Conecte-se conosco

Brasil

Dólar fecha praticamente estável após intervenção do Banco Central

Publicado

em

Roach prevê que o Federal Reserve pouco faria para impedir a queda do dólar.

Bolsa caiu 0,33% e teve perdas pelo segundo dia seguido

Em um dia de poucas negociações, a atuação do Banco Central (BC) pesou e fez o dólar fechar praticamente estável e ter o terceiro dia seguido de queda. A trégua não se repetiu na bolsa de valores, que teve perdas pelo segundo dia consecutivo.

O dólar comercial encerrou esta quinta-feira (23) vendido a R$ 5,663, com pequena queda de 0,08%. A cotação começou o dia em alta, chegando a R$ 5,71 por volta das 12h. Em seguida, o BC fez dois leilões de venda direta de dólares das reservas internacionais, que injetaram US$ 965 milhões no mercado e segurando a moeda norte-americana.

Nas últimas semanas, o BC tem intervindo no câmbio para reduzir a volatilidade provocada pela remessa de lucros de empresas para o exterior, que influem na cotação, especialmente em dias de pouca negociação. O dólar encerra a semana com queda de 0,37%. A divisa acumula alta de 0,47% em dezembro e valorização de 9,09% em 2021.

No mercado de ações, as tensões permaneceram. O índice Ibovespa, da B3, fechou a quinta-feira com queda de 0,33%, aos 104.891 pontos. O indicador chegou a subir nos primeiros minutos de negociação, mas perdeu força ainda durante a manhã, sem conseguir acompanhar o avanço nas bolsas internacionais.

O Ibovespa fechou a penúltima semana do ano com perda de 2,15%. O índice acumula queda de 11,87% em 2021.

Nesta quinta, a preocupação dos mercados internacionais com o avanço da variante Ômicron do novo coronavírus continuou diminuindo. Isso por causa da divulgação de estudos segundo os quais a variante tem baixo índice de hospitalização em relação às variantes anteriores. Além disso, a aprovação de duas pílulas para pacientes moderados e graves pela agência reguladora dos Estados Unidos reduziu o pessimismo com a evolução da pandemia.

No Brasil, os investidores repercutiram a divulgação de que o índice IPCA-15, que serve como prévia da inflação oficial, fechou 2021 em 10,42%, no maior nível desde 2015.

O índice diminuiu as expectativas de que o Banco Central afrouxe os reajustes da taxa Selic (juros básicos da economia) em 2022. Juros mais altos desestimulam aplicações em mercados de maior risco, como a bolsa de valores.

*Com informações da Reuters.

Comentários

Brasil

Rombo das contas fica em R$ 35,1 bi, melhor resultado em 7 anos

Publicado

em

Com alta na arrecadação tributária e redução de gastos emergenciais da Covid-19, déficit equivale a 0,4% do PIB

O resultado acumulado do ano totalizou um déficit de R$ 35,1 bilhões em 2021 José Cruz/Agência Brasil – 17.01.2022

Do R7

Após crescimento na arrecadação tributária e redução de gastos emergenciais de enfrentamento à pandemia de Covid-19, o governo federal registrou um superávit de R$ 13,8 bilhões em dezembro de 2021 nas contas públicas, frente ao déficit de R$ 44,1 bilhões observado no mesmo período de 2020 (em termos nominais).

O resultado acumulado do ano totalizou um déficit de R$ 35,1 bilhões em 2021, ante rombo de R$ 743,3 bilhões em 2020 (em termos nominais), o maior déficit da história, impulsionado pelos gastos dos efeitos do primeiro ano da crise sanitária. O resultado de 2021, divulgado nesta sexta-feira (28) pelo Tesouro, é o melhor em sete anos, segundo dados da série histórica do governo, e equivale a 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto).

O ministro da Economia, Paulo Guedes, destacou durante coletiva, que o desempenho das contas públicas do país em 2021 foi “extraordinário”, conforme o esperado pelo governo. “Houve duvidas, criticas, acusações de populismo fiscal, todas equivocadas a respeito das nossas contas”, disse. “Tivemos resultado extraordinário de déficit de 0,4% do PIB, de R$ 35,1 bilhões apenas”, comparou.

Com mais receitas e menos despesas em relação ao ano anterior, o governo fechou 2021 com resultado fiscal muito melhor do que o registrado em 2020 e bem abaixo da meta fiscal do ano, fixada em déficit de R$ 247,1 bilhões.

O ministro também rebateu críticas de economistas que atribuíam a melhora das contas públicas ao aumento dos preços. “Se a inflação fosse solução para receita, por que quando fomos a 5.000%, no governo Sarney, ou a 2.000%, no governo de Itamar, ou mesmo no de Dilma, quando houve 15% não houve aumento da arrecadação, resolvemos o problema das contas públicas?”, perguntou. “Não é a inflação que resolve, é o controle das despesas. Veio uma recuperação em V como eu dizia, voltou do fundo do poço com força.”

O Tesouro Nacional e o Banco Central foram superavitários em R$ 5,8 bilhões e a Previdência Social (RGPS) apresentou superávit de R$ 8 bilhões. Em comparação a dezembro de 2020, a melhora no resultado primário observado no mês decorre da combinação de um aumento real de 19,6% (+R$ 28,4 bilhões) da receita líquida e de um decréscimo real de 17,6% (-R$ 34,0 bilhões) das despesas totais.

Comentários

Continue lendo

Brasil

INSS publica aumento das aposentadorias e pensões. Saiba quanto será o reajuste

Publicado

em

Quem recebe mais de um salário mínimo terá aumento de 10,16% em 2022

Comentários

Continue lendo

Brasil

Caixa paga Auxílio Brasil a cadastrados com NIS final 9

Publicado

em

Neste mês, 3 milhões de famílias foram incluídas no programa

A Caixa paga nesta sexta-feira (28) o Auxílio Brasil a beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) final 9. O valor mínimo do benefício é R$ 400. As datas seguirão o modelo do Bolsa Família, que pagava os beneficiários nos dez últimos dias úteis do mês.

Em janeiro, 3 milhões de famílias foram incluídas no programa, aumentando para 17,5 milhões o total atendido. Segundo o Ministério da Cidadania, serão gastos R$ 7,1 bilhões neste mês com o Auxílio Brasil.

O beneficiário poderá consultar informações sobre datas de pagamento, valor do benefício e composição das parcelas em dois aplicativos: Auxílio Brasil, desenvolvido para o programa social, e o Caixa Tem, usado para acompanhar as contas poupança digitais do banco.

Confira o calendário:

Final do NIS Dia do pagamento
1 18 de janeiro
2 19 de janeiro
3 20 de janeiro
4 21 de janeiro
5 24 de janeiro
6 25 de janeiro
7 26 de janeiro
8 27 de janeiro
9 28 de janeiro
0 31 de janeiro

Auxílio Gás

O Auxílio Gás também é pago hoje – retroativamente – às famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico), com NIS final 9. O benefício segue o calendário regular de pagamentos do Auxílio Brasil.

Com duração prevista de cinco anos, programa beneficiará 5,5 milhões de famílias até o fim de 2026, com o pagamento de 50% do preço médio do botijão de 13 quilos a cada dois meses. Atualmente, a parcela equivale a R$ 52. Para este ano, o Auxílio Gás tem orçamento de R$ 1,9 bilhão.

Só pode fazer parte do programa quem está incluído no CadÚnico e tenha pelo menos um membro da família que receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

A lei que criou o programa definiu que a mulher responsável pela família terá preferência, assim como mulheres vítimas de violência doméstica.

Benefícios básicos

O Auxílio Brasil tem três benefícios básicos e seis suplementares, que podem ser adicionados caso o beneficiário consiga emprego ou tenha filho que se destaque em competições esportivas, científicas ou acadêmicas.

Podem receber o benefício famílias com renda per capita até R$ 100, consideradas em situação de extrema pobreza, e até R$ 200, em condição de pobreza.

Agência Brasil elaborou guia de perguntas e respostas sobre o Auxílio Brasil. Entre as dúvidas que o beneficiário pode tirar estão critérios para integrar o programa social, os nove tipos diferentes de benefícios e o que aconteceu com o Bolsa Família e o auxílio emergencial, que vigoraram até outubro.

Comentários

Continue lendo

Em alta