O desemprego no Acre ficou em 14,9% ao final do segundo trimestre deste ano, segundo o IBGE. Os dados constam na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua).

Trata-se de um recuo de 1% em relação aos três primeiros meses de 2017, quando o percentual chegava a 15,9%. Em números absolutos, a quantidade de pessoas desocupadas passou de 52 mil no primeiro trimestre para 50 mil no final de junho, mostra o estudo.

Levando em consideração os meses de abril, maio e junho de 2016, no entanto, a taxa de desemprego sofreu um aumento de 3,9% no Acre. Naquele período, eram em torno de 35 mil desocupados.

Entre os estados da Região Norte, o Acre foi o que teve a terceira maior taxa de desemprego no final de junho de 2017. O Amapá encabeçou a lista com 17,1% de desocupação, sendo seguido pelo Amazonas, com 15,5%. Na outra ponta, aparece Rondônia, com 8,9%.

O número de pessoas ocupadas entre os dois primeiros trimestres deste ano aumentou 2% – passando de 45,3% para 47,4%. O Acre encerrou junho com uma estimativa de 286 mil pessoas empregadas.

O setor público, incluindo servidores estatutários e militares, fechou o período com 64 mil trabalhadores – um aumento de 3,4% em relação ao final de março, quando havia 62 mil pessoas.

A iniciativa privada, sem contar os trabalhadores domésticos, teve um crescimento de 59 mil para 62 mil funcionários, o que corresponde a uma subida percentual de 4,9%.

Outro destaque, de acordo com a pesquisa, ficou com os trabalhadores por conta própria, que saíram de 70 mil para 79 mil somente neste ano – primeiro e segundo trimestres. Ou seja, ocorreu um salto de 12,7% no número de quem decidiu abrir o próprio negócio. Informações G1.

Comentários