Conecte-se conosco

Cotidiano

Com aumento no número de casos, governadora em exercício reforça necessidade de imunização contra a covid-19

Publicado

em

“Vacinar é a nossa salvação”, afirmou a governadora em exercício, desembargadora Waldirene Cordeiro, durante reunião que tratou sobre as estratégias adotadas pelo do governo do Estado para o enfrentamento da chamada terceira onda da pandemia de covid-19, no Acre.

Diante do aumento dos casos de Covid-19, governadora em exercício, desembargadora Waldirene Cordeiro, reforçou o pedido para que a população se imunize Foto: Marcos Vicentti/Secom

Desde os primeiros dias do ano, o número de casos de pessoas infectadas pelo novo coronavírus tem registrado aumento em todas as regiões do estado. Simultaneamente, as notificações de síndromes gripais também cresceram, provocando lotação nas unidades públicas hospitalares.

Diante do atual cenário, o governo acreano reforçou sua estrutura para atender a população. Segundo Waldirene Cordeiro, todos os esforços estão sendo feitos no sentido de assegurar assistência necessária aos pacientes. A gestora aproveitou a oportunidade para enfatizar a necessidade do ciclo vacinal completo para que a pandemia seja superada de uma vez por todas.

Reunião realizada nesta quinta-feira, 13, tratou sobre as estratégias do Estado no enfrentamento à covid-19 e surto de síndromes gripais Foto: Marcos Vicentti/Secom

“A maioria das pessoas que está nos hospitais ainda não se vacinou. A vacinação é o que está a nos salvar. É importante ainda mantermos o uso de máscara, lavar as mãos, manter o distanciamento social e demais cuidados necessários”, frisou.

O encontro realizado nesta quinta-feira, 13, na sala de reuniões da Casa Civil, em Rio Branco, discutiu a possibilidade de regressão para a Bandeira Laranja em todas as regionais do estado. Nesta faixa classificativa, uma série de medidas restritivas entra em vigor para conter a proliferação do vírus. O pedido será analisado pelo Comitê de Acompanhamento Especial da Covid-19.

Doses para público infantil chegam hoje ao Acre

Nesta noite, o governo receberá 7,2 mil doses do Ministério da Saúde, que serão destinadas, exclusivamente, para crianças entre 5 e 11 anos de idade. A distribuição dos imunizantes produzidos pela farmacêutica Pfizer aos municípios será feita pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio do Programa Nacional de Imunização (PNI), a partir desta sexta-feira, 14.

Secretária de Saúde, Paula Mariano, confirmou a para esta noite a chegada do primeiro lote de vacinas para imunizar o público infantil Foto: Marcos Vicentti/Secom

No Acre, a meta é alcançar um público estimado em 120 mil pessoas. De acordo com a gestora da pasta, Paula Mariano, o Estado planeja organizar mutirão na capital para auxiliar a vacinação entre o público infantil. O local escolhido foi o bairro Cidade do Povo, no Segundo Distrito da cidade.

“Sabemos que a responsabilidade da vacinação é dos municípios, mas o momento pede a união de todos para que possamos sair logo desta pandemia. Definimos a Cidade do Povo como um local estratégico e, em breve, anunciaremos a data deste mutirão”, declarou.

Comentários

Cotidiano

Tite redobra atenção com preparação de atletas a 99 dias de estreia na Copa: “Não vamos agradar a todos”

Publicado

em

Por

Treinador concede entrevista exclusiva ao ge e abre o jogo a poucos meses do início do Mundial

Tite cobra preparação especial de jogadores para Copa do Mundo; veja entrevista

Merecer com alma, qualidade técnica, solidariedade como equipe, confiança alta, preparação ao máximo e parceria de grupo. Essas são as palavras que impulsionam Tite e Cléber Xavier rumo ao hexa. O ciclo de preparação para o mundial do Catar estabeleceu uma equipe competitiva, mentalmente forte e com espaço para as individualidades brilharem.

Os números falam por si. O gaúcho de Caxias do Sul soma 84% de aproveitamento em 74 jogos em frente à Seleção Brasileira, desde junho de 2016. São 56 vitórias, 13 empates e cinco derrotas, com 158 gols marcados e 26 gols sofridos. Dois reveses doeram na alma: a eliminação para a Bélgica e a perda do título para a Argentina na Copa América de 2021.

A comissão insiste para que os jogadores façam três meses de excelência para chegar em alto nível no mundial. Não há espaço e tempo para desleixo. Qualquer deslize pode ser determinante para sobrar da lista dos 26, que segue indefinida. Para Tite, não basta querer ganhar, é preciso estar determinado para alcançar o auge físico e técnico.

A observação que estamos fazendo para nós e atletas: tem vontade de te preparar para estar bem? Estamos fazendo todo esse possível para que eles cheguem na melhor condição.

— Tite

Técnico Tite e auxiliar Cléber Xavier — Foto: Reprodução/RBS TV/Gabriel Bolfoni

Técnico Tite e auxiliar Cléber Xavier — Foto: Reprodução/RBS TV/Gabriel Bolfoni

Tite demonstra o brilho no olho a cada resposta. Brilho de quem confia e persegue com muito trabalho a desejada Copa do Mundo. Aos 61 anos, o treinador se vê mais experiente e preparado para encarar os desafios e tomar as melhores decisões. O comandante reviu a derrota para a Bélgica cinco vezes. Ao relembrar do jogo, admitiu que faltou uma falta tática para interromper na origem o lance do segundo gol belga.

Confira os principais trechos da entrevista

ge: Qual a pergunta mais ouvida nessa bateria de entrevistas?

Tite: Se a lista tá fechada. E, verdadeiramente, não está. Pela experiência, pelo nível de atletas, concorrência. Estamos acompanhando legal.

A FIFA permitirá 26 convocados na Copa do Catar. Como vocês pensarão e administrarão as três vagas a mais?

Predominantemente no setor criativo ofensivo com características diferentes, únicas, que possam proporcionar um arsenal estratégico maior

Cléber Xavier: Dentro da possibilidade de ter todos os atletas no banco, isso é muito importante. Tu tem os atletas no banco.

A 96 dias do início da Copa, Tite prepara a lista dos 26 convocados

Ainda tem duvidas na lista final?

Tem. Não é ser simpático e proforma. É porque não está (fechada) mesmo. Comentamos a competição dos atletas, o Cleber falou especificamente do Pedro.

CX: Não fechamos a lista. Em todos os setores. A gente trabalha com 3 ou 4 jogadores por posição para não ficar na mão, na dúvida, por situação de lesão, de perda. Por isso não está fechado. Na frente, são as características dos atletas, tem muitos com característica diferente, externo, um contra um, atacante pivô que faz sustentação e agride espaço, meio-campista que vai entrelinhas, que dê ritmo. Ter todos os atletas e o mais importante é que todos se sintam pertencentes ao processo. Isso que mantemos relações fora das convocações. Tem jogadores que não vem há duas ou três convocações e podem aparecer agora. Estamos acompanhando e inclusive mantendo contato.

O Tite hoje em relação a quatro anos atrás como está?

Eu brinco assim, tem bem mais cabelo branco, o joelho dói mais, experiência também traz, aliás o que é quando se faz um ciclo completo com muito mais segurança naquilo que está fazendo. Hoje nós temos aí com formas táticas, com um approach com os atletas muito mais uma relação de confiança como técnico. Com uma comissão técnica que se comporta de acompanhamento muito mais vivo diferentemente de um momento anterior de necessidade de transformar resultado e apressando tudo, agora nós temos, eu sinto, uma maturidade para entender esse conjunto e melhor preparado.

Tite em entrevista para o ge — Foto: Reprodução RBS TV/Gabriel Bolfoni

Tite em entrevista para o ge — Foto: Reprodução RBS TV/Gabriel Bolfoni

O trabalho entrou em uma fase de voo de cruzeiro? Está seguro?

CX: A gente não consegue se acomodar, o Tite brinca, brinca não, fala sério, que não tem essa zona de conforto. Para ele isso não existe, existe zona de confiança, a gente trabalha, pesquisa, discute, democratiza as informações, a gente tem um núcleo duro que trabalha diariamente na CBF com o Juninho, como nosso coordenador. O Tite, eu, o Cesar Sampaio, o Matheus, Fábio, o Guilherme, fisiologista, o Bruno e Thomas, como analistas de desempenho então é um grupo que vive diariamente, discute, cresce e claro que cada vez que o tempo passa mais maduro a gente fica. Mais vontade de aprender e se desenvolver que trabalho dê certo, não sei se isso dá esse voo de cruzeiro, mas dá confiança. Às vezes no olhar a gente sabe onde um está acertando, onde está errando, a gente vai desenvolvendo.

Tite: Zona de confiança com desafios.

Quais acertos da Copa na Rússia têm que ser mantidos e quais erros não podem ter novamente?

Difícil pontuar porque cada momento é distinto, não tinha a experiência que tenho agora. Analisar naquele momento é uma situação. Uma orientação especifica… Vou traduzir para o jogo, para que em uma falta ofensiva ou bola parada a gente tenha 1: condição de finalizar; 2: se receber rebote terminar e concluir; 3: manter posse e 4: fazer uma falta tática. É aprendizado técnico e tatico, reiterado sob forma de orientação. Usar da competitividade no momento importante. É o segundo gol da Bélgica, foi assim. Temos mais uma estrutura posicional que também dá criatividade. O Roger (Machado) fala isso. Pode ser predominantemente posicional, mas tem que ser funcional e misto para que a criatividade do atleta aconteça. Temos uma estruturação melhor nos termos táticos. Há uma série de aspectos que fazem um processo de evolução.

Na Rússia tinha a situação do Neymar com lesão, o Jesus voltando de problema. Esse ano parece que está tudo bem. Os jogadores estando bem, é uma vantagem em relação à Copa passada?

Cansei de ouvir: “gosto de vencer, sou competitivo”. Esse clichê me incomoda. Faço essa referência em relação às pessoas porque quem chega nesse alto nível sempre é competitivo. A observação que estamos fazendo para nós e atletas: tu tem vontade de te preparar para estar bem? Agora é o momento de acompanhamento tanto quanto possível. Claro que não vai ser perfeito. Não vamos agradar a todos, sabemos. Mas é da vida, o que nós temos que fazer, o que falamos para o atleta agora: “te prepara o melhor possível. Faz o teu acompanhamento clínico, físico. Nutrição, profilaxia, preventivamente”. Estamos fazendo todo esse possível para que eles cheguem na melhor condição. Pré-requisito (competitividade alta).

E como está o nível de ansiedade para ter todas as opções sem problemas?

Neymar estava voltando de lesão, Dani machucou, Renato Augusto também. A melhor versão nossa em 2018 foi nas Eliminatórias, aí depois ela machucou e oscilamos. O melhor jogo foi para mim contra a Bélgica, qualquer um podia passar, estou falando de boa aqui, tinha que ter prorrogação aquele jogo, pela grandeza e qualidade técnica das duas equipes. Que agora a gente tenha a condição de estar monitorando, mas vai ser inevitável que aconteça algum problema físico maior. Por isso estamos ajustando os atletas todos.

Tite vai definir nos próximos dias os substitutos de Neymar e Vini Jr no time titular — Foto: Pedro Martins/CBF

Tite vai definir nos próximos dias os substitutos de Neymar e Vini Jr no time titular — Foto: Pedro Martins/CBF

Nossa geração é boa, temos jogadores de qualidade. Hoje, o Brasil precisa de alguma característica, um jogador que tenha algo que o grupo ainda não tem?

O Leonardo (Oliveira), comentarista da RBS, falou uma coisa interessante. O 10 clássico que nós tínhamos, Douglas vamos colocar, D’Alessandro, especificamente, foram diluídos no 11, no 7 e no 8 até no 5. É a observação perfeita. Não temos mais o jogador específico com essa característica. Essas combinações, diluir essas características em diferentes em atletas passa a ser importante.

CX: O 10 é o construtor. Onde se constatou o construtor jogar, na entrelinha, no bloco defensivo do adversário, por trás, o externo de fora flutuando para construir. Temos hoje zagueiros construtores.

Interessante, me dá um gancho. O fisiologista e a comissão fizeram um estudo e buscaram na Liga Espanhola. Colocou que de 2013 a 2022, quase isso, o ritmo do jogo, o volume percorrido, permanece inalterado. O que muda é a velocidade de movimentos de 10 ou 20 metros. Um detalhe técnico que ficou observado que quero colocar: há um processo físico de evolução e um processo que o número de participações do zagueiro tornou-se 30% maior que outros jogadores. Equipes compactam e dão liberdade aos zagueiros para criar. Há necessidade ter defensores com boa qualidade do passe.

É uma Copa diferente pela época, pelo país. Quais os cuidados com isso ?

CX: Cuidado é que é uma Copa com pouco tempo de preparação, para a gente 10 dias porque estreamos mais tarde. E chegar com os atletas na melhor condição possível. Trabalhar na parte mental muito, como viemos trabalhando muito. O que ganhamos nesta Copa é atletas mais descansados física e mentalmente. O grande número de atletas nosso é da Europa, que vai estar em meio de competição. Os jogos são próximos, mas a recuperação em distâncias mais curtas de viagens, no máximo 45 minutos até o estádio, ajuda.

A Copa do Mundo sempre gera tendências. Podemos esperar algo de novo no comportamento das equipes?

Em termos táticos, o 5-2-3. No sistema a dinâmica e os atletas se complementarem é o aspecto mais importante.

CX: Para mim, o que chama mais atenção é a não definição de um sistema. O time joga no 3-5-2, mas joga quando? Quando defende baixo, alto ou médio? Como constrói no 3-5-2? Na média, no último terço? Pode ser 2-3-5 com os zagueiros ficando, meio-campista e laterais fechando como construtores e externos ampliados. Pode ser 3-2-5 ou 2-2-6. A numeração se perde um pouco das formas, porque o jogo é subdividido por momentos de construção e defesa.

O Tite é mais do Guardiolismo ou Kloppismo?

É de Ancelotti, um meio termo. Não é predominantemente defensiva, nem exclusivamente defensiva, criativa. Apesar de taxarem o Guardiola apenas como ofensivo, mas é a equipe que recupera mais rapidamente a bola. O perde-pressiona é altíssimo. Há um processo todo defensivo. Quem olhar o segundo gol na estreia que fez contra o West Ham, verá a equipe toda do Guardiola compactada em um 4-4-2 muito próximo da grande área, retoma a posse, a bola entra no Rodri, entra no De Bruyne, faz o passe para o Haaland. Quase 70 metros de passe vertical. Equilíbrio nessas ações, ter verticalidade e saber jogar com aproximações. Para mim, é a essência perto do que entendo por excelência.

Onde vocês estavam em 1970 (Tri), 1994 (Tetra) e 2002 (Penta)?

As etapas da vida influenciam na capacidade de análise, como a emoção bate forte. Em 70 estava jogando bolinha de gude e não conseguia entender como o Brasil estava perdendo para o Uruguai de 1×0. Aí, uma jogada em que o Clodoaldo inicia com Gérson, a bola vai para o Tostão e faz uma assistência para o Clodoaldo. Imaginava, como, teoricamente, o centroavante dá um passe para o primeiro meio-campista e empatamos. Mas é a emoção do empate. Outro que tenho a memória afetiva, 1982, quando o Falcão faz o gol de empate dei um tapa em um copo e sai vibrando, gritando. Passado o tempo, 1994 e 2002, mais analítico, enxergar com os olhos do ex-atleta e técnico. Mais analíticas e menos emocionais. Como as fases da vida trazem.

CX: Em 1970, menino com seis anos. Lembro coisa muito vaga. Em 1994, meu filho tinha nascido em fevereiro, assisti à Copa com ele muitas vezes no colo. E 2002, a gente estava em São Paulo para um jogo. Aqui no Brasil, os torneios não paravam para a Copa. Lembro de assistir a um jogo dentro de hotel, lembrança maior que eu tenho é viajando, já trabalhando.

Tite, técnico da seleção brasileira, durante treino na Coreia do Sul — Foto: Lucas Figueiredo / CBF

No banco de reservas, como controlar a emoção? Eu lembro da tua comemoração contra a Costa Rica. Correu e caiu no gramado.

O nível de concentração ali na casamata, como chamamos, procuramos abstrair no aspecto de fora e ficar focado no jogo. Mas é desafiador.

Quantas vezes vocês reviram Brasil 1×2 Bélgica e o que pensam dos grupos da Copa?

Eu assisti ao jogo cinco ou seis vezes com os principais lances. Fiz uma palestra da CBF sobre a trajetória do jogo, os momentos. Tem diferentes jogos dentro do mesmo jogo. As diferentes situações que aconteceram. O sentimento que eu tenho logo no início depois é que acordava à noite e dizia: “nós empatamos”. Claro que defendendo um pouquinho, diagnosticando um pouco que o De Bruyne falou de forma verdadeira: “O Brasil jogou melhor, mas fomos efetivos”. Cortouis disse pro Casemiro que fez um dos maiores jogos da carreira.

Fisiologista da Bélgica, em videoconferência, em uma palestra, disse que alguns componentes do futebol são determinantes e que tem uma pitada de sorte, senão não teria passado do Brasil. Quando falou, eu falei “mas vai para o quinto dos infernos, chega”. (risos)

CX: Vi o jogo umas três ou quatro vezes, em momentos de preparação, para rever, pegar detalhes. Para mim o suficiente para já deixar de lado. Os grupos são parelhos, não vi nenhum grupo da morte assim. Esse grupo de Coreia, Gana, Portugal e Uruguai é muito parelho e não sei quem classifica.

Sobra tempo para o Cléber e Tite viverem fora do futebol?

O Cléber coloca bem. Quem vê o nosso estilo, diz: os caras não são parceiros de jeito nenhum (risos). Fico em casa. Às vezes, as pessoas confundem e acham que sou mascarado e ostentoso. Sou um cara muito quieto, reservado. Intimista, talvez. Bicho do mato. Gosto da família, ler bastante, algum seriado, cinema. E gosto de esporte, ficar praticando o meu trabalho. Tem sido meu núcleo, o que me move e me traduz.

CX: Estava no fim de semana agora em um aniversário de uma coleguinha íntima de escola da minha filha. A mãe da menina e me apresentou para o pai dele, disse que eu era da seleção. Era o Ritchie, o cantor. Comecei a contar história, conhecia todas as músicas, tinha disco. Quando fui morar nos Emirados, levei cem discos, um deles era dele. É meu jeito, sair da pressão, soltar. Focar no trabalho e ser sociável.

Essa parceria de vocês iniciou quando, como?

Cheguei do Caxias no Grêmio e estava formando a comissão técnica. Seu Verardi e eu conversamos e havia um leque de opções de profissionais para serem auxiliares técnicas. O Seu Verardi me puxou para o lado e disse Tite o cara pra trabalhar contigo é o Cléber, o Cléber conhece todo o Grêmio em termos políticos e tem um profundo conhecimento sobre as categorias de base, e aqueles atletas que possivelmente possa aproveitar, o Cléber vai falar porque tem trabalhado com todos eles. Então ele foi um pouquinho do mentor da dupla, a gratidão do seu Verardi.

Qual o livro atual do Tite?

O livro atual é Felicidade, do Pondé, Karnal e Cortella, os três filósofos. O livro de cabeceira. O outro é um best-seller que um funcionário da CBF me presenteou. São os dois. O anterior que gosto, foi dos All Backs. Dá lições de equipe muito forte. Cortella colocando, que ele leu 10 mil livros, eu tenho uns 400, mais ligados ao futebol. Essa leitura me move para refletir. Ou sobre as situações táticas e ter também o perfil do grande atleta, capacidade de superação. Comprei do Armstrong, mas quando soube da realidade dele deixei de lado.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Assim como em 2021, Rio Branco-AC terá temporada sem calendário nacional em 2023

Publicado

em

Por

Com queda nas oitavas de final da Série D, Estrelão não tem mais chance de conquistar vaga em competição nacional e vai disputar apena Campeonato Acreano na próxima temporada

A eliminação nas oitavas de final do Campeonato Brasileiro Série D para o ASA vai impactar diretamente no futuro do futebol do Rio Branco-AC na próxima temporada. A competição era a última oportunidade do Estrelão conquistar vaga em uma disputa nacional em 2023.

Como não terá chances de acesso à Série C, o Estrelão vai jogar apenas o Campeonato Acreano no próximo ano, já que também não obteve vaga na Copa do Brasil e na Série D através do estadual, repetindo o que já ocorreu na temporada 2021.

Rio Branco-AC faz boa campanha na Série D, mas cai nas oitavas de final e vai jogar apenas Campeonato Acreano em 2023 — Foto: Manoel Façanha/Arquivo Pessoal

Rio Branco-AC faz boa campanha na Série D, mas cai nas oitavas de final e vai jogar apenas Campeonato Acreano em 2023 — Foto: Manoel Façanha/Arquivo Pessoal

No Campeonato Acreano, o Rio Branco-AC fez a pior campanha da história na era do futebol profissional terminando em quinto lugar.

Na Série D, a campanha não foi ruim, mas acabou sendo interrompida nas oitavas de final. Depois de 0 a 0 nos jogos de ida e volta contra o ASA, o Estrelão desperdiçou uma cobrança na disputa de pênaltis, foi derrotado por 5 a 4 e acabou vendo o sonho de subir para a terceira divisão acabar.

Agora, o clube aguarda para saber sobre o futuro da Copa Verde 2022, única competição que ainda resta no calendário da temporada, mas que não tem realização ainda confirmada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Em 2023, o futebol acreano terá como representantes no cenário nacional Humaitá e São Francisco, atuais campeão e vice-campeão estadual, respectivamente.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Vasco vai à CBF para que CSA diminua preço dos ingressos para torcida visitante

Publicado

em

Por

Clube carioca alega que adversário da próxima quinta está infringindo regra ao cobrar R$ 160 para que vascaínos assistam ao jogo no Estádio Rei Pelé

O Vasco entrou com uma representação contra o CSA na CBF, na noite desta terça-feira. O clube carioca pede que a entidade obrigue o adversário do jogo da próxima quinta-feira a diminuir o valor cobrado aos vascaínos para entrar no Estádio Rei Pelé. Os ingressos para a torcida visitante estão sendo vendidos a R$ 160 (R$ 80 a meia-entrada).

O contato com a CBF aconteceu após o Vasco receber reclamações de torcedores de Maceió e também de outros estados nordestinos, como Bahia, Sergipe e Paraíba. Os vascaínos disseram estar reconsiderando ir ao jogo devido ao alto valor dos ingressos.

Estádio Rei Pelé — Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas

Estádio Rei Pelé — Foto: Ailton Cruz/Gazeta de Alagoas

A diretoria vascaína alega que o CSA está infringindo a regra que determina que o clube mandante deve cobrar da torcida visitante o mesmo preço do setor equivalente à sua torcida. No caso, o Vasco afirma que o Setor D, onde ficarão os vascaínos, tem condições iguais ao do Setor A, destinado aos torcedores do time alagoano. O valor para esta área é de R$ 40 (R$ 20 a meia-entrada).

– Não podemos concordar com o tratamento desigual que está sendo dado aos nossos torcedores nessa partida contra o CSA, obrigando-os a pagar ingressos quatro vezes mais caros do que manda a regra. Esperamos que o CSA e a CBF tomem providências imediatas para corrigir essa irregularidade – declarou o 1º vice-presidente geral do Vasco, Carlos Roberto Osório, ao ge.

Mapa indica setores do Estádio Rei Pelé — Foto: Reprodução

Mapa indica setores do Estádio Rei Pelé — Foto: Reprodução

A regra em que o Vasco se baseia para levar o pedido à CBF está no Artigo 86 do Regulamento Geral de Competições de 2022. O parágrafo 4º diz o seguinte:

“Os preços dos ingressos para a torcida visitante deverão ter necessariamente, nos respectivos setores do estádio ou equivalente, os mesmos valores dos ingressos cobrados para a torcida local, observadas eventuais disposições contidas nos RECs”.

Nos jogos em São Januário, por exemplo, o Vasco cobra R$ 60 (R$ 30 a meia-entrada) dos visitantes, o mesmo valor cobrado dos vascaínos que ficam na arquibancada.

Este ano, valor parecido ao que o CSA pede foi cobrado pelo Guarani no jogo que aconteceu em Manaus. Na ocasião, porém, mesmo achando o preço injusto, o Vasco entendeu que não houve infringimento da regra, porque o mesmo valor foi cobrado da torcida visitante.

Veja abaixo os valores cobrados pelo CSA para o jogo contra o Vasco, às 20h de quinta-feira, no Estádio Rei Pelé, pela 25ª rodada da Série B:

Valores dos ingressos para CSA x Vasco — Foto: Reprodução

Após a publicação da reportagem, o Vasco divulgou a seguinte nota:

“O Club de Regatas Vasco da Gama informa que, nesta terça-feira, 16/8, entrou com um requerimento na CBF para exigir cumprimento do artigo 86, parágrafo 4º do Regulamento Geral de Competições da entidade, para que o preço de ingressos da partida CSA x CR Vasco da Gama, cobrados no setor visitante sejam imediatamente igualados aos preços do setor correspondente para a torcida local.

Os preços fixados pelo CSA para a partida da próxima quinta-feira para o setor visitante (Setor D) são de R$ 160,00 inteira e R$ 80,00 meia entrada. Já no setor correspondente para a torcida local (Setor A) os preços foram fixados em R$ 40,00 inteira e R$ 20,00 para meia entrada. Pelos preços ora em vigor, os torcedores do Vasco da Gama estão sendo obrigados a pagar 4 (quatro) vezes mais caro que o preço justo, o que contraria as regras da CBF.

O Vasco da Gama espera providências imediatas para que sejam cumpridas as regras da CBF e que sejam respeitados os direitos de seus torcedores”.

Comentários

Continue lendo

Em alta