Muitos estudantes brasileiros passam grandes necessidades na Bolívia. Alguns chegam até a passar fome.

Doctors Seek Higher Fees From Health InsurersDa Agência ContilNet

Atraídos pela promessa de mensalidade barata, fugindo das dificuldades que é passar em um vestibular de uma universidade federal e sem condições de pagar as mensalidades de uma faculdade particular no Brasil, milhares de estudantes brasileiros, entre eles muitos acreanos, mudam-se para a Bolívia e iniciam uma verdadeira via crucis até culminar com a formatura em Medicina para em seguida iniciar a segunda etapa da batalha, a luta pela revalidação do diploma.

Entre os grandes problemas enfrentados pelos estudantes está a dificuldade em receber o dinheiro enviado por seus pais ou outros parentes, através da rede bancaria ou transferência, desrespeito a taxas de câmbios e recebimentos através do serviço oferecido pela Western Union, uma empresa multinacional que oferece vários serviços, entre eles a transferência de dinheiro de pessoa para pessoa, ordens de pagamento e serviços comerciais.

A empresa tem parceria com o Banco do Brasil, instituição que nos últimos meses se tornou alvo de críticas de estudantes brasileiros pelas dificuldades que eles enfrentam para retirada de dinheiro no exterior.

A agência do Banco do Brasil em Santa Cruz de la Sierra, por exemplo, foi fechada para atendimento aos brasileiros há cerca de dois meses, o que dificultou ainda mais a vida dos estudantes que moram naquele país. As taxas cobradas por cada saque nos caixas eletrônicos do BB, que ainda estão abertos, é um absurdo, diz uma estudante.

Brasileiros na fila para sacar dinheiro nos caixas eletrônicos/Foto: Neticina
Brasileiros na fila para sacar dinheiro nos caixas eletrônicos/Foto: Neticina

Abusos e extorsões

Os estudantes também denunciam abusos, extorsões e até ameaças por parte de bolivianos. É o alto preço cobrado por uma formação que em tese sairia barato pela baixa mensalidade cobrada pelas universidades bolivianas. Estima-se que 25 mil estudantes brasileiros estudem atualmente na Bolívia, boa parte deles são do Acre e Mato Grosso, mas há alunos de quase todo o País.

Apesar dos inúmeros acordos selados entre a embaixada do Brasil e da Bolívia com a intenção de facilitar a vida dos estudantes brasileiros naquele país, as dificuldades continuam existindo e tirando o sono e a tranquilidade de muita gente.

A jornalista Wania Pinheiro, mãe de um estudante que está na Bolívia buscando graduação, afirma que considera um desrespeito a forma como os estudantes são tratados e todas as dificuldades que envolvem a formação dos alunos. Ela diz que em Rio Branco há poucas casas de câmbio, que as filas são quilométricas e as condições de atendimento precárias.

“Estou a manhã inteira tentando transferir dinheiro para meu filho pelo Western Union aqui no shopping Daniele, mas apenas um caixa funciona, o ar condicionado está quebrado e a demora é imensa. Antes eu enviava o dinheiro pelo Banco do Brasil, mas com a taxa cobrada atualmente por esta instituição, não vem sendo possível fazer a transferência da minha conta para a dele. Um desrespeito com todos nós”, declarou.

Outra mãe que não quis se identificar afirmou que os valores de câmbio não são respeitados e que boa parte do pouco dinheiro que consegue enviar ao filho fica retido na transação bancária. “Entre taxas e outras coisas a gente perde R$ 300 reais de cada R$ 1 mil que manda. Muito difícil”, relatou.

Outra mãe de estudante, Nice Vieira, conta que não aguentará mais manter a filha estudando na Bolívia e lamenta que tenha que perder toda a grade já estudada. “Não tem mais condições, estamos todos no nosso limite. Não tem dinheiro. Os problemas se multiplicam, cada hora é uma coisa e o governo brasileiro não liga. O jeito é desistir mesmo perdendo o tempo que estudou”, declara.

Queixa semelhante sobre a taxas de câmbio foram feitos no ano passado por uma estudante da Udabol, em Santa Cruz de La Sierra, Luciana Disconzi. Ela usou o Facebook para cobrar do Banco do Brasil uma resposta sobre o suposto desrespeito às taxas de câmbio.

“E aqui o Banco do Brasil que nos atende não respeita os valores do câmbio nem para dólar, nem para peso boliviano. Quem responde por esse banco que nos atende aqui? Quem responde pelo dinheiro a mais que eles nos cobram alterando o câmbio para favorecê-los?”, escreveu, dirigindo o questionamento a fanpage corporativa da instituição bancária.

Aviso sobre saques nos caixas eletrônicos
Aviso sobre saques nos caixas eletrônicos

A resposta do Banco do Brasil sobre o suposto desrespeito as taxas de câmbio aplicadas aos estudantes brasileiros na Bolívia veio rápida, porém não convincente.

“Olá Luciana! Esclarecemos que a taxa de câmbio praticada na Bolívia resulta da variação de preço de 3 moedas distintas (Real, Dólar e Bolivianos) e de mercados distintos (Brasil, Estados Unidos e Bolívia). As operações que envolvem o câmbio do Real para o Boliviano podem variar de um banco a outro, de acordo com os bancos intermediários das operações ou mesmo em função do dia e hora que as operações se concretizam. Informamos que o BB tanto no Brasil como no exterior, realiza monitoramento de mercado sempre balizando suas taxas às taxas praticadas pelos seus pares. Ressaltamos que o BB é o único banco brasileiro a prestar serviço na Bolívia, realizando atendimento, inclusive em português através de duas agências no País, La Paz e Santa Cruz de la Sierra”, afirmou.

Os deputados federais Gladson Cameli (PP) e Perpetua Almeida (PCdoB) realizaram diversas reuniões com os referidos estudantes, colheram demandas e realizaram reuniões, inclusive com a embaixada Boliviana. Em julho deste ano, Cameli esteve na Bolívia participando de reuniões com estudantes e criticou o programa Mais Médicos, que segundo ele vem dando amplo apoio a médicos formados em Cuba e esquecendo os brasileiros formados em outras nações.

De acordo com dados da embaixada brasileira divulgados em março deste ano, o número de estudantes brasileiros na Bolívia chega a 25 mil, o que equivale a 23% dos estudantes de medicina matriculados no Brasil no ano passado, 110.804, segundo censo do Ministério da Educação. O número de brasileiros estudando medicina na Bolívia é ainda 16 vezes maior que dos que os colegas que cursam na Universidade de São Paulo (USP).

Entrada principal da Ucebol, em Santa Cru de la Sierra
Entrada principal da Ucebol, em Santa Cru de la Sierra

A realidade

Muitos estudantes brasileiros passam grandes necessidades na Bolívia. Alguns chegam até a passar fome. Eles vão estudar naquele país acreditando que poderiam pagar suas despesas com pouco dinheiro, mas logo percebem que em uma cidade como Santa Cruz de la Sierra, por exemplo, o custo de vida não é diferente de grandes centros turísticos do planeta.

Os preços na Bolívia são reajustados conforme os humores do dólar, e quando esta moeda sobe, tudo encarece, o que reflete principalmente nos estudantes brasileiros.
Morar bem em Santa Cruz custa muito caro. O valor do aluguel em um bom apartamento não sai por menos de R$ 1.500,00. Com este dinheiro, muitos estudantes têm que pagar a mensalidade da escola, comer e pagar pelo lugar onde mora.

“Existem outros lugares mais baratos, só que muitos não têm segurança, por isso muitos estudantes abrem mão até de comer bem para morar em um lugar mais seguro”, diz uma jovem que cursa medicina em Santa Cruz.

Comentários