Conecte-se conosco

Geral

Em Brasileia, Estado realiza vacinação de indígenas em contexto urbano

Publicado

em

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), em parceria com o Programa Nacional de Imunização (PNI) e com a Prefeitura de Brasileia, realizou, nos dias 13 e 14, no bairro Leonardo Barbosa, uma ação de imunização voltada ao público de indígenas Jaminawa, que vivem em contexto urbano, na fronteira com a Bolívia.

 Foram aplicadas 36 primeiras doses, 24 segundas doses e 14 de reforço, e 25 doses contra influenza Foto: Taís Nascimento

Além de ofertar a vacina contra a Covid-19, também foram disponibilizados imunizantes de rotina para a atualização da caderneta vacinal das crianças e, em parceria com a Secretaria de Estado de Assistência Social, Direitos Humanos e Políticas para as Mulheres (SEASDHM), foram distribuídas cestas básicas às famílias.

Há muito que os povos originários sofrem ante a necessidade de se adaptar às ferramentas urbanas, bem como ao contexto social dos grandes centros.

Acostumados a se proteger e a curar-se com a medicina da floresta e a terem como referência farmacológica os seus pajés, alguns indígenas veem nos homens de jaleco, nas cápsulas de remédios e nas agulhas de vacinas um inimigo, não por oferecerem perigo, mas por serem desconhecidos.

Com um olhar sensível à causa e entendendo o papel social das instituições enquanto promotoras de cidadania, a equipe técnica da Sesacre embrenhou-se nos caminhos conflituosos construídos pela disseminação de fake news, para convencer os indígenas a receberem a dose da vacina contra a Covid-19.

Liderança indígena Jaminawa conversando sobre a importância da vacina. Foto: Taís Nascimento

A maior dificuldade da empreitada não foi enfrentar  as trilhas, o sol ou a chuva, mas as falsas informações que chegam a todo instante nos celulares dos “parentes”, como os índios nomeiam uns aos outros. De chip implantado no líquido imunizante, às pernas amputadas e corpo em pele viva; são esses os vírus que chegam por lá, entram e ficam parasitados nas pessoas.

“O processo de saúde tem que estar diretamente relacionado à educação e à assistência como um todo. A ação foi muito além do que apenas imunizar contra a Covid-19, mas uma oportunidade única de ensinar aos parentes a importância de proteção contra o coronavírus”, contou o assessor da área de Saúde Indígena da Sesacre, Vanderson Brito.

Diagnóstico Social

De acordo com a técnica para assuntos indígenas da SEASDHM, Andréia Guedes, em 2021 foi realizado um diagnóstico social das famílias indígenas que vivem em Brasileia, o qual constata que 90% das famílias se recusam a tomar a vacina.

“O motivo são as inúmeras fake news que existem. Pensando nisso, Sesacre e SEADHM entraram em parceria para tentar fazer algo para amenizar essa situação, uma vez que há essa rejeição à imunização, em decorrência de todo um contexto histórico”, explicou Andréia Guedes.

O discurso dos profissionais foi voltado à conscientização, utilizando-se de estratégias como o diálogo com lideranças indígenas, criando um vínculo para que pudessem baixar a guardar. Foto: Taís Nascimento/Sesacre

Em razão disso, o discurso dos profissionais foi voltado à conscientização, utilizando-se de estratégias como o diálogo com lideranças indígenas, criando um vínculo para que pudessem baixar a guardar.

“O governo do Estado adquiriu cestas básicas diferenciadas para a população indígena, e resolvemos atrelá-las à questão da vacinação, pois entendemos que a maioria trabalha como autônomo e, às vezes, a vacina dá reação em algumas pessoas e a cesta básica irá ajudar, caso sinta efeitos adversos”, destacou Andréia Guedes.

Betânia Jaminawa recebendo sua primeira dose da vacina contra a Covid-19. Foto: Taís Nascimento/Sesacre

Betânia Jaminawa chegou um pouco desconfiada e não queria receber a sua dose contra a Covid-19. Passados alguns minutos, observando que os demais parentes estavam indo se vacinar, ela criou coragem e reconheceu a importância de “pegar a vacina”, como dizem.

“Depois eu me animei porque remédio dá força, né? E porque chega a doença e ataca forte, e a gente passa mal se a enfermidade chegar. Se não pegarmos a vacina, pioramos, né? Então, melhor pegar vacina para ficar melhor”, enfatizou Betânia Jaminawa, que recebeu a primeira dose do imunizante contra a Covid-19.

Equipes do Estado e Município. Foto: Taís Nascimento/Sesacre

De acordo com o secretário de finanças de Brasileia, Tadeu Hassem, que esteve representando a prefeita, o município tem dificuldade em realizar a vacinação da população indígena que reside na área urbana.

“Então, quero agradecer em nome da prefeita, Fernanda Hassem, por estarem nos ajudando nesse momento, fazendo além, doando a cesta básica completa, no sentido de ajudá-los. O objetivo é fazer mais ações como essa e completar o ciclo de vacinação dos indígenas de Brasileia”, apontou Tadeu Hassem.

Comentários

Geral

Covid-19: Acre registra 310 casos nesta quinta-feira

Publicado

em

O Acre registrou 310 novos casos de infecção por coronavírus nesta quinta-feira, 20 de janeiro. O número de infectados subiu para 91.781 em todo o estado.

Até o momento, o Acre registra 261.772 notificações de contaminação pela doença, sendo que 169.843 casos foram descartados e 148 exames de RT-PCR seguem aguardando análise do Laboratório Central de Saúde Pública do Acre (Lacen). Pelo menos 86.731 pessoas já receberam alta médica da doença, sendo que 27 seguiam internadas até o fechamento deste boletim.

Os dados da vacinação contra a covid-19 no Acre podem ser acessados no Painel de Monitoramento da Vacinação, disponível no endereço eletrônico: http://covid19.ac.gov.br/vacina/inicio. As informações são atualizadas na plataforma do Ministério da Saúde (MS), ficando sujeitas a alterações constantes, em razão das informações inseridas a partir de cada município.

Até o fechamento deste boletim, das oito pessoas internadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into-AC), quatro não tomaram nenhuma dose dos imunizantes contra covid-19, uma tomou apenas uma dose e três tomaram duas doses da vacina.

Nenhum óbito foi registrado nesta quinta-feira, 20 de janeiro, fazendo com que o número oficial de mortes por covid-19 permaneça 1.854 em todo o estado.

Comentários

Continue lendo

Geral

Justiça do Acre obriga Estado a fornecer canabidiol para tratamento de criança autista

Publicado

em

A 1ª Turma Recursal (TR) do Sistema de Juizados Especiais manteve sentença que condenou o Estado do Acre ao fornecimento da substância canabidiol a uma criança com transtorno do espectro autista grave, que comete auto agressões constantes, nem apresentou melhora clínica com uso de diversos remédios tradicionalmente utilizados nos tratamentos.

A decisão, de relatoria do juiz de Direito Anastácio Menezes, acompanhada por unanimidade pelos demais membros do órgão recursal, considerou que não há motivos para acolher o recurso apresentado pelo Ente Público, devendo a sentença ser mantida pelos próprios fundamentos.

Entenda o caso

A sentença combatida foi lançada pelo Juízo da Fazenda Pública da Comarca de Sena Madureira, que entendeu que a utilização da substância se faz necessária no caso, sendo dever constitucional do Estado prover os meios necessários para o tratamento e recuperação da saúde do paciente.

O Estado, por sua vez, apresentou recurso junto à 1ª TR, pedindo, em síntese, o afastamento da decisão e, secundariamente, a não aplicação de multa diária pelo não cumprimento da obrigação no prazo determinado na sentença.

Sentença mantida

Para o juiz de Direito relator, os argumentos lançados pelo Ente Público para revogação da decisão não merecem acolhida, pois o autor, comprovou, por meio de laudo, “a necessidade de disponibilização do medicamento para melhor qualidade de vida, haja vista ser portador de Transtorno do Espectro Autista Grave, com auto agressão constante, ansiedade e hiperatividade, sem melhora clínica após tentativa de uso de diversos fármacos tradicionalmente prescritos”.

O magistrado relator também ressaltou que “estando o caso (…) relacionado à saúde, bem que merece ser tutelado e demanda maior urgência, (mostra-se) inviável o afastamento da decisão guerreada”. “Tampouco merece guarida a tese de necessidade de afastamento/redução da multa diária (…), por se mostrar adequada às peculiaridades do caso concreto, uma vez comprovada a extrema necessidade de uso do medicamento para viabilizar existência digna ao agravado, que não pode ser submetido à espera por tempo indeterminado.”

Dilação de prazo

Por outro lado, o relator entendeu ser necessária a dilação do prazo de cumprimento da decisão para 30 (trinta) dias, considerando “o caráter recente e excepcional da autorização de importação de produtos à base de cannabis para uso medicinal, de forma que o lapso de 10 (dez) dias, além de exíguo (insuficiente), não reflete a complexidade para obtenção do fármaco, que ainda não integra os protocolos do SUS”.

Comentários

Continue lendo

Geral

Coreia do Norte ameaça retomar testes nucleares

Publicado

em

Ameaça ocorreu durante reunião liderada por Kim Jong-un

A Coreia do Norte ameaçou hoje (20) retomar testes nucleares e de mísseis balísticos de longo alcance, em reunião do gabinete político sob a liderança de Kim Jong-un.

Pyongyang não realizou quaisquer ensaios nucleares de mísseis balísticos de longo alcance desde 2017, dando prioridade ao diálogo com os Estados Unidos (EUA). O líder norte-coreano encontrou-se três vezes com o então presidente norte-americano, Donald Trump.

Desde a fracassada Cúpula de Hanói, de 2019, entre os dois líderes, as negociações ficaram estagnadas.

A Coreia do Norte rejeitou todas as ofertas de diálogo, enquanto retomava testes, como o lançamento de mísseis hipersónicos.

Os EUA impuseram, na semana passada, novas sanções a Pyongyang.

“Política hostil e ameaça militar dos EUA atingiram limiar perigoso que já não pode ser ignorado”, disse a agência oficial da Coreia do Norte KCNA.

Por essa razão, a reunião do gabinete político do comitê central do Partido dos Trabalhadores determinou que seja examinada rapidamente a questão do reinício” de todas as atividades que foram objeto de moratória.

O possível recomeço dos testes nucleares e balísticos ocorre em momento sensível para a região, com eleições presidenciais marcadas para março na Coreia do Sul e na China, o único grande aliado da Coreia do Norte e que se prepara para acolher os Jogos Olímpicos de Inverno em fevereiro.

Desde a posse do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, há um ano, Pyongyang rejeitou várias propostas de diálogo apresentadas pela administração norte-americana.

Comentários

Continue lendo

Em alta