Criança morre afogada em fossa após ir atrás de cachorro em Epitaciolândia

Criança foi localizada já sem vida dentro da fossa da propriedade vizinha – Foto: Alexandre Lima Alexandre Lima Um amor de criança por seu animal de estimação pode ter sido...

Criança foi localizada já sem vida dentro da fossa da propriedade vizinha - Foto: Alexandre Lima
Criança foi localizada já sem vida dentro da fossa da propriedade vizinha – Foto: Alexandre Lima

Alexandre Lima

Um amor de criança por seu animal de estimação pode ter sido o motivo de uma tragédia ocorrida na noite desta quinta-feira, dia 5, na cidade de Epitaciolândia, precisamente no bairro José Hassem, quando por volta das 20 horas encontraram o corpo submerso nas águas negras de uma fossa.

Segundo se suspeita, T. S. O. de apenas sete anos de vida, chegou da escola por volta das 17:30 e teria ido procurar seu cachorro no quintal de chão batido do vizinho. Já encostado à cerca, existe uma fossa que tinha uma cobertura de concreto que não suportou seu peso ao passar por cima.

Criança havia completado 7 anos a cerca de quatro meses e teria procurado seu cachorro
Criança havia completado 7 anos a cerca de quatro meses e teria procurado seu cachorro

A criança deve ter caído com seu animal e, talvez, um pedaço do concreto tenha ficado por cima a levando para o fundo, causando sua morte trágica se afogando na água preta da fossa. O animal ficou latindo por algum tempo até alguém ouvir e o retirar sem desconfiar.

Somente depois de algum tempo, provavelmente umas duas horas, a mãe e familiares deram por falta da criança e passaram a procurar pela vizinhança. Com o passar do tempo e preocupados, lembraram do episódio do cachorro e resolveram fazer uma busca pelo quintal e viram a sandália dentro da fossa.

Com um pedaço de bambu, perceberam que algo havia dentro da fossa em aproximadamente 165cm de profundidade, foi quando chamaram os socorristas do Corpo de Bombeiro e encontraram o corpo da criança já sem vida, sem poder fazer nada.

Pela rigidez no corpo, se desconfia que a criança possa ter caído na fossa a cerca de duas horas antes de ser encontrada. Homens da Polícia Militar e o perito criminal, foram até o local para isolar dos curiosos e depois liberar o corpo ao IML, para ser periciado na Capital.

O vizinho proprietário do local da tragédia, senhor Ernesto José da Silva (78), foi ouvido pelos policiais militares, também confirmou a teoria levantada inicialmente e foi liberado.

Comentários