Uma discussão entre dois pastores da igreja Pentecostal, em Timbaúba, na zona da Mata de Pernambuco, acabou em morte no início da manhã de ontem. Segundo a Polícia Civil, o pastor José Carlos da Silva, 52, matou a facadas e pedradas o também pastor Paulo Germano da Silva, 58, durante desentendimento “sobre a palavra de Deus”.

O assassinato ocorreu na parte de trás da igreja, por volta das 5h de ontem. Os dois pastores estavam na cozinha da igreja tomando café da manhã, após a realização de um culto, quando começaram um debate acalorado com a Bíblia.

De acordo com a polícia, testemunhas contaram que Paulo ainda tentou fugir, mas o acusado o alcançou e desferiu vários golpes de faca no abdômen. José Carlos aproveitou que o pastor estava caído no chão, pegou uma pedra, que estava na escadaria, e jogou na cabeça da vítima. Paulo morreu no local.

Após o crime, o suspeito tentou se esconder em uma casa vizinha, mas foi capturado pela Polícia Militar. Ele foi preso em flagrante e levado para a 46ª Delegacia de Polícia de Timbaúba.

Em depoimento, o acusado confessou o crime e, segundo polícia, não se mostrou arrependido pelo assassinato. “Ele disse que sentiu uma vontade dentro dele, algo que dizia para ele matar o outro pastor. Em seguida, pegou uma faca na cozinha e atacou a vítima. O outro pastor ainda tentou correr, mas não conseguiu”, disse um policial, que pediu para não ser identificado.

Segundo a polícia, o suspeito não soube dizer a interpretação da Bíblia que discordou do outro pastor, mas afirmou que o colega “não representava a palavra de Deus”.

O corpo dele foi levado para o IML (Instituto Médico Legal) de Recife. Até o final da tarde de hoje, o corpo de Paulo Germano permanecia no IML de Recife à espera de familiares.

Familiares de José Carlos contaram a polícia que havia três dias que ele não dormia. O acusado está detido no presídio de Limoeiro e deve ser indiciado pelo crime de homicídio qualificado, com duas qualificadoras: motivo torpe e sem chance de defesa da vítima.

Ele teve a prisão em flagrante convertida em preventiva pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco, durante audiência de custódia realizada no Fórum de Nazaré da Mata. O suspeito não constituiu advogado e foi assistido por um defensor público.

O UOLprocurou a defesa, mas ela não se manifestou até a publicação da reportagem.

Comentários