Corpos dos bolivianos assassinados estavam enrolados em sete camadas de plástico, em Itaquaquecetuba — Foto: Polícia Militar/Divulgação

Os corpos dos três bolivianos mortos e esquartejados que foram encontrados na noite desta terça-feira (9) em Itaquaquecetuba estavam enrolados em sete camadas de plástico e separados em três malas grandes, uma caixa e dois pacotes. A informação é do tenente Maurício Magalhães, da 2ª companhia da cidade, que comandou a operação de buscas.

Junto com os pacotes, havia ainda um serrote que o tenente acredita ter sido usado para mutilar os corpos. “Eles estavam serrados ao meio e muito bem lacrados, com sete camadas de plástico, tanto que quando chegamos ao local não era possível sentir cheiro algum”, afirmou ao G1em entrevista por telefone.

Os corpos são do casal Jesus Reynaldo Condori Sanizo, de 39 anos, e Irma Morante Sanizo, de 38 anos, e de Gian Abner Morante Condori, de 8 anos, filho deles. Eles estavam na casa dos fundos de um imóvel na rua Serra Formosa, no Conjunto Habitacional Dona Escolástica.

A família estava desaparecida desde 23 de dezembro. A Polícia Federal no Brasil já estava investigando o desaparecimento depois de ter sido comunicada por parentes que moram na Bolívia.

A polícia foi até o endereço porque a irmã de uma das vítimas ligou relatando do desaparecimento. Ela também disse que possivelmente havia pertences da família na casa em Itaquaquecetuba.

A equipe foi até o local, e o morador da casa da frente, que é proprietário dos imóveis, permitiu a entrada dos policiais e abriu a casa dos fundos.

“Quando a gente encontrou as malas, abriu e rasgou os sacos, foi uma surpresa muito indesejada. Era o corpo da criança de 8 anos. Uma verdadeira carnificina”, diz o tenente.

Em seguida, foi acionada a polícia científica, que realizou a perícia no local e constatou que o casal também havia sido morto.

“O autor agiu com requinte de crueldade, e acredito que ele preparou os corpos daquele jeito para fazer a dispersão em algum lugar”, suspeita Magalhães.

Corpos de família de bolivianos foram encontrados mutilados em malas em casa em Itaquaquecetuba — Foto: Reprodução/ TV Diário

Suspeito seria parente, diz polícia

A polícia diz já ter um suspeito. Ele seria a pessoa que alugou a casa, mas está foragido.

“Ele é um parente das vítimas que veio da Bolívia para trabalhar com eles na confecção, mas estava insatisfeito com os pagamentos. Como a família fez denúncia para a Polícia Federal no Brasil e na Bolívia, ele já é procurado pela Interpol”, afirmou o tenente Magalhães.

Quatro pessoas foram ouvidas pela polícia.

Comentários