A entrevista foi exibida na noite dessa segunda-feira (18), nos Estados Unidos, madrugada de terça (19/1) no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro está em Washington, nos Estados Unidos, para se reunir com o presidente americano Donald Trump. Durante sua passagem pelos Estados Unidos, Bolsonaro concedeu entrevista ao canal de TV norte-americano Fox News.

Nos Estados Unidos, a entrevista foi exibida na noite desta segunda-feira (18), já madrugada de terça (19) no Brasil. Logo no início da conversa, Bolsonaro foi questionado se teria alguma ligação com o assassinato de Marielle Franco. Em sua resposta, o presidente disse que “por coincidência”, um dos supostos assassinos mora perto da sua casa, no Rio de Janeiro, e, devido a isso, a “mídia quis estabelecer uma ligação” dele com o caso. Bolsonaro questionou qual seria o seu interesse no caso, já que não conhecia Marielle: “Que tipo de motivação eu poderia ter para ser o cérebro desse crime se eu nem a conhecia?”, disse.

Bolsonaro também foi questionado sobre suas declarações ofensivas acerca das minorias, como mulheres, negros e homossexuais, entre outros. Segundo ele, a responsabilidade disso é da mídia, que tira suas frases do contexto real: “Se eu fosse tudo isso, não teria sido eleito presidente. Tem muita fake news no Brasil, a população aprendeu a usar as redes sociais e não acredita mais na mídia convencional, que é dominada por esquerdistas. Não sou contra homossexuais, nem mulheres. Mas quero ter minha casa em ordem e a definição de família, para mim, é a da Bíblia”, declarou.

Ao ser questionado sobre o vídeo obsceno que publicou em suas redes sociais no Carnaval, Bolsonaro disse que queria mostrar o que estava acontecendo. “Esse vídeo já estava circulando na internet, e compartilhei para mostrar como o Carnaval estava acontecendo”.

Bolsonaro falou também da sua admiração pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Ele mostrou-se favorável à construção do muro na fronteira dos americanos com o México. “Nós vemos com bons olhos a construção do muro”, afirmou Bolsonaro. Ainda de acordo com ele, “a maioria dos imigrantes não tem boas intenções ao vir para os Estados Unidos”, disse.

Bolsonaro também foi questionado sobre a crise na Venezuela. Segundo ele, “o país mais interessado em acabar com o tráfico de drogas e com a ditadura de Nicolás Maduro é o Brasil”. Segundo ele, o Brasil vai procurar a alternativa mais apropriada para a Venezuela voltar a ter paz, democracia e liberdade”. Bolsonaro disse também que o Brasil tomaria rumo parecido com o da Venezuela se continuasse sendo comandado por governos petistas.

Comentários