O discurso de Duarte foi reforçado pelo deputado José Bestene (Progressistas) que lembrou da chamada “Indústria das multas”

Sabemos que existem milhares de notificações e multas aplicadas e com base nisso, é necessário transparência.

Um requerimento foi protocolado na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa nesta quinta-feira, 7, pedindo extratos bancários com informações a respeito da arrecadação de multas de trânsito no ano de 2018. O documento é de autoria do deputado Roberto Duarte que enfatizou que o objetivo é saber onde esses recursos são aplicados.

“Vamos começar a verificar tudo o que ocorreu no passado. Sabemos que existem milhares de notificações e multas aplicadas e com base nisso, é necessário transparência. Essa verba tem destinação específica para serem gastos com educação no trânsito”, disse.

O discurso de Duarte foi reforçado pelo deputado José Bestene (Progressistas) que lembrou da chamada “Indústria das multas” que segundo ele foi criada nos últimos 4 ou 5 anos. “Eu acho o governo tem que olhar com muito carinho para criar uma prevenção em relação a isso. Não é possível ter uma avenida que você não pode andar em 40 km e momento depois passa para 60, ou 50km. A nova gestão precisa rever algumas situações de trânsito com responsabilidade para beneficiar a população’, disse.

Gerlen Diniz (Progressista) informou que no ano passado órgão arrecadou mais de R$ 70 milhões com todas as receitas, mas gastou R$ 74 milhões.

Em resposta ao requerimento do deputado Roberto Duarte (MDB), que pediu informações financeiras a respeito da arrecadação de multas de trânsito no Estado do Acre no ano de 2018, o líder do governo, Gerlen Diniz (Progressista) informou que no ano passado órgão arrecadou mais de R$ 70 milhões com todas as receitas, mas gastou R$ 74 milhões.

O deputado enfatizou que um levantamento minucioso está sendo feito pela atual diretoria do Detran e revelou que alguns gastos chamam a atenção. “Estamos fazendo o levantamento, mas friso que o gasto com água mineral no órgão é absurdo. Vamos investigar isso direitinho. Eu mesmo divulgarei esses dados aqui”, disse Diniz.

Diniz ainda defendeu a Política de Trânsito do órgão, enfatizando que alguns ajustes precisam ser feitos, mas que também as campanhas ajudam a salvar vidas. Ele disse ainda que dos 34 radares instalados em Rio Branco, 28 pertencem a Prefeitura de Rio Branco e o restante ao Deracre. “O Detran apenas gerência. O Detran não tem radares”, disse.

Comentários