A Confederação Nacional dos Transportes (CNT)  realizou série de ensaios, produziu cálculos e equações para chegar à conclusão que o asfalto nas rodovidas federais do Acre –e do resto do País –duram bem menos que o  de outros países. A CNT  tomou uma pequena amostragem da BR 364, que corta o Acre de norte a sul, para obter um panorama geral. A amostra escolhida foi do KM 124,80 ao 274,50 –uma extensão de quase 150 quilômetros em solo acreano –recuperados na primeira etapa do programa denominado Crema (uma ação de manutenção viária). E a conclusão, a maioria dos acreanos já sabia: 99,68% % da extensão da pista apresentou   “necessidades não atendidas”.

Foto: internet

As informações, de caráter altamente técnicas, constam do relatório Porque o Pavimento das Rodovias do Brasil não Duram. Os remendos, apesar de ser uma atividade de conservação, é considerado um defeito por apontar um local de fragilidade e por impactar o conforto no rolamento. A deterioração de remendos é o conjunto de danos existentes em uma área de remendo. qualidade do pavimento das rodovias tem impacto direto no desempenho do transporte rodoviário e na economia do Brasil. Uma rodovia com más condições de pavimento aumenta o custo operacional do transporte, reduz o conforto e a segurança dos passageiros e das cargas, além de causar prejuízos ambientais. Visto que o transporte rodoviário é responsável pelo tráfego de aproximadamente 90% dos  passageiros e de mais de 60% das cargas que circulam no país, a pergunta que ensejou o presente estudo da Confederação Nacional do Transporte – CNT se revela mais do que pertinente: por que os pavimentos das rodovias brasileiras não duram?

A eles foi perguntado quais são as possíveis causas da degradação precoce do pavimento rodoviário no país. As causas apontadas foram classificadas em quatro categorias: método de dimensionamento; tecnologias e processo construtivo; manutenção e gerenciamento; e fiscalização. Para cada categoria, foram apontadas, também, oportunidades de melhoria.

Além disso, ainda em busca de respostas, as equipes técnicas da CNT analisaram a série histórica e as condições atuais dos pavimentos das rodovias brasileiras; pesquisaram normas técnicas adotadas no Brasil e em outros países; levantaram resultados de auditorias realizadas por órgãos de controle e ouviram a opinião de especialistas do setor público e da academia.

Desse esforço, diz a CNT, resultou uma visão precisa e abrangente dos problemas que afetam a qualidade dos pavimentos das rodovias brasileiras. Os dados aqui contidos pretendem auxiliar os transportadores na busca de soluções e oferecer aos gestores do poder público subsídios para a construção de políticas públicas transformadoras.

“Melhorar a pavimentação das rodovias é apenas um dos desafios. Precisamos de uma mudança definitiva do quadro de precariedade do transporte rodoviário brasileiro. E devemos ir além. Mais do que ter uma malha rodoviária de qualidade, proporcional às demandas e às dimensões do país, o Brasil precisa realizar fortes investimentos em infraestrutura de transporte e logística. Os avanços estruturais, com modernização, ampliação e diversificação da matriz de transporte, são fundamentais para impulsionar o crescimento econômico. Com uma infraestrutura robusta, será possível aumentar a produtividade e a competitividade das empresas; produzir mais riquezas; estimular a economia regional; gerar empregos; e acelerar o desenvolvimento econômico e social do país”, diz a confederação.

Fonte: ac24horas.com

Comentários