Principal porta-voz do grupo, Guilherme Boulos só descarta manifestações caso reivindicações em pauta sejam atendidas: “O movimento que estamos puxando tem cor, é vermelho”

iG São Paulo

Um dos grandes temores de governos e da própria Fifa para 2014 deve ser concretizado nas próximas semanas. Depois do ato que reuniu mais de 15 mil pessoas em São Paulo e paralisou diversas vias da cidade na última quinta-feira (20), os protestos contra a Copa do Mundo prosseguirão com a periodicidade semanal atual e, a menos que as demandas do movimento “Copa Sem Povo, Tô na Rua de Novo” sejam atendidas, elas se manterão nas ruas de forma ainda mais intensa ao longo do Mundial.

Leia também: Protesto contra a Copa do Mundo reúne 15 mil pessoas em São Paulo

A promessa é de Guilherme Boulos, um dos coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), grupo atualmente composto por 20 mil famílias em áreas ocupadas só na Grande São Paulo que se tornou o protagonista dos atuais protestos devido ao seu crescimento junto às classes de menor poder aquisitivo de um ano para cá.

Manifestantes caminham à Marginal Pinheiros em protesto convocado pelo MTST, na quinta-feira (22). Foto: Futura Press
Manifestantes caminham à Marginal Pinheiros em protesto convocado pelo MTST, na quinta-feira (22). Foto: Futura Press

“Temos realizado reuniões com os três níveis de governo – municipal, estadual e federal. Tivemos uma na semana passada e teremos outra nesta semana, mas ambas foram para tratar especificamente da Copa do Povo (área na zona leste da cidade em que o MTST organizou uma ocupação no início do mês). No entanto, do ponto de vista geral da nossa pauta, ainda não há nada de concreto”, diz ele em entrevista ao iG.

A ameaça de grandes protestos, no entanto, sequer existiria se não fossem as manifestações de junho passado, que criaram uma nova consciência de luta de rua na população brasileira após ser aprovada a redução da tarifa de ônibus exigida pelo Movimento Passe Livre (MPL). Mas faltou organização para se exigir novas demandas – e, com habilidade, organização e crescimento, o MTST ocupou esse espaço.

Atualmente, o grupo é o principal representante da Frente de Resistência Urbana, organização de diversos movimentos sociais que criou o “Copa Sem Povo, Tô na Rua de Novo”, com reivindicações que passam por questões como moradia, saúde, segurança, educação, transporte e até desmilitarização das polícias no País. E Boulos acredita em um crescimento vertiginoso na adesão popular às suas demandas, muito embora não haja a intenção de repetir em 2014 o número de pessoas registrado nos protestos do ano passado.

“Em algumas manifestações havia sujeitinho com cartaz pedindo pela redução da maioridade penal, exigindo a volta da Ditadura Militar… Isso não cabe na nossa manifestação. O movimento que estamos puxando tem cor, é vermelho; e a pauta tem lado. Que isso fique muito claro. Nós não vamos abrir mão da nossa pauta para abranger novos setores sociais com reivindicações difusas e que só interessam a setores da mídia e da própria elite do País”, resume ele.

 

Comentários