Conecte-se conosco

Cotidiano

Com dois pacientes internados em leitos de UTI Covid, taxa de ocupação cai para 3% neste domingo no Acre

Publicado

em

Boletim da Sesacre registrou 9 casos de infecção por coronavírus e não trouxe nenhuma morte pela doença neste domingo.

Taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 3% neste domingo — Foto: Júnior Aguiar/Secom

O boletim da Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre) confirmou 9 novos casos de infecção por coronavírus neste domingo (24) e nenhuma morte pela Covid-19. Assim, o número de infectados saiu de 81.024 para 81.033 e o de mortos pela doença se manteve em 1.844.

Dos 13 pacientes internados nos hospitais de referência, dois estão em leitos de UTI. Um deles no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), capital, e o outro no Hospital do Juruá. O estado tem 43 exames de RT-PCR à espera de análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen) ou do Centro de Infectologia Charles Mérieux. Desde o início da pandemia, 86.067 pessoas receberam alta.

Fonte: Sesacre

O Acre está em contaminação comunitária desde o dia 9 de abril, com uma taxa de incidência de 9.840,8 casos para cada 100 mil habitantes. A taxa de mortalidade em cada 100 mil habitantes é de 206 já a de letalidade – quantidade de mortos dentro dos números confirmados da doença – é de 2%.

Dos 70 leitos disponíveis na rede SUS em todo o Acre, 2 estão ocupados. Com isso, a taxa de ocupação dos leitos caiu para 3%. São 50 leitos em Rio Branco e 20 em Cruzeiro do Sul.

Das 1.844 mortes, 1.072 eram homens e 772 mulheres. Do total de vítimas, 1.227 tinham acima de 60 anos. Dentre os óbitos, 1.017 deles tinham alguma comorbidade, porém, verifica-se que 826 das pessoas que evoluíram para o óbito não tinham histórico de comorbidades.

Maiores taxas de contaminação a cada 10 mil habitantes:

  • Assis Brasil – 2.425
  • Mâncio Lima – 1.549
  • Xapuri – 1.546
  • Tarauacá – 1.527
  • Santa Rosa – 1.510

Comentários

Cotidiano

Preço médio do gás de cozinha fica em R$ 95 nos últimos seis meses

Publicado

em

Cuiabá foi a capital com maior valor para botijão de 13 quilos

botijão de 13 quilos de gás de cozinha

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) divulgou hoje (7) a média semestral nacional do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), o gás de cozinha. O valor do botijão de 13 quilogramas (kg) ficou em R$ 95,63, entre junho e novembro deste ano.

Segundo a ANP, a medida atende ao decreto 10.881, publicado na semana passada, que obriga a agência a divulgar todo mês, até o décimo dia útil do mês, a média nacional dos últimos seis meses do GLP.

O sistema de levantamento de preços da agência mostra que, na última semana, Cuiabá foi a capital com o maior preço para o botijão de 13 quilos do GLP, R$ 120,31, enquanto Salvador ficou com o menor valor, R$ 92,59.

Em relação à gasolina comum, o litro mais em conta foi comercializado nos postos de combustíveis de Macapá: R$ 5,938. O Rio de Janeiro teve o valor mais alto para o litro da gasolina comum, R$ 7,208.

Curitiba teve o menor para o litro do óleo diesel: R$ 4,949. A pesquisa da ANP mostra que Rio Branco teve o litro mais alto do diesel: R$ 6.071.

A coleta de preços foi feita entre 28 de novembro e 4 de dezembro.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Número de novos imigrantes cresce 24,4% no Brasil em dez anos

Publicado

em

Paróquia de Pacaraima oferece café da manhã para imigrantes venezuelanos diariamente.

Atualmente 1,3 milhão de imigrantes residem no Brasil

Em dez anos, ocorreu um aumento de 24,4% no número anual de novos imigrantes registrados no Brasil, sendo as imigrações venezuelanas, haitianas e colombianas as principais responsáveis pelo aumento. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública nesta terça-feira (7).

Atualmente 1,3 milhão de imigrantes residem no Brasil. Em dez anos, de 2011 a 2020, os maiores fluxos foram da Venezuela, Haiti, Bolívia, Colômbia e Estados Unidos. O número de novos refugiados reconhecidos anualmente no país saiu de 86, em 2011, para 26,5 mil em 2020. As solicitações de reconhecimento da condição de refugiado também aumentaram, passando de cerca de 1,4 mil, em 2011, para 28,8 mil, em 2020.

Os dados fazem parte do projeto “2011-2020: Uma década de desafios para a imigração e refúgio no Brasil” e foram produzidos pelo Observatório das Migrações Internacionais (OBMigra), parceria do Ministério da Justiça e Segurança Pública e a Universidade de Brasília (UnB). Os relatórios estão disponíveis no portal da imigração.

Trabalho e educação

Os imigrantes ocuparam também mais postos de trabalho no mercado brasileiro. Em 2011 foram 62.423 e, em 2020, 181.358. De 2019 para 2020, os postos de trabalho criados para imigrantes e refugiados no mercado formal passaram de 21,4 mil para 24,1 mil. Um aumento de 12,7%. O estado de Santa Catarina foi o que mais criou postos.

O número de estudantes imigrantes matriculados na rede básica de ensino no Brasil passou de 41.916 em 2010 para 41.916 em 2020.

Conare

Entre 2011 e 2020, o reconhecimento da condição de refúgio pelo Comitê Nacional para Refugiados (Conare) concentrou-se nas nacionalidades venezuelana (46.412 reconhecimentos), síria (3.594 reconhecimentos) e congolesa (1.050 reconhecimentos).

Com informações do Ministério da Justiça e Segurança Pública

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Estudante baleado por sargento de trisal no interior do AC é isolado com suspeita de Covid

Publicado

em

O estudante de medicina Flávio Endres Ferreira, de 30 anos, que foi baleado pelo sargento da PM-AC Erisson Nery, durante uma briga em um bar no município de Epitaciolândia, dia 27, foi isolado no Pronto Socorro de Rio Branco com suspeita de Covid-19.  Há três dias ele está com febre e catarro no peito, e sua esposa também apresenta febre.

Estudante de medicina conta terror ao ver amigo agonizando enquanto sargento lhe apontava arma

O sargento, conhecido por viver um trisal, teria atirado pelo menos cinco vezes contra o jovem que foi encaminhado ao Pronto Socorro da Capital. Neri está preso preventivamente no Batalhão de Operações Especiais (Bope), em Rio Branco.

 

Comentários

Continue lendo

Em alta