Conecte-se conosco

Extra

Dados sobre exame toxicológico revelam maior positividade para drogas no transporte de passageiros

Publicado

em

Imagens ilustrativ/internet

Na Semana Nacional de Trânsito, Associação Brasileira de Toxicologia divulga números alarmantes sobre uso de drogas em motoristas de ônibus e vans

A Semana Nacional de Trânsito de 2022, que ocorre entre os dias 18 e 25 de setembro, é dedicada às ações de
prevenção da violência no trânsito. Neste sentido, a Associação Brasileira de Toxicologia (ABTox) fez um levantamento que revelou um dado surpreendente. De cada dez laudos positivos para drogas do exame toxicológico de larga janela que são exigidos dos motoristas profissionais, seis são para condutores de ônibus e van e quatro para motoristas de caminhão e carreta.

Do total de positivos registrados no Painel Toxicológico do Sistema Serpro, a ABTox identificou que 111.475 eram motoristas habilitados nas categorias D (van e ônibus). Enquanto isso, 81.789 dos positivos eram motoristas das categorias C e E (caminhão e carreta). “Um dado alarmante que comprova que o uso de drogas no transporte coletivo é muito maior do que as pessoas imaginam, contrariando a tese
de que somente os que trafegam pelas estradas são usuários de drogas”, esclarece
Renato Borges Dias, presidente da ABTox.

O exame toxicológico de larga janela é obrigatório desde março de 2016 para condutores das categorias C, D e E e suas variantes, em conjunto com a categoria A (motocicletas). É realizado através da coleta de cabelos, pelos ou unhas (queratina) e identifica o uso regular de drogas nos últimos 90 dias. Os laudos
positivos são aqueles que registram consumo de drogas regularmente acima de
determinado corte estabelecido pela legislação.

O coordenador do SOS Estradas, Rodolfo Rizzotto, responsável pelo estudo “As Drogas e os Motoristas Profissionais”, explica que existem ainda os casos considerados positivos/negativos, em que o exame detecta que o indivíduo utilizou drogas, mas não com tanta frequência para ser considerado positivo. “Segundo
dados que apuramos com os principais laboratórios, o número de pessoas que fizeram uso de drogas nos últimos 90 dias é pelo menos três vezes maior do que os laudos oficiais revelam”, observa.

Em outro levantamento realizado pelo SOS Estradas, comparando o número de condutores habilitados nas categorias C, D e E, em dezembro de 2015, último ano em que o exame não era obrigatório, e dezembro de 2021, revelou queda no número de motoristas habilitados nessas categorias de mais de quatro milhões,
considerando a projeção de crescimento do período. “É a chamada positividade escondida, quando o motorista decide não fazer o exame e perde a habilitação porque sabe que não passaria no exame”, explica Rizzotto.

Outra questão observada foi o comportamento regional da positividade do exame toxicológico. Os cinco estados que mais tiveram seus motoristas flagrados no exame toxicológico, no período de março de 2016 até agosto de 2022, foram: São Paulo, com 64.197; Minas Gerais, com 32.189; Paraná, com 24.458; Rio Grande do
Sul, com 23.004; e Santa Catarina, com 18.827. “Estamos falando de números muito maiores do que a Operação Lei Seca pega de condutores dirigindo sob efeito de álcool das categorias C, D e E. Isso ocorre exatamente porque não tem fiscalização como a da Lei Seca para ônibus e caminhão”, afirma Rizzotto.

Mais de 40 mil usuários de drogas das categorias A e B tentaram conseguir a CNH para dirigir caminhões e ônibus e foram barrados no exame toxicológico

Renato Borges destaca, ainda, que o exame toxicológico de larga janela deve fazer parte dos debates da sociedade em torno do tema prevenção e conscientização para uso de substâncias psicoativas. “Estamos diante de um problema muito maior do que se pensa. Nossos dados mostram que 42.622 de motoristas das categorias A (motocicleta), AB e B (automóvel) não conseguiram a habilitação para dirigir caminhão ou ônibus por causa do exame toxicológico. Se não fossem flagrados, estariam habilitados e colocando vidas em risco. Estamos falando de um trabalho de prevenção que nem a Operação Lei Seca tem condições de fazer quando a substância psicoativa é o álcool. É preciso que todos saibam da importância do exame toxicológico de larga janela, inclusive para testar dependência química de álcool, e não apenas drogas”, finaliza.

Sobre o exame toxicológico de larga janela de detecção

O exame toxicológico de larga janela de detecção identifica a presença de substâncias psicoativas que se depositam nos fios de cabelo ou pelos por um período mínimo de 90 dias até seis meses, permitindo a avaliação de hábitos de consumo dessas substâncias pelo doador. Desde o dia 11 de novembro de 2021,
passou a valer uma nova determinação para a multa exame toxicológico. Todos os motoristas de caminhão, ônibus ou van que não tiverem atualizado o seu exame receberão uma multa de R$ 1.467,35. Além disso, o condutor poderá ter seu direito de dirigir suspenso por 90 dias, condicionado à apresentação do exame toxicológico com resultado negativo.

Sobre a ABTox

A Associação Brasileira de Toxicologia (ABTox) surgiu em prol do uso da tecnologia e conscientização para salvar vidas no trânsito e atua em conjunto com órgãos públicos e privados. A ABTox é formada pelos quatro principais laboratórios nacionais de Exame Toxicológico de Larga Janela Detecção credenciados pelo
Senatran: CAEPTOX, DB Toxicológico, LABET, Toxicologia Pardini.

TABELA DE EXAME TOXICOLÓGICO

Categoria Positivo
A, B e AB 42.622
C e AC 18.314
D e AD 11.475
E e AE 63.475
Sem informação 181
TOTAL 235.887

Período: 03/2016 a 08/2022

Fonte: ABTox e Serpro

Comentários

Extra

Bombeiros atendem terceira ocorrência em menos de um mês envolvendo gás boliviano

Publicado

em

Na tentativa de economizar, muitos populares estão buscando meios clandestinos mesmo sabendo que estão colocando suas vidas em risco, além de seus familiares seguido de uma possível perca de patrimônio.

O Corpo de Bombeiro do 5º Batalhão vem recebendo pedidos de ajuda para combater princípios de incêndios relacionado a botijas de gás domésticos adulterados. Na tentativa de lucrar praticando serviço clandestino, alguns estão adulterando essas botijas transferindo gás boliviano, para o recipiente brasileiro de forma inadequada e perigosa.

Em um dos três casos registrados recentemente, foi um princípio de incêndio após o proprietário ligar uma fritadeira e não havia observado que estava havendo vazamento de gás.

Pois o gás boliviano não contém cheiro, já que nele não possui o aditivo mercaptano (gás responsável pelo odor característico do gás de cozinha). No segundo, a botija de gás brasileira simplesmente explodiu, já que havia sido realizado o transbordo de gás boliviano para a botija brasileira.

Porém, quando o nosso gás acaba, “as nossas botijas continuam com pressão interna, e esse serviço de recarga irregular é um tremendo perigo já que não tem medição de pressão, e simplesmente completam com o gás boliviano deixando a botija brasileira com altíssima pressão”, contou um dos bombeiros que atendeu essa última ocorrência.

No último sábado (24), mais uma ocorrência foi registrada, dessa vez no bairro Leonardo Barbosa. No local haviam várias botijas de gás boliviano e brasileira, foi observado pelos bombeiros que atenderam a ocorrência que, uma das botijas rompeu toda a válvula de retenção do gás, o que não é comum acontecer. Tudo indica que rompeu após alta carga de pressão.

Esse tipo de serviço clandestino além de ser irregular, as pessoas estão colando suas vidas em riscos, além dos prejuízos de seus patrimônios. Todo o serviço de transbordo de gás só deve ser feito por empresas qualificadas.

Desta vez, o local onde os bombeiros foram acionados, o sinistro foi registrado no fundo do quintal onde possivelmente acontece o pissivel ‘envasamento clandestino’. O caso será investigado pelas autoridades competentes.

Matéria relacionada:

Bombeiros alertam sobre compra de gás envasado no lado boliviano

Comentários

Continue lendo

Extra

Saiba como encontrar seu local de votação para o dia das eleições

Publicado

em

Busca pode ser feita no site do Tribunal Superior Eleitoral

No dia 2 de outubro, primeiro turno das eleições, mais de 156 milhões de eleitores estarão aptos a comparecer às urnas para eleger o presidente da República, governadores, senadores e deputados federais, estaduais e distritais.

Faltando uma semana para o pleito, o eleitor pode consultar com antecedência o local de votação e evitar eventuais transtornos.

No site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o cidadão pode fazer a busca, devendo informar o número do CPF ou do título de eleitor, a data de nascimento e o nome da mãe. O resultado indicará os números da zona eleitoral, da seção eleitoral e o endereço do local de votação. A mesma busca também pode ser feita nos sites dos tribunais regionais eleitorais.

Pelo aplicativo e-título, além de saber o local de votação, o eleitor também pode ativar a localização do celular e ser guiado até sua zona eleitoral por meio de um mapa virtual.

Para o eleitor que tem sua biometria cadastrada, o e-título também serve como documento de identificação para votar, substituindo o título de papel ou outro documento de identificação com foto. Segundo o TSE, cerca de 118 milhões de pessoas, número correspondente a 75% do eleitorado, estão cadastradas pela biometria.

Quem tiver interesse pode baixar gratuitamente a ferramenta, que está disponível nas lojas de aplicativos dos sistemas operacionais Apple e Android.

Em 1° de outubro, dia anterior ao primeiro turno, o download do aplicativo será suspenso e liberado somente no dia seguinte ao pleito. No segundo turno, será possível baixar o aplicativo somente até 29 de outubro, data anterior ao segundo turno.

A última opção para consultar o local de votação é utilizar o Chatbot do TSE. Para acessar o assistente virtual, o eleitor pode salvar o número +55 61 9637-1078 na lista de contatos do WhatsApp e iniciar a conversa virtual com o aplicativo.

Comentários

Continue lendo

Extra

Vídeo: Carro invade contramão e causa acidente em Brasiléia deixando motociclista com fratura na perna

Publicado

em

Um acidente foi registrado na manhã deste sábado (24), no Bairro Eldorado, parte alta da cidade de Brasiléia, na rua João Jovino, por volta das 10h00. Um vídeo de um sistema de segurança registrou o momento quando o carro modelo Toyota/Corolla e uma moto Yamaha, placa QLY 3671 se chocam.

No vídeo, mostra quando a condutora da moto, identificada pelas iniciais L. L. O., de 33 anos, ainda tenta se esquivar do carro que não retorna para o seu lado da pista, causando o impacto na lateral, ao ponto de arrancar o pneu da roda.

A mulher sofreu dilacerações e fratura óssea na perna esquerda, sendo socorrista por uma equipe do SAMU, sendo levada para o hospital Raimundo Chaar, onde foi estabilizada e em pouco tempo, transferida para a Capital, onde passará por cirurgia.

Equipe da Polícia Militar e do Cifitran estiveram no local, onde registraram o acontecimento. O condutor (não identificado) do veículo foi notificado e deverá se apresentar na delegacia para ser ouvido e responder pela infração cometida, além de arcar com os danos causados à condutora e na moto.

O caso está em aberto entre as partes envolvidas.

Comentários

Continue lendo

Em alta