É preciso incomodar com movimentos mais consistentes, como por exemplo, barreiras para impedir o corte de energia e o não pagamentos das contas

O deputado foi entrevistado após sessão na Aleac/Foto: Reprodução
SAIMO MARTINS, DO CONTILNET

O deputado estadual Edvaldo Magalhães (PCdoB) fez um pronunciamento durante as manifestações do grupo que reuniu populares, sindicalistas e parlamentares, contrário ao aumento da tarifa de energia proposto pela Energisa, de mais de 21% a partir deste mês, com previsão de mais 22% no meio do ano, totalizando 43%.

“É preciso que haja um endurecimento por parte do movimento para que os representantes da empresa se sensibilizem e diminuam o reajuste”, explicou.

O parlamentar reiterou que as pessoas que participaram do ato, têm capacidade de mobilização e representatividade perante as autoridades. No entanto, Edvaldo propõe “arrochar a corda”.

“Vamos ter que endurecer, eles não podem achar que vamos fazer um ato e discurso e depois não vai acontecer nada”, explicou.

Questionado sobre quais medidas mais drásticas a população poderia tomar, o político frisou: “Eles realizaram o reajuste sem fazer uma consulta. É preciso incomodar a empresa com movimentos mais consistentes, como por exemplo, barreiras para impedir o corte de energia e o não pagamentos das contas de uma determinada região. Pode ser uma forma de resistência para mostrar que não é tirando o couro das pessoas que a empresa vai conseguir se firmar por aqui”.

Comentários