Dilma diz que vai receber líderes pacíficos, mas critica violência

Em seu primeiro pronunciamento em rede nacional de rádio e TV sobre os protestos que tomaram conta do país, a presidente Dilma Rousseff disse que vai convidar representantes dos manifestantes,...

dilma na tv

Em seu primeiro pronunciamento em rede nacional de rádio e TV sobre os protestos que tomaram conta do país, a presidente Dilma Rousseff disse que vai convidar representantes dos manifestantes, mas afirmou que os órgãos de segurança têm “dever de coibir dentro da lei toda forma de vandalismo”.

“Asseguro a vocês: vamos manter a ordem”, afirmou. “Os manifestantes têm direito de questionar tudo e propor mudanças. Mas precisam fazer isso de forma pacífica e ordeira”, disse.

“O governo e a sociedade não podem aceitar que uma minoria violenta e autoritária destrua o patrimônio público e privado, ataque templos, incendeie carros, apedreje ônibus e tente levar o caos aos nossos principais centros urbanos”, afirma.

“Se aproveitarmos bem o impulso desta nova energia política, poderemos fazer, melhor e mais rápido, muita coisa que do Brasil ainda não conseguiu realizar por causa de limitações políticas e econômicas”, disse, repetindo o elogio ao papel das manifestações para a democracia que já havia feito em fala na terça-feira passada.

Dilma afirmou ainda que vai chamar presidentes de outros Poderes, governadores e prefeitos para discutir a agenda de reivindicação dos manifestantes, o que pode acontecer na segunda-feira.

“A voz das ruas precisa ser ouvida e respeitada. E ela não pode ser confundida com o barulho e a truculência de alguns arruaceiros”, afirmou. “Não vou transigir com violência e arruaça.”

Em sua fala, a presidente elencou três pontos que vai discutir nestes encontros: uma reforma do transporte coletivo urbano no país, a aprovação de projeto destinando a receita de royalties do petróleo para investimento em educação e também disse que vai “Trazer milhares de médicos para melhorar o atendimento no SUS”.

“Sou a presidenta de todos os brasileiros, dos que se manifestam e dos que não.”

Ela falou em “oxigenar a democracia”, mas defendeu a estrutura partidária vigente –e citou como interlocutores não só manifestantes, mas também sindicatos e movimentos sociais. “Instituições e governos devem mudar.”

Mostrando sua preocupação com os reflexos negativos na imagem do país em plena Copa das Confederações, a presidente afirmou que o brasileiro, que sempre é bem recebido no exterior, precisa receber muito bem os estrangeiros visitando o Brasil.

Ela disse ainda que o país irá fazer uma “grande Copa do Mundo” em 2014, refutando os boatos de cancelamento, e procurou defender as obras do evento –a conta já bate em R$ 30 bilhões, mais do que a soma das três Copas anteriores.

A presidente afirmou que não foram usados recursos da educação e da saúde na construção dos estádios, mas financiamentos que terão de ser pagos pelos Estados e empresas responsáveis pelos projetos.

A presidente decidiu fazer o pronunciamento à nação ontem pela manhã, durante reunião com sua equipe convocada na noite anterior, no qual foi decidido que a omissão poderia ser prejudicial.

Foi feito um balanço da violência e meios para coibi-la. O tema foi debatido com o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça). Dilma esteve também com Aldo Rebelo (Esportes), Aloizio Mercadante (Educação), Fernando Pimentel (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e Gilberto Carvalho (Secretaria-geral da Presidência).

PESQUISA

O instituto Datafolha divulgou nesta sexta-feira uma pesquisa feita entre os manifestantes de São Paulo que coloca Dilma apenas em 3º nas intenções de voto.

Apesar de não figurar na lista de pré-candidatos ao Palácio do Planalto, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, aparece como o preferido dos manifestantes paulistanos para suceder a presidente.

De acordo com o instituto, Barbosa foi mencionado por 30% dos entrevistados, contra 22% da ex-senadora Marina Silva, que tenta montar a Rede Sustentabilidade para concorrer ao Planalto em 2014. Dilma (PT) aparece em terceiro na lista, com 10% das menções.

O levantamento foi realizado durante os protestos de ontem na avenida Paulista, região central da cidade.

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), com 5%, e o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), com 1%, vêm logo a seguir.

A margem de erro da pesquisa, que entrevistou 551 manifestantes, é de 4 pontos percentuais para mais ou para menos. No limite, Barbosa e Marina poderiam ter 26% das preferências, mas, segundo o Datafolha, a probabilidade de que esse cenário seja real é muito pequena.

A última pesquisa nacional do Datafolha para a corrida de 2014 –finalizada no dia 7, antes da onda de manifestações que tomou conta do país– mostrava Dilma na liderança, com 51% das intenções de voto no cenário mais provável, sete pontos percentuais a menos do verificado no levantamento anterior, de março.

Marina (16%) e Aécio (14%) estavam empatados em segundo lugar.
No cenário em que o nome do presidente do Supremo aparece, ele tinha 8% (levada em conta só a população da cidade de São Paulo, o ministro atingiria 11%).

O levantamento anterior, porém, difere do atual pois levava em conta a intenção de voto da população de todo o país.(VALDO CRUZ, ANDRÉIA SADI E TAI NALON)

Comentários