Conecte-se conosco

Brasil

Como o estilo de vida ‘saudável’ pode te deixar cansado

Dietas desequilibradas ou muito restritivas podem causar efeito contrário ao esperado, segundo especialistas

Publicado

em

Foto: Mulher após atividade física/Getty Images

Lisa Drayer, da CNN

Deixe-me adivinhar: você está se alimentando de forma saudável, com muitas frutas e vegetais, cortando o consumo de carne e mantendo a alimentação com base em vegetais. Você também cortou pão, biscoitos e o bolo caseiro. Só há um problema: parece que você não consegue ficar acordado e alerta durante o dia.

Superficialmente, esse estilo de vida parece saudável, mas pode incluir alguns comportamentos que, na verdade, estão esgotando sua energia.

“Uma alimentação saudável, às vezes, pode se transformar em algo que não é saudável e drenar sua energia, se você estiver muito restrito”, disse Yasi Ansari, nutricionista e porta-voz da Academia de Nutrição e Dietética.

Aqui estão algumas maneiras pelas quais a chamada dieta “saudável” pode torná-lo mais letárgico – e o que você pode fazer para colocar sua energia de volta nos trilhos.

Cortar muitas calorias

“Se você está tentando perder peso e reduz suas calorias muito drasticamente, isso pode deixá-lo sem a quantidade certa de energia ou combustível de que você precisa para passar o dia”, disse a nutricionista Elizabeth DeRobertis, diretora de nutrição do Centro Scarsdale Medical Group do White Plains Hospital.

Os alimentos fornecem a energia de que você precisa para se manter focado e produtivo ao longo do dia. E embora às vezes as pessoas pensem que para perder peso devem comer o mínimo possível, isso não funciona a longo prazo, disse DeRobertis, criadora do Programa de Perda de Peso GPS, um acompanhamento online de perda de peso individualizado.

Quando alguém a pessoa se torna muito restritiva com sua ingestão de comida, o metabolismo pode ficar lento, e a ela pode se sentir sem energia. “Também acaba sentindo muita fome e comendo demais”, disse DeRobertis.

“Se você está se sentindo sem forças, verifique a quantidade de energia que está ingerindo”, disse a nutricionista Melissa Majumdar, especialista em obesidade e controle de peso. “Comece adicionando mais 30 a 60 gramas de proteína magra, meia xícara de grãos inteiros ou uma colher de sopa de gordura saudável e reanalise.”

Muito tempo sem comer

Ficar muito tempo sem comer também pode causar cansaço. “Algumas pessoas sentem sonolência ou lentidão como um sinal de comer mais, em vez dos sinais tradicionais de fome”, disse Majumdar, que também é coordenadora metabólica e bariátrica do Hospital da Universidade Emory Midtown.

“Se duas ou três horas após uma refeição você estiver com pouca energia, faça um lanche balanceado de fibras e proteínas, como frutas frescas com um punhado de nozes ou um pequeno saquinho de edamame”, sugere.

“Identificar quando seu corpo começa a ficar com fome pode ajudá-lo a entender melhor como ser mais consistente com sua nutrição e seu tempo para garantir que sua energia esteja estável ao longo do dia e que você esteja ajudando seu corpo a atender às suas necessidades”, disse Ansari.

Cortar muitos carboidratos

Ingerir baixo teor de carboidratos também pode fazer você se sentir mal. Comer poucos carboidratos não apenas pode fazer você se sentir cansado e irritado com o baixo nível de açúcar no sangue; também pode levar à desidratação, o que pode causar fadiga.

“Para cada grama de carboidrato armazenado no corpo, há aproximadamente 2 a 3 gramas de água retidos”, explicou DeRobertis. Mas quando alguém reduz sua ingestão de carboidratos muito drasticamente, a água é liberada, e é possível ficar desidratado.

“Quando alguém sente uma queda de energia à tarde, sempre penso em uma planta murcha e precisando de água”, disse DeRobertis. “Ao regarmos a planta, ela se recupera. E eu imagino o que acontece com nossas células quando não estamos bem hidratados o suficiente durante o dia.”

Cortar carboidratos, especialmente biscoitos e guloseimas açucaradas, faz sentido, mas certifique-se de não economizar em carboidratos ricos em fibras, como frutas, vegetais e grãos inteiros.

Dieta vegetariana desequilibrada

Banir as proteínas animais como parte de uma dieta vegetariana não é necessariamente prejudicial à saúde, mas é importante estar consciente de como consumir uma ingestão equilibrada de todos os nutrientes.

“Se alguém escolhe manter uma dieta vegetariana ou vegana, mas não tem o cuidado de obter vitamina B12 e ferro suficientes (de suplementos e fontes vegetais), pode acabar com anemia e uma sensação de fadiga resultante”, explicou DeRobertis.

Alimentos ricos em ferro incluem carne bovina, cereais enriquecidos com ferro, espinafre e feijão. Se você consumir fontes vegetais de ferro, é aconselhável adicionar vitamina C para aumentar a absorção. “Um exemplo pode ser uma salada de espinafre com um pequeno copo de suco de laranja ou uma sopa de lentilha com tomate picado”, disse Ansari.

Os veganos também devem estar cientes de uma possível deficiência de vitamina B12. “A deficiência de B12 pode levar anos para se desenvolver, portanto, suplementar com antecedência se você não comer alimentos de origem animal como carne, peixe, ovos e laticínios é a chave”, disse Majumdar. A levedura nutricional também pode adicionar um pouco de vitamina B12, mas precisa ser ingerida diariamente para fornecer o suficiente, acrescentou Majumdar.

Comer muitos carboidratos

Comer muitos carboidratos de uma vez também pode contribuir para a sensação de lentidão. Mesmo os carboidratos saudáveis se transformam em açúcar no corpo, e nosso pâncreas, em resposta, produz insulina para manter o açúcar no sangue estável.

“Se alguém ingere muitos carboidratos de uma vez – mesmo que sejam carboidratos saudáveis, como arroz integral, feijão, batata doce, macarrão integral ou quinoa – para algumas pessoas, muitos carboidratos podem aumentar o açúcar no sangue, e altos níveis de açúcar no sangue fazem nos sentimos cansados e letárgicos “, disse DeRobertis. (Embora isso aconteça frequentemente entre indivíduos com diabetes, pode acontecer com qualquer pessoa que ingira muitos carboidratos de uma só vez, disse ela.)

Preste atenção em como você se sente após as diferentes combinações de refeições e, se notar que se sente cansado após uma refeição rica em carboidratos, considere separar os carboidratos durante o dia, aconselhou DeRobertis.

Se exercitar muito

O excesso de exercícios também pode fazer você se sentir cansado. “O quanto é demais depende da pessoa, outras demandas em sua vida, níveis de estresse, saúde geral e níveis de condicionamento físico e os tipos de exercícios”, disse Majumdar.

Abastecimento insuficiente para um treino também pode contribuir para a fadiga. “Durante o exercício, o corpo normalmente queima uma combinação de gordura e carboidratos. Se você não está comendo carboidratos suficientes, é mais difícil abastecer o treino. Se esse padrão progredir, os carboidratos armazenados no corpo, chamados de glicogênio, não são reabastecidos”, afirma Majumdar. Isso pode deixar você se sentindo esgotado e frustrado com o seu treino, de acordo com Majumdar.

“Faça um inventário de como você se sente antes e depois das sessões de exercícios e considere adicionar carboidratos ou calorias à sua ingestão, ou reduzir seus exercícios para manter os níveis de energia equilibrados”, disse Majumdar.

Se o exercício está prejudicando a hora de dormir, isso também pode afetar os níveis de energia. Dormir uma quantidade de horas adequada não só fornece energia, mas também ajuda o corpo a reparar ativamente os músculos e tecidos usados durante o exercício, de acordo com Majumdar.

Comentários

Brasil

Entidade alerta para risco de diabetes em gestantes

Publicado

em

Acompanhamento pré-natal e alimentação saudável previnem doença

Um dos momentos mais especiais na vida de uma mulher pode se tornar um pesadelo se os cuidados devidos não forem tomados. Às vésperas do dia da gestante, comemorado nesta segunda-feira (15), a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) alerta para a diabetes mellitus gestacional, que afeta 18% das gestações no Brasil.

Condição temporária gerada pelas mudanças no equilíbrio hormonal durante a gravidez, a diabetes gestacional ocorre porque, em algumas mulheres, o pâncreas não funciona direito na gestação. Normalmente, o órgão produz mais insulina que o habitual nesse período para compensar os hormônios da placenta que reduzem a substância no sangue. No entanto, em algumas gestações, o mecanismo de compensação não funciona, elevando as taxas de glicose.

O problema pode causar complicações tanto para a mãe como para o bebê. No curto prazo, a doença pode estimular o parto prematuro e até a pré-eclâmpsia. O bebê pode nascer acima do peso e sofrer de hipoglicemia e de desconforto respiratório.

A diabetes gestacional normalmente desaparece após o parto, mas pode deixar sequelas duradouras. As mulheres com o problema têm mais chance de progredirem para a diabetes mellitus tipo 2. As crianças também têm mais chances de desenvolverem a doença e de ficarem obesos.

Recomendações

A doença pode acometer qualquer mulher. Como nem sempre os sintomas são identificáveis, a SBD recomenda que todas as gestantes pesquisem a glicemia de jejum no início da gestação e, a partir da 24ª semana de gravidez (início do 6º mês). Elas também devem fazer o teste oral de tolerância à glicose, que mede a glicemia após estímulo da ingestão de glicose.

As recomendações principais, no entanto, são o pré-natal e a alimentação saudável. Quanto mais cedo o obstetra diagnosticar a doença e iniciar o tratamento, menores as chances de a mãe e o bebê sofrerem alguma complicação no curto e no longo prazo.

Além do controle das glicemias capilares, o tratamento da diabetes gestacional consiste num estilo de vida mais saudável, com atividade física e alimentação regrada. As refeições devem ser fracionadas ao longo do dia. As gorduras devem dar lugar às frutas, verduras, legumes e alimentos integrais. Se não houver contraindicação do obstetra, exercícios físicos moderados também devem fazer parte da rotina.

Na maior parte das vezes, esses cuidados dispensam a aplicação de insulina. Se, ainda assim, os níveis de glicose continuarem altos, o médico pode indicar a substância. A SBD alerta que as mulheres diabéticas tipo 1 ou 2 que engravidam não são consideradas portadoras de diabetes gestacional porque essa doença só aparece após o início da gravidez. As mulheres com altos níveis de glicemia na gestação devem fazer um novo teste de sobrecarga de glicose seis semanas depois de darem à luz.

Perfil

Em todo o mundo, o problema afeta cerca de 15% das gestações, segundo a International Diabetes Federation, o que representa 18 milhões de nascimentos por ano. No entanto, a prevalência varia conforme a região, indo de 9,5% na África para 26,6% no Sudeste Asiático. No Brasil, estima-se que a prevalência é de 18%.

Para prevenir a doença, as mulheres devem prestar atenção a fatores de risco: história familiar de diabetes mellitus; glicose alterada em algum momento antes da gravidez; excesso de peso antes ou durante a gravidez; gravidez anterior com feto nascido com mais de 4 quilos; histórico de aborto espontâneo sem causa esclarecida; hipertensão arterial; pré-eclampsia ou eclampsia em gestações anteriores; síndrome dos ovários policísticos e uso de corticoides.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Eleições 2022: veja o que pode ou não no dia da votação

Publicado

em

EVARISTO SÁ/AFP

Eleitor deve ficar atento às proibições do dia de ir às urnas

Faltam 50 dias para as Eleições 2022, e a Justiça Eleitoral já começou a reforçar para o eleitor, principalmente para os que votam pela primeira vez, os procedimentos e também o que o eleitor pode ou não fazer no dia da votação.

Antes de tudo, o eleitor ou eleitora deve conferir onde fica a sua seção eleitoral, isto é, onde fica a urna em que deverá votar. O endereço pode ser consultado no portal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em seguida, antes de se dirigir ao local, o eleitor deve ter certeza de que leva consigo o título de eleitor – na versão digital pelo aplicativo e-Título ou em papel – e um documento oficial com foto – RG, CNH, passaporte, certificado de reservista, carteira de trabalho ou, inclusive, carteiras emitidas por órgãos de classe como Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Conselho Federal de Medicina (CFM), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea) etc.

No dia da votação, o eleitor ou eleitora pode manifestar sua convicção política e ideológica, desde que isso seja feito de forma individual e silenciosa. Isso quer dizer que está liberado ir votar com broche, bandeira, adesivo ou camiseta do seu candidato ou partido. Não é permitido, contudo, a aglomeração de pessoas uniformizadas nem portando algum identificador de candidato ou partido.

Também é proibido abordar, aliciar ou tentar persuadir as pessoas que estiverem indo votar, alerta a Justiça Eleitoral. Tais atitudes podem configurar o crime de boca de urna, prática proibida pela legislação eleitoral e cuja pena pode ser de seis meses a um ano de detenção.

Outro alerta feito pela Justiça Eleitoral é para que a eleitora ou eleitor não leve celular nem câmera para a cabine de votação. Tirar fotos da urna e de votos não é permitido, pois é visto como uma maneira de quebrar o sigilo do voto, um dos princípios fundamentais do processo eleitoral.

De acordo com o TSE, quem for flagrado na cabine com qualquer aparelho de telecomunicação – incluindo celular, walkie talkie ou radiotransmissor – ou de registro como câmera fotográfica e filmadora, pode ser enquadrado no artigo 312 do Código Eleitoral, que prevê pena de até dois anos de detenção a quem violar ou tentar violar o sigilo do voto.

No caso de eleitores com deficiência ou mobilidade reduzida, a pessoa pode contar com o auxílio de uma pessoa de sua escolha para votar, mesmo que isso não tenha sido solicitado antes do dia da votação.

De acordo com o TSE, a eleitora ou eleitor cego pode receber orientações dos mesários sobre o uso do sistema de áudio disponível na urna eletrônica, com fone de ouvido descartável oferecido pela Justiça Eleitoral.

Neste ano, há urnas que possuem legenda em libras, para auxiliar o voto de quem possui deficiência auditiva.

Comentários

Continue lendo

Brasil

‘DE’ tem acesso a plano criminoso de Marcola no presídio de Porto Velho

Publicado

em

Imagem de Marcola no parlatório do presídio
REPRODUÇÃO

Em um trabalho do Núcleo Investigativo do jornalismo da Record, o “Domingo Espetacular” teve acesso a todas as imagens e gravações de Marcola, Marcos Willians Herbas Camacho, líder da organização criminosa Primeiro Comando da Capital, o PCC, no parlatório da Penitenciária Federal de Porto Velho.

O parlatório, em qualquer unidade prisional, é o local onde são realizadas entrevistas com os presos. Geralmente fica em um ambiente fechado e com baixa claridade.

O programa vai mostrar gravações que revelam um suposto plano para conseguir a liberdade dos principais chefes da facção criminosa.

Esse material, inclusive, serviu para levar à prisão pessoas acusadas de envolvimento em todo esse processo, que também consistia em sequestrar e matar vários agentes federais.

O jornalismo da Record, vale ressaltar, teve acesso a todas as imagens e gravações de Marcola no parlatório do presídio.

Comentários

Continue lendo

Em alta