Conecte-se conosco

Brasil

Cinco anos depois da tragédia, a Chape afunda. E as famílias ainda lutam por indenização

Publicado

em

Cinco anos da queda do avião que levava a Chapecoense para a final da Sul-Americana de 2016, com 71 mortes e os terríveis reflexos. Luta na Justiça por indenização. E o clube, sem apoio, enfrenta o segundo rebaixamento

Indenizações não pagas, dois rebaixamentos, fuga de patrocinadores. Reflexos da queda do avião
ASSOCIAÇÃO CHAPECOENSE DE FUTEBOL

Do R7

“Cosme, queremos justiça. Mas sabemos que será muito lenta, complicada. Os envolvimentos são muito grandes pela extensão da tragédia. Setenta e uma vidas foram perdidas.

“Foi um acidente que acabou com um time campeão, mas que vitimou 71 famílias. Pela contratação de uma empresa aérea que não tinha sequer dinheiro para colocar combustível no avião. E por isso ele caiu.

“Como envolve muitos interesses, a nossa batalha será árdua, longa. Mas vamos até o fim. Em memória das pessoas amadas que perdemos na queda do avião da Chapecoense. E que não pode ser chamada nunca de acidente.

“Vai demorar, mas vamos lutar por justiça.”

A previsão, infelizmente mais do que correta, foi feita por Mara Paiva, viúva do ex-jogador Mário Sérgio, que morreu na queda do avião da LaMia, há exatos cinco anos, a cerca de 30 km do aeroporto de Medellin.

Mara, mesmo diante da comoção que o Brasil viveu com o acidente, velório e enterro das vítimas, não se iludiu. Anteviu as complicações da situação no início de dezembro de 2016.

Ela se tornou presidente da Associação dos Familiares das Vítimas do Voo da Chapecoense e participa diretamente da busca de indenização dos parentes dos jogadores, membros da comissão técnica, funcionários, convidados e jornalistas mortos na queda do avião.

A situação é complicada por envolver muitas pessoas, muito dinheiro, a legislação de vários países. Há uma batalha jurídica entre os parentes, a companhia LaMia e seguradoras.

E outra envolvendo os familiares das 71 vítimas e a Chapecoense.

Primeiro, as seguradoras. Advogados dos familiares trabalham em vários processos. Cobrando indenizações da companhia aérea LaMia, da seguradora inglesa Tokyo Marine Kiln, da resseguradora boliviana Bisa. E da corretora britânica AON.

Há processos na Bolívia, Colômbia, Estados Unidos e Inglaterra. Em todos eles, advogados da empresa estão emperrando o pagamento das indenizações com infindáveis recursos, que se arrastam e devem se arrastar por muitos anos.

Em setembro de 2020, houve grande esperança dos familiares das vítimas, quando a Justiça da Flórida anunciou que a corretora, a seguradora e a resseguradora deveriam dividir uma indenização de 800 milhões de dólares, cerca de R$ 4,4 bilhões pelo acidente. Mas a seguradora Tokyo Marine conseguiu bloquear o pagamento. E tudo voltou à estaca zero.

Os políticos que haviam se comprometido a “resolver a questão o mais rápido possível”, em 2016, instalaram em dezembro de 2019, três anos depois, uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) no Senado Federal. A meta era resolver a situação dos familiares das vítimas.

A promessa era que, em seis meses, tudo seria resolvido. Mas suspensa, depois de três meses, em março. Por causa da pandemia. Finalmente neste mês, a CPI voltou a trabalhar. Na semana passada, ouviu Celia Castedo Monasterio, controladora boliviana que aprovou o voo da LaMia. Ela foi presa pela Polícia Federal em setembro, em Mato Grosso do Sul.

Em relação à Chapecoense, os familiares se dividiram. Há aqueles que fizeram acordo. Segundo o clube, já foram pagos R$ 50 milhões de indenização nos últimos três anos e meio. E ainda restam, no mínimo, mais de R$ 30 milhões.

O avião, que caiu a 30 km do aeroporto de Medellín. Por falta de combustível

O avião, que caiu a 30 km do aeroporto de Medellín. Por falta de combustível Reprodução/Twitter

Eram R$ 460 mil mensais em pagamentos de indenização. A Chapecoense conseguiu estender o prazo e passou a pagar R$ 250 mil a 83% das pessoas ligadas às vítimas. Dezessete por cento ainda não fizeram acordo.

Todas as ações têm como base o fato de que foi a Chapecoense que contratou o voo da LaMia.

Além da perda irreparável de 71 vidas, para a futebol do clube catarinense o acidente foi terrível.

Primeiro porque o fortíssimo time de 2016 deixou de existir.

Dirigentes atuais revelam que o clube de Santa Catarina recebeu apoio irrestrito das outras equipes de futebol do país apenas em 2017. E deixam claro que houve um grave erro de diretorias passadas, que não quiseram aceitar a proposta da CBF, que tornaria o clube livre de rebaixamento por cinco anos.

O resultado foi que, a partir de 2018, com a tragédia “esquecida” pelos clubes rivais, vieram as dificuldades. E terminaram no rebaixamento da Chape para a Segunda Divisão, em 2019.

O clube subiu em 2020 e voltou a cair neste ano, em um recorde negativo, a sete rodadas da final do Brasileiro.

As dívidas somam mais de R$ 120 milhões. Pesadas, para a atual situação do clube.

A equipe da Chapecoense que foi vítima da queda do avião da LaMia
CHAPECOENSE

O atual presidente, Gilson Sbeghen, revela que foi um erro a subida da Série B para a A, em 2020. Por falta de estrutura financeira.

Grandes patrocinadores não querem associar suas marcas com o clube, que tem vários processos na Justiça que não foram julgados. Não há dinheiro para a montagem de times promissores.

Ao fretar, por economia, o voo da empresa bolivia LaMia para decidir a Copa Sul-Americana de Futebol de 2016, a Chapecoense se envolveu no maior desastre aéreo do futebol brasileiro em todos os tempos.

Equipe da Fox Sports que perdeu a vida indo trabalhar na cobertura da final da Sul-Americana
REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

Uma tragédia evitável, se o avião houvesse sido reabastecido.

Não foi. Para não gastar mais R$ 10 mil, o piloto, e dono da LaMia, Miguel Quiroga decidiu arriscar.

E perdeu, ao enfrentar tráfego áereo, o que acabou com o combustível da aeronave.

Daí o desastre.

Cinco anos depois, as terríveis consequências estão longe de acabar…

Comentários

Brasil

UFC 270: Deiveson Figueiredo vence Brandon Moreno em grande luta e retoma título

Publicado

em

Por

Brasileiro vence o último capítulo da trilogia por decisão unânime (triplo 48-47) em combate espetacular no co-evento principal em Anaheim (EUA)

Foi uma luta para entrar para a história do peso-mosca (até 57kg). O terceiro encontro entre Brandon Moreno e Deiveson Figueiredo foi repleto de tensão e terminou com final feliz para o Brasil. O desafiante venceu por decisão unânime (triplo 48-47) e recuperou o cinturão da categoria graças a potência de sua mão direita, que lhe garantiu knockdowns em momentos decisivos do combate.

Deiveson Figueiredo venceu Brandon Moreno por decisão unânime (triplo 48-47) — Foto: Getty Images

Depois de empatar na primeira luta e manter o cinturão e ser finalizado no segundo confronto contra o mexicano, Deiveson voltou com outra postura e teve em Moreno um rival que valorizou a sua conquista. Ainda no octógono, ele pediu para enfrentar o lutador pela quarta vez, agora no México.

A luta

O combate começou muito equilibrado, mas o brasileiro conseguiu desequilibrar o campeão duas vezes com chutes na base. Com pouco mais de um minuto para o fim do round, Deiveson aplicou a queda e foi para as costas, mas o mexicano fez bonito giro para escapar da posição e voltar em pé. Ainda houve tempo para Moreno acertar dois chutes baixos e receber uma dura esquerda no rosto.

O campeão voltou melhor no segundo round e acertou dois cruzados. Deiveson tentou um chute rodado, mas Moreno marcou bem o tempo e derrubou. O brasileiro fez o giro e logo ficou de pé, mas o mexicano passou a conectar muitos socos na cabeça do desafiante. Figueiredo aplicou uma queda no começo do terceiro assalto, foi para as costas, mas perdeu a posição novamente. O brasileiro conectou uma esquerda e balançou o rival, mas, ao ir para cima, recebeu um contragolpe e também sentiu, mas ambos se recuperaram rapidamente.

Deiveson Figueiredo venceu Brandon Moreno por decisão unânime (triplo 48-47) — Foto: Getty Images

A luta ganhou contornos de emoção. Deiveson desequilibrou de novo o mexicano com um chute baixo, mas recebeu outra bomba na cabeça que o fez recuar. Nos momentos de trocação franca, Moreno era mais preciso, mas, nos segundos finais do round, o brasileiro acertou um direto de direita que levou o campeão a knockdown. O desafiante sentiu o bom momento e voltou melhor para o quarto assalto, mas sem se expor demais. Moreno, no entanto, procurou a luta mais franca e foi mais efetivo que o rival.

Moreno conseguiu uma queda no início do último round, mas o brasileiro escapou da posição pouco depois. Com cerca de dois minutos para o fim do confronto, Deiveson acertou uma bomba de direita e levou o campeão a knockdown. No fim, os dois foram para o tudo ou nada com muitos golpes, mas ambos ficaram de pé.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Sargento se afoga, é ressuscitado após 50 minutos e morre pouco tempo depois em SP

Publicado

em

Por

Caso ocorreu em Praia Grande, enquanto ele curtia o dia com a família. Sergio Alves Mendes tinha 50 anos, foi socorrido a uma unidade de saúde da cidade, mas não resistiu.

Sergio Alves Mendes chegou a ser socorrido, mas não resistiu — Foto: Reprodução

Um sargento da reserva da Polícia Militar morreu após se afogar no mar de Praia Grande, no litoral de São Paulo. Segundo apurado pelo g1 neste domingo (23), Sergio Alves Mendes, de 50 anos, foi socorrido a uma unidade de saúde da cidade, foi reanimado por 50 minutos, voltou à vida, mas não resistiu.

O caso ocorreu por volta das 13h, na praia do bairro Vila Guilhermina. Segundo o Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar), ele estava com a família e entrou no mar para se banhar, quando foi arrastado por uma corrente de retorno e passou a se afogar.

Banhistas que estavam no local o viram e entraram no mar para resgatá-lo e levá-lo até a faixa de areia. Durante o resgate, guarda-vidas foram acionadas e o pegaram já inconsciente. Ele foi socorrido até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Samambaia, onde foi reanimado e teve os sinais vitais reestabelecidos após cerca de 50 minutos de manobras de ressuscitação.

Apesar disso, o sargento não resistiu e acabou morrendo pouco tempo depois na unidade. Ainda de acordo com o GBMar, Mendes atuou pela última vez no 46º Batalhão de Polícia Militar Metropolitana, sediado na cidade de São Paulo.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Vídeo: Campeonato Carioca inicia na próxima quarta-feira, dia 26

Publicado

em

Por

Campeonato carioca é referencia para o mundo, onde joga grandes craques e revela novos talentos. A transmissão será exclusiva da TV Record.

Comentários

Continue lendo

Em alta