Captura de Tela 2015-11-19 às 19.06.20Da Folha de São Paulo

A presidente Dilma Rousseff avaliou nesta quinta-feira (19) que a resistência a CPFM tem diminuído entre os diferentes setores da sociedade e ressaltou que a recriação do tributo é o plano único do governo federal para equilibrar as contas públicas de 2016.

Em reunião com governadores do Nordeste, promovido no Palácio do Planalto, a petista disse que está otimista pela aprovação até julho pelo Congresso Nacional do tributo e afirmou que, caso ele não seja recriado e o cenário econômico não melhore, o governo federal terá postergar projetos e iniciativas previstas para o ano que vem.

“A CPMF é o plano que temos e não tem outro”, disse a petista.

Ela apelou aos governadores que trabalhem junto às bancadas federais na Câmara dos Deputados e no Senado Federal pela aprovação do tributo, que ainda encontra resistência no Congresso Nacional até mesmo entre membros da base aliada.

ARTICULAÇÃO POLÍTICA

Em conversas reservadas, a petista tem dito que propostas como o aumento da Cide (tributo cobrado sobre a venda de combustíveis) não têm seu aval como alternativa para salvar as contas públicas.

Até o fim deste ano, a presidente promete intensificar encontros com deputados, senadores e prefeitos, como a realizada hoje, para reforçar que o retorno do tributo é a “única saída” para o equilíbrio das contas no ano que vem.

A reunião desta quinta-feira (19) teve como objetivo discutir um plano de governo para enfrentar a seca no Nordeste, que deve se intensificar no ano que vem. No encontro, a presidente garantiu a liberação de verba federal para inciativas emergenciais, como caminhões-pipa, adutoras de engate rápido e dessalinizadores.

Os governadores do Nordeste se comprometeram a entregar até o final do ano um plano detalhado para que o governo federal destine verbas para iniciativas de infraestrutura que consigam contornar o quadro de agravamento da seca.

Comentários