Antonio Pedro confirma que concorrerá à reeleição, mas frisa que sua atenção neste momento está voltada em cumprir seu papel como deputado estadual perante a população (Foto: Aleac)
Especial Marcela Jansen

Em conversa com a jornalista Marcela Jarseno deputado estadual Antonio Pedro (DEM) fez uma breve avaliação de seu mandato em 2017. Ele falou também sobre as expectativas para o próximo ano legislativo, bem como sua reeleição.

Seu trabalho no parlamento estadual tem sido bastante elogiado não apenas pela população, mas também por colegas de plenário. Ele atribui esse resultado ao mandato participativo que tem buscado fazer em todo o Acre. “Tenho plena consciência do papel que preciso desempenhar neste mandato. Isso me faz ter a certeza de que podemos nos tornar a mudança que queremos para nosso povo querido.”

Antonio Pedro confirma que concorrerá à reeleição, mas frisa que sua atenção neste momento está voltada em cumprir seu papel como deputado estadual perante a população. “Neste ano pretendo percorrer os municípios do nosso Estado para verificar de perto a real necessidade de nosso povo. O objetivo é trazer essas demandas para o parlamento estadual a fim de serem debatidas. Temos que legislar em favor de nossos acreanos”.

Confira a entrevista:

Marcela Jansen – Seu mandato tem sido bastante elogiado tanto pela população quanto por seus colegas de parlamento. Quais os pontos positivos de suas ações o senhor destacaria?

Antonio Pedro – Sem sombra de dúvida, a conquista da confiança do povo do Acre. Hoje sou respeitado pelo meu caráter, pela dedicação e trabalho desenvolvido. Acredito que o motivo principal dessa boa aceitação tem sido o fato de não ter abandonado meus princípios e valores. Sou filho de Xapuri, fui eleito praticamente pelo vale do alto Acre e é natural que minha atenção maior seja mais contundente naquela região. Mas, como já falei anteriormente, tenho procurado fazer um mandato participativo em todo o Acre.

Marcela Jansen – O senhor faz parte do bloco da oposição e, mesmo assim, tem uma boa aceitação entre os parlamentares da base governista. Qual o segredo?

  1. P. – Como deputado de oposição, procurei estar respaldado na verdade e no compromisso com o povo, optei por fazer uma oposição sensata e madura. Acredito que esse é o verdadeiro papel do Parlamentar, cuidar para que o povo mais humilde, mais oprimido tenha direito de voz e que esses direitos sejam ecoados nos quatro cantos do nosso Estado. Eu acho que o segredo é se manter fiel a si mesmo e manter o respeito para com o próximo. Sou da oposição, mas não preciso sair da linha para cobrar melhorias para o Estado. Posso fazê-lo de forma sensata.

Marcela Jansen – Fale um pouco dos projetos iniciados em 2017.

  1. P. – Estar entre os parlamentares mais atuantes é muito gratificante, levando em consideração que este é o meu primeiro mandato. Quando assumi esta cadeira na Aleac tinha consciência de que meu objetivo seria representar o povo com a maior seriedade possível e é isso que tenho buscado fazer. Temos muitos debates para este ano, nas mais diversas áreas. No momento o que tem nos preocupado são as áreas da Saúde e Segurança Pública. Temos buscado realizar um debate produtivo acerca desses temas e, dessa forma, contribuir com soluções efetivas.

Marcela Jansen – O senhor já decidiu se concorrerá à reeleição?

  1. P. – Esse é um assunto que já foi definido com minha base eleitoral. Antes de confirmar qualquer intenção de concorrer à reeleição me reuni com meus eleitores. Por entendermos que ainda precisamos dar continuidade ao trabalho que iniciei em 2015, quando assumi este mandato, decidi disputar novamente a eleição de 2018.

Marcela Jansen – O senhor tem sido uma presença constante em todas as regiões do Acre e como resultado disso sua base eleitoral se ampliou muito. O senhor está satisfeito com o trabalho realizado ao longo de 2017?

  1. P. – Iniciei este ano com a ideia de percorrer todos os municípios. Precisava ouvir as demandas da população e leva-las até o plenário da Aleac a fim de encontrara soluções. Como representante do povo senti que precisava fazer mais. Não medi esforços para estar mais presente em nossos municípios e isso me proporcionou conhecer novas pessoas e firmar novas alianças. Tudo surgiu muito naturalmente. Sem dúvidas minha base aumentou em 2017, dentro e fora do Alto Acre. Fui presença constante em todas as regiões e agradeço a Deus por todo o apoio que recebi ao longo dessa trajetória.

Marcela Jansen – E como o DEM tem se preparado para o período eleitoral do próximo ano?

  1. P. – Estamos na fase de fortalecer o partido. Creio que as maiorias das siglas estejam fazendo exatamente isso nesse período. Temos nos reunido e elaborado uma série de estratégias de crescimento. Temos nossas metas para 2018, sem dúvidas, mas o momento é destinado ao debate. Para este ano o foco é buscar novas filiações, novas lideranças, ou seja, pessoas que desejam realmente construir uma nova história para o Acre.

Marcela Jansen – O senhor sempre questiona à situação das unidades de Saúde da região do Alto Acre. Chegou, inclusive, a realizar uma audiência pública para debater sobre a construção do hospital regional. Como está essa questão?

P. – A população do Alto Acre tem sofrido com um atendimento precário. Nossas unidades estão deficitárias, portanto, a entrega desse hospital é de extrema importância. A intenção não é fazer politicagem com esse assunto, ao contrário, quando cobro a entrega do novo hospital é porque– Seu mandato tem sido bastante elogiado tanto pela população quanto por seus colegas de parlamento. Quais os pontos positivos de suas ações o senhor destacaria?

Antonio Pedro – Sem sombra de dúvida, a conquista da confiança do povo do Acre. Hoje sou respeitado pelo meu caráter, pela dedicação e trabalho desenvolvido. Acredito que o motivo principal dessa boa aceitação tem sido o fato de não ter abandonado meus princípios e valores. Sou filho de Xapuri, fui eleito praticamente pelo vale do alto Acre e é natural que minha atenção maior seja mais contundente naquela região. Mas, como já falei anteriormente, tenho procurado fazer um mandato participativo em todo o Acre.

Marcela Jansen – O senhor faz parte do bloco da oposição e, mesmo assim, tem uma boa aceitação entre os parlamentares da base governista. Qual o segredo?

  1. P. – Como deputado de oposição, procurei estar respaldado na verdade e no compromisso com o povo, optei por fazer uma oposição sensata e madura. Acredito que esse é o verdadeiro papel do Parlamentar, cuidar para que o povo mais humilde, mais oprimido tenha direito de voz e que esses direitos sejam ecoados nos quatro cantos do nosso Estado. Eu acho que o segredo é se manter fiel a si mesmo e manter o respeito para com o próximo. Sou da oposição, mas não preciso sair da linha para cobrar melhorias para o Estado. Posso fazê-lo de forma sensata.

Marcela Jansen – Fale um pouco dos projetos iniciados em 2017.

  1. P. – Estar entre os parlamentares mais atuantes é muito gratificante, levando em consideração que este é o meu primeiro mandato. Quando assumi esta cadeira na Aleac tinha consciência de que meu objetivo seria representar o povo com a maior seriedade possível e é isso que tenho buscado fazer. Temos muitos debates para este ano, nas mais diversas áreas. No momento o que tem nos preocupado são as áreas da Saúde e Segurança Pública. Temos buscado realizar um debate produtivo acerca desses temas e, dessa forma, contribuir com soluções efetivas.

Marcela Jansen – O senhor já decidiu se concorrerá à reeleição?

  1. P. – Esse é um assunto que já foi definido com minha base eleitoral. Antes de confirmar qualquer intenção de concorrer à reeleição me reuni com meus eleitores. Por entendermos que ainda precisamos dar continuidade ao trabalho que iniciei em 2015, quando assumi este mandato, decidi disputar novamente a eleição de 2018.

Marcela Jansen – O senhor tem sido uma presença constante em todas as regiões do Acre e como resultado disso sua base eleitoral se ampliou muito. O senhor está satisfeito com o trabalho realizado ao longo de 2017?

  1. P. – Iniciei este ano com a ideia de percorrer todos os municípios. Precisava ouvir as demandas da população e leva-las até o plenário da Aleac a fim de encontrara soluções. Como representante do povo senti que precisava fazer mais. Não medi esforços para estar mais presente em nossos municípios e isso me proporcionou conhecer novas pessoas e firmar novas alianças. Tudo surgiu muito naturalmente. Sem dúvidas minha base aumentou em 2017, dentro e fora do Alto Acre. Fui presença constante em todas as regiões e agradeço a Deus por todo o apoio que recebi ao longo dessa trajetória.

Marcela Jansen – E como o DEM tem se preparado para o período eleitoral do próximo ano?

  1. P. – Estamos na fase de fortalecer o partido. Creio que as maiorias das siglas estejam fazendo exatamente isso nesse período. Temos nos reunido e elaborado uma série de estratégias de crescimento. Temos nossas metas para 2018, sem dúvidas, mas o momento é destinado ao debate. Para este ano o foco é buscar novas filiações, novas lideranças, ou seja, pessoas que desejam realmente construir uma nova história para o Acre.

Marcela Jansen – O senhor sempre questiona à situação das unidades de Saúde da região do Alto Acre. Chegou, inclusive, a realizar uma audiência pública para debater sobre a construção do hospital regional. Como está essa questão?

P. – A população do Alto Acre tem sofrido com um atendimento precário. Nossas unidades estão deficitárias, portanto, a entrega desse hospital é de extrema importância. A intenção não é fazer politicagem com esse assunto, ao contrário, quando cobro a entrega do novo hospital é porque

Comentários