI adultos para dar suporte a crianças. Em todo o estado, somente Rio Branco tem leitos pediátricos de UTI.

“A gente tem dois leitos específicos para pediatria e vamos abrir mais três para ficarmos com cinco leitos de retaguarda para a realização de procedimentos mais invasivos, se preciso for”, destaca.

12 crianças mortas

 

Com a morte do pequeno Heitor Rafael de Oliveira, de 1 ano, no domingo (26), e mais essa morte em Cruzeiro do Sul, o estado já registra 12 mortes de crianças por síndromes gripais. O Ministério Público Estadual (MP-AC) informou que está apurando a caso, além das outras 10 mortes já confirmadas.

Além disso, uma equipe do Ministério da Saúde (MS) está no Acre para ajudar na apuração epidemiológica das síndromes respiratórias graves. A Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) informou que os técnicos do MS se reuniram com as divisões e núcleos de vigilância e, na segunda-feira (27) pela manhã, realizaram uma conversa com a Secretaria de Saúde de Rio Branco.

Equipe do Ministério da Saúde está no Acre e apura casos de Srag — Foto: Reprodução/Secom

Equipe do Ministério da Saúde está no Acre e apura casos de Srag — Foto: Reprodução/Secom

Investigação

 

O MP-AC informou, na manhã desta segunda, que serão apuradas as circunstâncias em que a criança morreu. E que já foi feito contato com a família para dar início às investigações.

Além da apuração, o Centro de Atendimento à Vítima (CAV) e Núcleo de Atendimento Psicossocial (Natera) estão à disposição para auxiliar no que for necessário, informou.

“Para dar celeridade às investigações, bem como aos demais procedimentos instaurados na 1ª Promotoria de Justiça Defesa da Saúde, foi instalada, na última sexta-feira, 24, a 2ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde de Rio Branco, que aguarda concurso de remoção interna para entrar em funcionamento com a titularização de um segundo promotor de Justiça para atuar na área especializada da saúde”, diz o órgão.

Chegada de equipe do MS

 

Após o registro das mortes, o governo do Acre instaurou uma sindicância para apurar os casos. Além disso, a Ordem dos Advogados do Brasil-Seccional Acre (OAB-AC) também criou um grupo de trabalho com a finalidade de levantar informações.

Agora, com a chegada da equipe do Ministério da Saúde, eles devem ficar o tempo necessário para fazer as averiguações que precisam. Serão feitas visitas à Secretaria Municipal de Saúde, às unidades de saúde onde são feitos atendimentos de síndromes respiratórias, afim de investigar e apontar uma resposta do que está acontecendo.

“A gente solicitou na segunda-feira passada [dia 20], o apoio do Episus [Programa de Treinamento em Epidemiologia Aplicado Aos Serviços do SUS ], que é um programa de epidemiologia voltado para as ações do SUS, ele é avançado e tem como papel fazer as investigações das emergências públicas e com o aumento de Srag, principalmente pacientes pediátricos, a gente solicitou esse apoio para que eles pudessem nos auxiliar nesta investigação”, disse o Chefe do Departamento de Vigilância em Saúde, Gabriel Mesquita.

Colaborou Bruno Vinicius, da Rede Amazônica Acre.

Comentários

Flash

Efeito cascata do STF vai fazer próximo governador do Acre ter salário de quase R$ 42 mil

Publicado

em

Secretários de Estado terão salários de R$ 29 mil; vice governador deve receber R$ 37 mil

Marcos Venicios

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de aprovar um reajuste salarial de 18% para todos os servidores e magistrados da Justiça, incluindo os próprios salários, que servem de teto para toda a administração pública, terá efeito imediato no Acre e demais Estados a partir de janeiro de 2023. Isso porque todos os anos é aprovado na Assembleia Legislativa uma lei de autoria do Poder Executivo que fixa os salários de governador, vice-governador e dos secretários de Estado para o exercício financeiro do próximo ano.

Ocorre que a lei sempre segue a mesma redação, garantido ao desembargador do Tribunal de Justiça o recebimento salarial de 90,25% do salário de um Ministro do STF e garante ao governador recebimento de subsídio em 100%, de um desembargador. Além disso, os salários do vice-governador e secretários de Estado devem sofrer reajuste também.

Atualmente, os desembargadores e o governador do Acre, Gladson Cameli, recebem o salário fixo de R$ 35 mil. Com o efeito cascata de aumentos, o reajuste de ambos para 2023 deve chegar R$ 41.785,75. O salário do vice-governador que é de R$ 33.687 deve saltar para R$ 37,6 mil. Já os secretários de Estado que em 2022 tem vencimentos superiores a R$ 25 mil passarão a receber pouco mais de R$ 29 mil.

Os reajustes devem ser oficializados devido à Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) de 2023 ter sido aprovada em julho na Assembleia Legislativa com previsão de quase R$ 8,4 bilhões, valor que é 6,4% maior que o destinado ao orçamento atual, de cerca de 7,8 bilhões. O Orçamento do Poder Judiciário acreano contou com um reajuste nos percentuais, passando de 8% para 9,75% do bolo orçamentário. A expectativa é que juízes também seja beneficiados com o aumento.

Além do governador do Acre, Gladson Cameli, que concorre a reeleição, mais 6 nomes disputam a cadeira mais cobiçada do Estado: Jorge Viana (PT), Sérgio Petecão (PSD), Márcio Bittar (União Brasil), Mara Rocha (MDB), David Hall (Agir) e Nilson Euclides (PSOL).

Comentários

Continue lendo

Flash

Em Brasiléia, PM prende assaltantes, apreende armas e moto utilizada em roubos

Publicado

em

Em ocorrências distintas, neste final de semana, policiais militares do município de Brasiléia, prenderam dois assaltantes, apreenderam três armas de fogo com munições e uma motocicleta utilizada em diversos crimes na região de fronteira.

Foi durante uma abordagem em uma operação de trânsito que os policiais apreenderam duas armas municiadas e prenderam os dois criminosos. Passageiro e condutor portavam uma pistola e um revólver, e após tentarem fuga foram detidos e presos. Aos policiais, os homens confessaram ainda um crime de roubo a domicílio e uma tentativa de homicídio, ambos os crimes cometidos em dias anteriores.

A motocicleta foi apreendida após denúncia de que dois homens estariam cometendo roubos na região, usando um veículo com as mesmas características. Ao ser localizada pelos polícias, os homens empreenderam fuga, no entanto abandoram a moto, um revólver e dois celulares.

Todos os objetos das ocorrências, assim como os criminosos presos em flagrante, foram encaminhados à delegacia local para as devidas providências.

Comentários

Continue lendo

Flash

Candidatos a governos estaduais declaram R$ 1,1 bilhão em bens; confira patrimônios

Publicado

em

Edifício sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Valor é da declaração de 156 candidatos que fizeram o pedido de registro de candidatura no TSE; prazo final é na segunda-feira (15)

Os 156 candidatos a governos estaduais que fizeram pedido de registro de candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até a manhã deste sábado (13) possuem juntos R$ R$ 1,1 bilhão em bens. O valor representa uma média de R$ 7,2 milhões em patrimônio por pessoa. Os valores declarados por cada candidatura vão de R$ 230, de Juliete (UP), candidata ao Governo do Rio de Janeiro, a R$ 372,9 milhões, de Argenta (PSC), candidato do Rio Grande do Sul.

Ao fazerem o registro no TSE, os candidatos precisam entregar uma série de informações, entre elas a declaração de bens. Por meio da ferramenta, é possível observar, por exemplo, o crescimento patrimonial de políticos.

Observando o valor total declarado neste ano, depois de Argenta (PSC), o segundo candidato a governo com maior patrimônio declarado é o ex-governador de Rondônia Ivo Cassol (PP), com R$ 134,4 milhões; seguido pelo governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (União Brasil), com R$ 109 milhões. Em quarta posição está o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), com R$ 79,8 milhões.

No caso de Ivo, em 2010, ao disputar uma vaga ao Senado, para a qual foi eleito, ele  declarou R$ 29,9 milhões em bens, o que mostra que, em 12 anos, o candidato teve um crescimento patrimonial de 349%.

Nesse mesmo período, dados declarados ao TSE mostram que o senador Eduardo Braga (MDB), candidato ao governo do Amazonas, dobrou o patrimônio, quando se observa o valor de 2010, ocasião em que ele se elegeu pela primeira vez ao Senado.

O terceiro maior crescimento patrimonial entre os candidatos que já pediram o registro no TSE é do ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite (PSDB), apesar de o número absoluto não ser tão significativo quanto o de outros nomes que disputam governos estaduais. Em 2018, quando se candidatou ao governo pela primeira vez, ele declarou R$ 32,5 mil, e agora informou ter R$ 281,4 mil, um crescimento de 765%. Uma aplicação de renda fixa do tucano aumentou quatro vezes.

Em nota, a assessoria de Leite ressaltou que “o crescimento patrimonial é perfeitamente compatível com a renda que obteve como governador entre janeiro de 2019 e março de 2022, além de estar baseado sobre uma base muito baixa, já que em 2018 o candidato consumiu seu patrimônio investindo em estudos na Universidade de Columbia e na Fundação Getulio Vargas”.

“Ao assumir como governador, Eduardo Leite recebeu o subsídio de R$ 25,4 mil mensais. O aumento patrimonial é referente às economias que fez durante o período, equivalentes a cerca de 30% do total recebido”, afirmou, ressaltando que observando o número absoluto é possível “perceber a normalidade do patrimônio”.

O senador licenciado Sérgio Petecão (PSC-AC) é o 12º na lista, com um crescimento patrimonial de 250%. Em 2018, ele declarou R$ 1 milhão em bens; já neste ano, informou ter R$ 3,7 milhões.

Em nota, a assessoria de Ivo Cassol afirmou que a família do candidato “é pioneira em Rondônia, chegando ao estado na década de 1970”, e que “desde então, com muito trabalho, todos prosperaram e construíram o patrimônio pessoal”. A assessoria ressaltou que Ivo “se notabiliza como empreendedor”, e que grande parte do seu faturamento vem do setor de energia elétrica e pecuária.

“Todos os seus rendimentos são fruto de um trabalho árduo ao longo de décadas, junto com a sua família. Em relação ao crescimento patrimonial nos últimos anos, ele se deve ao fato de, como bom gestor, ter feito as melhores escolhas, realizado investimentos bem-sucedidos, em razão de sua grande habilidade em observar o mercado e saber definir uma estratégia de negócios”, afirmou.

Sérgio Petecão e Eduardo Braga não responderam até a última atualização desta reportagem. O espaço segue aberto para manifestação.

O prazo final para fazer o pedido de registro de candidatura acaba na próxima segunda-feira (15).

Confira os valores declarados até sábado (13):

Acre

 

Gladson Cameli (PP): R$ 5,2 milhões
Sérgio Petecão (PSD): R$ 3,7 milhões
Jorge Viana (PT): R$ 3,7 milhões
Márcio Bittar (União): R$ 3,3 milhões
Professor Nilson (PSOL): R$ 513,9 mil
Mara Rocha (MDB): R$ 183,5 mil
David Hall (Agir): R$ 12,5 mil

Alagoas

 

Rui Palmeira (PSD): R$ 915,1 mil
Professor Cícero Albuquerque (PSOL): R$ 557,5 mil
Luciano Almeida (PRTB): nenhum bem cadastrado

Amapá

 

Gianfranco (PSTU): R$ 265 mil
Clécio (Solidariedade): R$ 88,5 mil
Gilvam Borges (MDB): nenhum bem cadastrado
Gesiel de Oliveira (PRTB): R$ 160 mil
Jaime Nunes (PSD): R$ 35.774.294,92

Amazonas

 

Eduardo Braga (MDB): R$ 35,8 milhões
Amazonino Mendes (Cidadania): R$ 3,9 milhões
Carol Bratz (PDT): R$ 640,8 mil
Wilson Lima (União): R$ 296,8 mil
Ricardo Nicolau (Solidariedade): R$ 141 mil

Bahia

 

ACM Neto (União): R$ 41,7 milhões
João Roma (PL): R$ 5,6 milhões
Jerônimo (PT): R$ 515,2 mil
Kleber Rosa (PSOL): R$ 309 mil

Ceará

 

Capitão Wagner (União): R$ 1 milhão
Roberto Cláudio (PDT): R$ 763,1 mil
Serley Leal (UP): R$ 177,9 mil
Zé Batista (PSTU): R$ 105 mil
Elmano de Freitas (PT): R$ 72,2 mil

Distrito Federal

 

Ibaneis Rocha (MDB): R$ 79,8 milhões
Rafael Parente (PSB): R$ 9,2 milhões
Izalci Lucas (PSDB): R$ 8,7 milhões
Lucas Salles (DC): R$ 1,4 milhão
Leila Barros/Leila do Vôlei (PDT): R$ 471,2 mil
Leandro Grass (PV): R$ 285 mil
Keka Bagno (PSOL): nenhum bem cadastrado
Robson (PSTU): nenhum bem cadastrado
Coronel Moreno (PTB): nenhum bem cadastrado

Espírito Santo

 

Aridelmo (Novo): R$ 29,8 milhões
Capitão Vinícius Sousa (PSTU): nenhum bem cadastrado

Goiás

 

Ronaldo Caiado (União Brasil): R$ 24,9 milhões
Major Vitor Hugo (PL): R$ 1,5 milhão
Wolmir Amado (PT): R$ 1 milhão
Edigar Diniz (Novo): R$ 1 milhão
Gustavo Mendanha (Patriota): R$ 946,1 mil

Maranhão

 

Lahesio Bonfim (PSC): R$ 4,6 milhões
Weverton (PDT): R$ 4,2 milhões
Professor Joas Moraes (DC): R$ 1,2 milhão
Simplício (Solidariedade): R$ 570 mil
Carlos Brandão (PSB): R$ 478,7 mil
Edivaldo (PSD): R$ 192,4 mil
Frankle Costa (PCB): nenhum bem cadastrado
Hertz Dias (PSTU): nenhum bem cadastrado

Minas Gerais

 

Kalil (PSD): R$ 3,6 milhões
Carlos Viana (PL): R$ 3,6 milhões
Marcus Pestana (PSDB): R$ 1,5 milhão
Lorene Figueiredo (PSOL): R$ 123,5 mil
Vanessa Portugal (PSTU): R$ 100 mil
Renata Regina (PCB): nenhum bem cadastrado

Mato Grosso do Sul

 

Eduardo Riedel (PSDB): R$ 20,7 milhões
André Puccinelli (MDB): R$ 6,9 milhões
Carlos Viana (PL): R$ 3,6 milhões
Marquinhos Trad (PSD): R$ 2,8 milhões
Rose Modesto (União): R$ 679 mil
Adonis Marcos (PSOL): R$ 164, 9 mil
Giselle (PT): nenhum bem cadastrado

Mato Grosso

 

Mauro Mendes (União Brasil): R$ 109 milhões
Moisés Franz (PSOL): R$ 115 mil

Pará

 

Helder Barbalho (MDB): R$ 18,7 milhões
Zequinha Marinho (PL): R$ 2,3 milhões
Adolfo Oliveira (PSOL): R$ 491 mil
Cleber Rabelo (PSTU): R$ 40 mil

Paraíba

 

João (PSB): R$ 1,4 milhão
Veneziano Vital do Rego (MDB): R$ 1,2 milhão
Pedro Cunha Lima (PSDB): R$ 977 mil
Adjany Simplício (PSOL): nenhum bem cadastrado
Major Fábio (PRTB): nenhum bem cadastrado
Nascimento (PSTU): nenhum bem cadastrado

Pernambuco

 

Miguel Coelho (União): R$ 2 milhões
Anderson Ferreira (PL): R$ 1,8 milhão
Marília Arraes (Solidariedade): R$ 1,2 mil
Danilo Cabral (PSB): R$ 980,7 mil
Raquel Lyra (PSDB): R$ 340,6 mil
Pastor Wellington (PTB): R$ 337,4 mil
Jadilson Bombeiro (PMB): R$ 210 mil
Cláudia Ribeiro (PSTU): nenhum bem cadastrado

Piauí

 

Silvio Mendes (União): R$ 1,9 milhão
Rafael Fonteles (PT): R$ 1,6 milhão
Madalena Nunes (PSOL): R$ 520 mil
Coronel Diego Melo (PL): R$ 395,2 mil
Geraldo Carvalho (PSTU): R$ 200,6 mil
Gustavo Henrique (Patriota): nenhum bem cadastrado

Paraná

 

Carlos Massa Ratinho Júnior (PSD): R$ 8,8 milhões
Requião (PT): R$ 896,9 mil
Joni Correia (DC): R$ 620 mil
Professora Angela (PSOL): R$ 321,8 mil
Gomyde (PDT): R$ 88,4 mil
Vivi Motta (PCB): R$ 32,2 mil
Professor Ivan (PSTU): nenhum bem cadastrado

Rio Grande do Norte

 

Fábio Dantas (Solidariedade): R$ 1,3 milhão
Fátima Bezerra (PT): R$ 978,6 mil
Rosália Fernandes (PSTU): R$ 210 mil
Bento (PRTB): R$ 60 mil
Clorisa Linhares (PMB): R$ 1,8 mil
Nazareno Neris (PMN): nenhum bem cadastrado

Rio de Janeiro

 

Rodrigo Neves (PDT): R$ 873,8 mil
Paulo Ganime (Novo): R$ 213 mil
Cláudio Castro (PL): R$ 194 mil
Cyro Garcia (PSTU): R$ 164,8 mil
Marcelo Freixo (PSB): R$ 78,9 mil
Juliete (UP): R$ 203,99

Rondônia

 

Ivo Cassol (PP): R$ 134,4 milhões
Marcos Rogério (PL): R$ 2,3 milhões
Coronel Marcos Rocha (União): R$ 1 milhão
Pimenta de Rondônia: R$ 120 mil

Roraima

 

Antonio Denarium (PP): R$ 21,5 milhões
Rudson Leite (PV): R$ 1,2 milhão
Teresa Surita (MDB): R$ 922,2 mil
Fábio Almeida (PSOL): R$ 26 mil

Rio Grande do Sul

 

Argenta (PSC): R$ 372,9 milhões
Luiz Carlos Heinze (PP): R$ 8,3 milhões
Ricardo Jobim (Novo): R$ 7,2 milhões
Vieira da Cunha (PDT): R$ 1 milhão
Onyx Lorenzoni (PL): R$ 981,8 mil
Edegar Pretto (PT): R$ 666,5 mil
Rejane de Oliveira (PSTU): R$ 520 mil
Vicente Bogo (PSB): R$ 300 mil
Eduardo Leite (PSDB): R$ 281,4 mil

Santa Catarina

 

Jorge Boeira (PDT): R$ 7,5 milhões
Odair Tramontin (Novo): R$ 6,9 milhões
Gean Loureiro (União): R$ 3,2 milhões
Jorginho Mello (PL): R$ 2,4 milhões
Carlos Moisés (Republicanos): R$ 2 milhões
Ralf Zimmer (Pros): R$ 1,8 milhão
Décio Lima (PT): R$ 1,5 milhão
Professor Alex Alano (PSTU): R$ 301,5 mil

Sergipe

 

Fábio (PSD): R$ 1,2 milhão
Delegado Alessandro (PSDB): R$ 900 mil
Professor Aroldo Felix (UP): R$ 679,4 mil
Dr. Antonio Cláudio Geriatra (DC): R$ 509 mil
Rogério Carvalho (PT): R$ 485 mil
Niully Campos (PSOL): R$ 230 mil

São Paulo

 

Rodrigo Garcia (PSDB): R$ 5,1 milhões
Vinicius Poit (Novo): R$ 3 milhões
Tarcísio (Republicanos): R$ 2,3 milhões
Elvis Cezar (PDT): R$ 2,2 milhões
Fernando Haddad (PT): R$ 595 mil
Carol Vigliar (UP): R$ 205 mil
Altino (PSTU): R$ 192,5 mil
Edson Dorta (PCO): R$ 14 mil
Gabriel Colombo (PCB): nenhum bem cadastrado

Tocantins

 

Paulo Mourão (PT): R$ 6,7 milhões
Ronaldo Dimas (PL): R$ 548,2 mil
Karol Chaves (PSOL): R$ 66 mil

Comentários

Continue lendo

Em alta