Acre, efeito cascata

Revolta, reivindicações e posicionamento são cobranças feitas por servidores e população do Acre.

O Acre perde o eixo

Nada mais parece garantir o Acre no eixo.  A indignação toma conta da população que sofre as consequências negativas das desastrosas gestões.

A segurança está um caos

As manchetes dos jornais estampam terrores diariamente. O ódio e a crueldade tem sido o elo da comunicação atual. Assaltos, furtos, roubos, latrocínios e assassinatos evidenciam a dinâmica diária.

O descontentamento

A fim de conter a violência, a população sai as ruas pedindo posicionamento por parte dos gestores.

A posse de arma de fogo…

… está permitido para moradores da zona rural em todo o perímetro de sua propriedade, a partir de um decreto de Jair Bolsonaro. Será a solução?

O descredito aumenta

Nesses momentos difíceis, o desespero cresce e as manifestações surgem, mas ao que tudo indica, inerte permanece nossos representantes legais.

Aonde vamos chegar?

Fronteira aberta

A fronteira do Alto Acre continua aberta e as quadrilhas agindo contra a população. O medo tomou conta das cidades, trancafiados permanece o povo enquanto os bandidos fazem a festa.

Vimos os correios entrarem em greve.

Insatisfeitos com a falta de conservação das agências, redução dos serviços prestados e a possibilidade de privatização da estatal, os servidores dos correios deflagraram greve.

Educação protesta

Os funcionários da educação municipal da capital do Acre, realizaram ato de protesto em frente à prefeitura de Rio Branco. A categoria enfrenta a desvalorização profissional por seus gestores.

Greve da Saúde

Os servidores da saúde do Acre, também decidiram entrar em greve por tempo indeterminado. O Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Acre (SINTEAC), fez diagnostico situacional, listou prioridades e propôs soluções. Com as reivindicações ignoradas, a paralisação dos serviços aconteceu. A luta foi considerada ilegal e proibida pela justiça. Na UTI permanece a saúde.

Confusão durante a greve

Insatisfeito com a manifestação dos servidores da saúde, o secretário adjunto protagonizou um episódio de agressão, ofensas e queixas tumultuando ainda mais a situação. A confusão foi tema de debates, cobranças e teimas na assembleia legislativa.

O povo pede socorro

Enquanto a nação invade as ruas pedindo socorro, o governo federal propõe reformas indecentes. Massacrar o pobre virou rotina!

Volta da CPMF

O governo sinaliza cobrar imposto sobre operação financeira. Se vingar a ideia, mais dinheiro será arrancado do pobre nas operações financeiras, quem receber o dinheiro ou pagar terá um imposto cobrado sobre a transação realizada.

No Brasil…

há muitos impostos e a economia é lenta. O desemprego é evidente, a miséria presente e a violência crescente.

https://g1.globo.com/ac

Comentários