Conecte-se conosco

Acre

Edvaldo critica comissão por não avaliar PEC da aposentadoria

Publicado

em

Deputado é contrário a este privilégio para ex-governadores

Edvaldo_410_237Edvaldo Souza (PSDC) fez pronunciamento nesta quarta-feira, 25, lamentando que a PEC contra o pagamento de pensão para ex-governadores tenha sido derrubada por decurso de prazo. Ele lembrou que, embora instalada e promulgada no Diário Oficial do Legislativo, a comissão que daria o parecer sobre a matéria nunca se reuniu.

“Eu assinei a PEC como muitos outros deputados desta Casa, mas a comissão sequer emitiu um parecer, contra ou favor, e a matéria caducou”, comentou o deputado, lembrando que o presidente Elson Santiago (PEN) publicou resolução criando a comissão em 29 de agosto passado.

“Não foi preciso retirar assinaturas e nem recuar, a PEC caducou porque os deputados da comissão não se reuniram dentro do prazo”, observou Edvaldo. Para ele, ao não se atentarem para o prazo legal de 30 dias para reunir a comissão e emitir um parecer, os deputados dão a entender que não ouviram as manifestações de rua.

“O sentimento das ruas não foi ouvido, não ecoou neste Parlamento. Eu respeito a posição dos demais colegas, mas eu sou contra este privilégio para ex-governadores”, afirmou Edvaldo.

Segundo ele, os deputados precisam cuidar melhor de suas agendas para não correr o risco de serem desmoralizados e xingados nas ruas como se fossem um bando de cidadãos que não honram o voto outorgado pela população.

“Às vezes o parlamentar tem que ter posição clara em prol do povo. A pensão para ex-governadores não tem base jurídica. Sou formado em Direito e lembro que o jurista Luis Flávio Gomes, um dos maiores deste país,  diz que pensão é uma ‘imoralidade infinita.’

“Nós poderíamos ter dado um grande passo votando contra ou a favor.  Seria um gesto de grandeza com a população que nos critica e que faz considerações negativas nas redes sociais e blogs. Eu respeito a opinião de cada colega, mas não vou mudar a forma de pensar”,  afirmou Edvaldo Souza.

O parlamentar finalizou reiterando que, enquanto cidadão, ainda não se deixou contaminar com este vírus da política. “Vou continuar defendendo o que as pessoas da rua pensam, não posso admitir que um cidadão se aposente em quatro anos ganhando R$ 25 mil mensais enquanto outros trabalham até o fim da vida para receber um salário mínimo”, concluiu.

Agazeta.net

Comentários

Acre

Alan Rick destaca assistência médica nos rincões do país

Publicado

em

Em entrevista ao programa Jogo Rápido, da Agência Câmara de Notícias, o deputado Alan Rick ressaltou a importância da assistência médica integral nos municípios mais distantes dos grandes centros urbanos.

“Um dos grandes desafios do Brasil é garantir o provimento médico nos lugares mais distantes, nos municípios mais pobres, nas áreas de mais necessidade. E foi pensando nisso que em 2016 apresentei emenda à lei do programa Mais Médicos, que hoje possibilita que os brasileiros formados no exterior tenham prioridade na contratação”, disse o parlamentar.

Segundo ele, os médicos formados no exterior são aqueles que permanecem nas unidades de saúde.

Comentários

Continue lendo

Acre

Inscrição para concurso do CRM com salário de R$ 4 mil encerra nesta quinta

Publicado

em

O prazo de inscrições para o concurso do Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM), que prevê uma vaga para o cargo de contador, se encerra nesta quinta-feira, 20. O edital foi lançado no dia 29 de dezembro e a taxa de inscrição custa R$ 75 reais.

A função exige certificado de conclusão ou diploma, devidamente registrado, curso de graduação de nível superior, bacharelado, em contabilidade, reconhecido pelo ministério da educação e registro no conselho regional de contabilidade. O salário oferecido no cargo é de R$ 4.380,43 por jornada de trabalho de 20 horas por semana, mais benefícios de auxílio-creche no valor mensal de R$ 300,00 por dependente com idade de 06 meses até 05 anos e 11 meses e ticket-alimentação de R$ 675,00 por mês.

Os requisitos para se candidatar ao cargo são: Certificado de conclusão ou diploma, devidamente registrado, curso de graduação de nível superior, bacharelado em Contabilidade, reconhecido pelo Ministério da Educação. Registro no Conselho Regional de Contabilidade.

A coordenação técnico/administrativa do concurso público será de responsabilidade do Instituto Brasileiro de Apoio e Desenvolvimento Executivo – IBADE.

Comentários

Continue lendo

Acre

Mais de 70% dos acreanos entraram 2022 atolados em dívidas e metade com renda comprometida

Publicado

em

Mais de 70% dos moradores de Rio Branco entraram 2022 enterrados em dívidas. Os dados mais atuais da Federação do Comércio do Acre mostram que o prazo médio para a regularização de dívidas pendentes é de 30 dias para 65% dos entrevistados, sendo o cartão de crédito o que apresenta o maior compromisso dos consumidores.

Por conta das dívidas, uma parcela considerável está com restrição de crédito, ou seja, 44% dos consumidores entrevistados que possuem dívidas atrasadas. A parcela da população com o maior endividamento no município de Rio Branco tem renda mensal de até cinco salários mínimos.

“Mais de 71% dos entrevistados estão endividados e 80% destes tem até 50% de renda comprometida”, observa Egídio Garó, especialista da Federação do Comércio do Acre.

Ter entrado o ano atolado em dívidas não é “privilégio” dos acreanos. O nível de endividamento médio das famílias brasileiras em 2021 foi o maior em 11 anos. É o que aponta a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Segundo o levantamento, o último ano apresentou recorde do total de endividados, registrando uma média de 70,9% das famílias brasileiras, enquanto dezembro alcançou o patamar máximo histórico para os meses consecutivos, 76,3% do total de famílias. A taxa de incremento de famílias com dívidas também foi a maior já observada, revelando que as famílias recorreram mais ao crédito para sustentar o consumo.

Na comparação com 2020, das cinco regiões do País, apenas o Centro-Oeste apresentou queda do índice, 0,3 ponto percentual. O Norte registrou estabilidade, e o Sudeste se destacou com aumento de 5,9 p.p., seguido pelo Sul (+5,5 p.p.) e o Nordeste (+4,5 p.p.). Contudo, considerando o total de endividados, o Sul contou com o maior percentual, aproximando-se de 82%. Já na avaliação por faixa de renda, o endividamento médio das famílias com até 10 salários mínimos mensais aumentou 4,3 p.p., chegando a históricos 72,1% do total. Na faixa de renda superior, acima de 10 salários mínimos, o indicador aumentou ainda mais, 5,8 p.p., e fechou em 66,0%.

No caminho oposto dos indicadores de endividamento, no último ano, os números de inadimplência apresentaram queda. De acordo com a pesquisa, o percentual médio de famílias com contas e/ou dívidas em atraso diminuiu 0,3 p.p. na comparação com 2020, chegando a 25,2%. Após iniciar 2021 em patamar superior ao observado no fim do ano anterior, o percentual mensal teve redução até maio, mas passou a apresentar tendência de alta desde então, alcançando 26,2% em dezembro e ficando acima da média anual.

O percentual de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas e/ou dívidas em atraso e que, portanto, devem permanecer inadimplentes também contou com uma redução na comparação com 2020, 0,6 p.p., totalizando 10,5% dos lares no País. Os números indicam que essa parcela de consumidores apresentou movimentos diferentes ao longo do ano. Enquanto, no primeiro semestre, o indicador de inadimplência recorrente oscilou entre baixa e alta, a partir de julho passou a registrar tendência de queda, encerrando o ano em 10% do total de famílias, abaixo da média anual. (Com CNC)

Comentários

Continue lendo

Em alta