Após a declaração do Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, de que haverá um reajuste tarifário no setor elétrico em todo o Brasil, ainda no primeiro semestre de 2015, de no máximo 40% acarretou uma série de especulações e deixou o consumidor final preocupado.

Para saber sobre o impacto da notícia no estado, a reportagem do ac24horas procurou a Eletrobras Distribuição Acre para esclarecer quanto aos critérios e o possível percentual a ser aplicado no estado.

Segundo a assessoria do órgão, a notícia dada pelo ministro Eduardo Braga não necessariamente será aplicada no Acre, uma vez que não existe nenhuma solicitação de reajuste tarifário a ser aplicado, tampouco nenhum reajuste extraordinário solicitado à Agencia Nacional de Energia (Aneel).

“No momento não temos condições de fornecer informações quanto ao percentual, pois quem o define é a Aneel, portanto, não podemos dar um prazo para aplicação de novos reajustes, uma vez que, estaríamos sendo prematuros em anunciar essa ou aquela informação. Quem estuda e define a margem de percentual é a Aneel. O que tenho a falar ao consumidor acreano é que estamos trabalhando na otimização e  redução dos custos para oferecer um serviço de qualidade pelo menor preço possível, prova disso foi a redução de quase 16% concedida pela Aneel aos nossos consumidores ocorrido em novembro do ano passado”, destacou Rolim.

De acordo com a empresa, nenhuma Distribuidora pode reajustar os valores das tarifas sem que antes seja realizado um estudo financeiro (auditoria) nas contas da Distribuidora que solicita o reajuste. No caso, do Eletrobras Acre não foi, até o momento, sequer cogitado solicitar um novo reajuste, além daquele concedido anualmente (novembro de cada ano), que após a analise das contas por parte da Aneel define, a exemplo do ano, um decréscimo de 15% na tarifa final repassada ao consumidor.

“O setor elétrico sequer analisou a declaração do ministro sobre esse tão falado reajuste. A Distribuidora Acre não tem nenhuma previsão de reajuste concedido por parte da Aneel e mesmo que tivéssemos não seria garantido que a Aneel aprovasse. Até o momento não há qualquer análise concluída e quando existir somente será anunciada após todos a conclusão de todos os procedimentos administrativos, bem como a realização de audiência pública”, informou o órgão.

Para encerrar, a assessoria explicou que caso haja um provável reajuste, este ocorrerá a partir de de março deste ano, porém o percentual poderá ser para mais ou para menos, de acordo com a determinação da Aneel.


 

Com informações do ac24horas.

Comentários