Professor Carlos Coelho é consultor político no Acre – Foto: Alexandre Lima

Alexandre Lima

O professor e consultor político Carlos Coelho, esteve visitando a fronteira e foi entrevistado pelo oaltoacre.com, onde falou um pouco da situação política em que se encontra o Acre, na sua avaliação, além de ver de forma geral o que pode acontecer até as eleições de 2018.

Coelho observa que o cenário político atual, após vários anos no comando do Brasil e do Acre, o Partido dos Trabalhadores (PT), irá enfrentar um desgaste nas eleições e que o ex-presidente Lula da Silva poderá ser preso a qualquer momento e assim, criar uma situação difícil para o partido, principalmente aqui no Estado.

Acredita que o senador Gladson Cameli, do PP, terá uma disputa dura caso saia candidato definitivamente para o governo, mesmo tendo um nome massificado e simpático aos eleitores, um ‘pedigree’ na política que foi herdado pelos seus familiares, o que causa uma manifestação espontânea da sociedade acreana.

Acredita que o nome de Marcos Alexandre para concorrer ao governo do Acre em 2018, será um forte concorrente, uma vez que vem se destacando ao sair das ‘asas’ dos Vianas e mantendo um trabalho na Capital, o que faz se mostrar em relação ao Gladson Cameli.

“No Estado como um todo, se você perguntar, o nome de Gladson Cameli se destaca com uma vantagem significativa. Mas, não está ganho. Se o grupo da oposição não se organizar e definir estratégias. Só com esse bom nome não é sinônimo de vitória”, disse.

A mídia eletrônica também foi um pondo levantado pelo consultor, onde disse que é uma ferramenta bastante poderosa que deve ser usada pelos políticos de forma correta, sem que afete os demais de forma errada, podendo levar suas mensagens para muitos eleitores.

Para o senado, Coelho acredita que dois nomes estão no páreo fortes, como o senador Sérgio Petecão e Jorge Viana poderão voltar para Brasília, apesar de dois nomes fortes como o ex-deputado federal Márcio Bittar e o presidente da Assembleia do Acre, Ney Amorim, estarem possivelmente na disputa de 2018.

Veja entrevista.

Comentários