Conecte-se conosco

Destaque Texto

Comunicação entre pacientes internados com Covid-19 e familiares é intensificada no Into

Publicado

em

Mesmo quando o paciente não pode interagir, áudios com mensagens dos familiares e amigos são colocados próximo aos seus ouvidos.

Mesmo quando o paciente não pode interagir, áudios com mensagens dos familiares e amigos são colocados próximo aos seus ouvidos.

Por Sandra Assunção

Uma das características da pandemia do novo coronavírus em casos de internação, isolamento de pacientes e a impossibilidade de visitas e de acompanhantes, é uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos doentes e familiares em tempos de Covid-19 e um grande desafio para as equipes de saúde.

Acreditando que o contato melhora o quadro geral dos pacientes, a direção do INTO em Rio Branco, intensificou a comunicação entre os internados e familiares, por meio de ligações, áudios e chamadas de vídeos através de celulares e tablets.

Em 11 meses de funcionamento da unidade hospitalar, as equipes de psicologia, assistência social e enfermagem realizaram aproximadamente 13 mil ligações, 2.300 áudios e 500 chamadas de vídeo para as famílias dos pacientes internados no INTO.

Mesmo quando o paciente não pode interagir, áudios com mensagens dos familiares e amigos são colocados próximo aos seus ouvidos.

Por orientação das equipes os áudios e as chamadas devem conter mensagens de força, orações, notícias de times de futebol e planos para comemorar a recuperação do paciente com sua alimentação preferida.

O diretor do INTO, médico Osvaldo Leal, acredita que mesmo para os pacientes que estão sedados e intubados o envio de mensagens e áudios pelos familiares são estímulos válidos no processo de recuperação dos pacientes. “Isso cria um ambiente de proximidade, empatia e solidariedade inclusive com a equipe que costuma receber também mensagens de afeto, encorajamento e gratidão”, explica.

_______________________

Para a psicóloga da unidade hospitalar, Natassia Lopes, é perceptível a recuperação do paciente, com o estímulo cognitivo e positivo para as famílias que se sentem mais próximos de seus familiares.

_______________________

“A reprodução de áudios e vídeos, bem como realização de ligação por áudio e vídeo chamadas, para pacientes não intubados, são estratégias para o estímulo cognitivo dos pacientes e que têm sido bem acolhida pelas famílias e apresentado bons resultados”, conta.

Zaqueu da Costa Menezes, internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) sem intubação, há 20 dias, diz que depois de conversar com a família, se sentiu fortalecido. “Me deu mais vontade de lutar, viver e ter a certeza de que vou sair daqui”, afirma ele.

Os familiares destacam o alívio proporcionado pela comunicação. Maria Lucilene da silva vieira, esposa de Zaqueu, classificou esse trabalho da equipe do INTO como “lindo e humanitária”.

“Eu estava ansiosa em ver meu esposo. Fiquei muito feliz e todos os dias a gente conversa por vídeo chamada e isso é muito importante e estimula muito a ele”, enfatizou a mulher agradecendo ainda pelas informações diárias sobre o estado de saúde do marido. “Os médicos e toda a equipe têm sido anjos e a palavra que eu tenho a dizer é gratidão pelo carinho e atenção que têm tido com meu esposo lá dentro”, pontua.

As irmãs de Zaqueu, Maria das Dores e Marta, contam que os médicos e enfermeiros dão dicas de como conversar com ele. “Falamos sobre coisas boas. Nossa eu me surpreendi com tudo isso porque quando falaram que ele tinha que ir para o INTO, a gente ficou com muito medo mesmo, mas depois da comunicação nós sabemos que está tudo bem. É muito importante sabermos diariamente sobre o avanço dele. Agradecemos de verdade a equipe”, conclui Marta Menezes.

O Instituto Nacional e Traumatologia e Ortopedia do Acre (INTO) é administrada pela Mediall Saúde, empresa contratada pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre).

Comentários

Destaque Texto

Nova frente fria chega ao AC nesta semana e temperatura atingirá 18ºC, diz Friale

Publicado

em

Pesquisador Davi Friale – Foto: Alexandre Lima/Arquivo

O pesquisador Davi Friale divulgou em seu site O Tempo Aqui, nesta segunda-feira (10), uma nova previsão de diminuição das temperaturas na próxima semana.

Além disso, o “mago” destacou que até o próximo domingo (16) haverá calor abafado, chuvas, possibilidade de temporais e tempo seco e ventilado.

Na quarta-feira (12), mais uma frente fria chegará ao Acre, a partir do fim da tarde, mas será na quinta-feira que os ventos serão mais intensos, devido à penetração de mais uma onda de frio polar, declinando levemente a temperatura.

“Desta vez, a massa de ar frio não será intensa no Acre. As temperaturas, ao amanhecer, de quinta-feira e de sexta-feira, deverão oscilar entre 18 e 20ºC, em Rio Branco, Brasileia e demais municípios do leste e do sul do estado”, comentou.

Comentários

Continue lendo

Destaque Texto

IBGE: mais de 12% dos acreanos já sofreram violência psicológica, física ou sexual

Publicado

em

A pesquisa apontou que 68 mil pessoas de 18 anos ou mais sofreram agressão psicológica nos 12 meses anteriores à entrevista, ou seja, 11,5% da população

IBGE

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta segunda-feira (10) os resultados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) de 2019.

O Acre figurou em muitos cenários. Um deles foi o de violência psicológica, física ou sexual. Pelo menos 12,4% da população já foi alvo de uma das agressões.

Os dados apontam ainda que 72 mil pessoas de 18 anos ou mais sofreram os tipos de violência destacados, nos 12 meses anteriores à entrevista.

“O percentual de mulheres que sofreram alguma violência foi de 14,0% e o de homens foi de 10,8%. Considerando a faixa etária, a prevalência de casos de violência é mais acentuada nas populações mais jovens: de 18 a 29 anos (16,5,0%); de 30 a 39 anos (8,9%); de 40 a 59 anos (13,5%) e 60 anos ou mais (6,9%). As pessoas pretas (20,2%) e pardas (10,9%) sofreram mais com a violência do que as pessoas brancas (14,6%), diz o órgão.

Outro resultado preocupante tem a ver com o afastamento das atividades laborais e habituais em decorrência da violência sofrida. 9 mil pessoas foram afetadas – o que representa 12,9% das vítimas de violência, seja psicológica, física ou sexual. As mulheres foram mais atingidas do que os homens, com 18,3% e 5,4%, respectivamente.

Violência psicológica

A pesquisa apontou que 68 mil pessoas de 18 anos ou mais sofreram agressão psicológica nos 12 meses anteriores à entrevista, ou seja, 11,5% da população.

O percentual de mulheres vitimadas foi maior do que o dos homens, 12,9% contra 10,1%, respectivamente. A população mais jovem (18 a 29 anos) sofreu mais violência psicológica do que a população com idade mais elevada (60 anos ou mais), 15,4% contra 6,9%. Mais pessoas pretas (18,0%) e pardas (10,2%) sofreram com este tipo de violência do que pessoas brancas (13,4%).

“Considerando o rendimento domiciliar per capita, o grupo com menor rendimento apresentou um percentual maior de vítimas: 15,2% das pessoas sem rendimento até 1/4 do salário mínimo, em comparação a 10,5% das pessoas com mais de 5 salários mínimos”, destaca a pesquisa.

Violência física

A PNS estimou que 17 mil pessoas de 18 anos ou mais sofreram violência física nos 12 meses anteriores à entrevista, o que representa 2,8% da população. O percentual de vítimas do sexo feminino foi de 3,4%, enquanto o dos homens, 2,2%.

Violência sexual

Para as pessoas que responderam que não sofreram agressão sexual nos últimos 12 meses, foi perguntado se ela sofreu essa violência alguma vez na vida. Considerando essas duas perguntas, estima-se que 25 mil pessoas de 18 anos ou mais de idade foram vítimas de violência sexual, independentemente do período de referência, o que corresponde a 4,3% desta população, 2,6% dos homens e 5,9% das mulheres.

Comentários

Continue lendo

Destaque Texto

Internações por covid na UTI e enfermarias estão em queda no Acre, diz subsecretária de Saúde

Publicado

em

Ala Covid-19 no Acre – Foto: Odair Leal/Secom/arquivo

A subsecretária de Saúde do Acre, Paula Mariano, disse em entrevista que o número de internações por covid-19 vem diminuindo consideravelmente nos últimos dias.

A notícia tem a ver com a ocupação de leitos comuns e da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Temos percebido uma diminuição satisfatória nos últimos 15 dias no Pronto-Socorro e no Into, além de uma queda no número de internações também em Cruzeiro do Sul, no Hospital de Campanha”, disse Paula.

Na última quarta-feira (5) o Into registrou 11 leitos disponíveis de UTI, e o PS desocupou outras 7 vagas. Em Cruzeiro do Sul, 6 leitos estavam disponíveis.

No maior hospital de referência do Acre, apenas 49 leitos de enfermaria, dos 160 disponíveis, estavam ocupados na data.

De acordo com o consórcio de veículos de imprensa do Brasil, o Acre está em queda no número de novas mortes pela doença.

Comentários

Continue lendo

Em alta