A justificativa para ele integrar o local de honra foi o fato de sua empresa ser uma das executoras das unidades habitacionais do conjunto.

Fábio Pontes, da ContilNet Notícias

O empresário José Adriano, da empreiteira MAV Construtora, preso pela Polícia Federal em maio de 2013 na operação G7, foi um dos convidados pela locutora oficial da solenidade na Cidade do Povo para integrar o palanque presidencial de Dilma Rousseff. A justificativa para ele integrar o local de honra foi o fato de sua empresa ser uma das executoras das unidades habitacionais do conjunto.

Segundo a Polícia Federal, a MAV e outras seis empresas formavam uma espécie de cartel para fraudar licitações de obras do governo estadual, entre elas a Cidade do Povo. Interceptações telefônicas feitas durante a investigação mostravam que funcionários das empreiteiras combinavam alterar os projetos originais das casas, reduzindo o espaço físico com o objetivo de se aumentar os lucros.

Em coletiva, Dilma Rousseff disse que as casas da Cidade do Povo são modelo para os demais conjuntos do Minha Casa Minha Vida. A deflagração da operação G7 é apontada como um dos motivos para o atraso no cronograma das obras. A proposta do governo é entregar 10 mil unidades somente neste que é considerado o maior empreendimento imobiliário do Acre.

Comentários