Para o presidente da República, a divulgação de dados que apontam o crescimento do desmatamento da Amazônia prejudicam as relações internacionais e o processo de negociação internacional do Brasil.

Do Bncamazonas e a Crítica

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) assegurou a recuperação da BR-319 será executada no Governo dele, apesar da escassez de recursos. Disse que com a criação de um gabinete de ministérios técnicos será possível asfaltar a rodovia que liga Manaus a Porto Velho, num trecho do meio de 400 quilômetros.

“A BR-319 será asfaltada, apesar do país destruído economicamente e com orçamento minguado”, destacou Bolsonaro ao se referir a estrada de mais de 800 quilômetros de extensão. Ressaltou que seu governo tem interesse em atender a todas as regiões, “porque trabalhamos para o Brasil”.

A garantia da obra foi dada na mesa dos trabalhos do Conselho de Administração da Suframa (CAS), nesta quinta-feira, dia 25, onde deu início à análise de projetos industriais para a região. Ele cumpriu agenda em Manaus.

O presidente também declarou que os números sobre questões ambientais e o desmatamento da Amazônia “por vezes mentem e são exagerados”. Na avaliação do presidente, as estatísticas de preservação ambiental não correspondem à realidade.

“O Brasil é um país que mais preserva. Tem um País na Europa que não tem um por cento de suas florestas preservadas. Nós queremos preservar o meio ambiente, mas não podemos entrar na psicose ambiental. Nós precisamos investir no Brasil e casar o desenvolvimento com a preservação ambiental. Pra mim, números por vezes mentem e são exagerados. Isso devemos evitar”, declarou em coletiva de imprensa, após cerimônia de entrega de medalhas a estudantes amazonenses que participaram da Olimpíada Internacional Matemática Sem Fronteiras 2019 (OIMSF).

Bolsonaro criticou a presença de integrantes de ONGs internacionais na estrutura governamental do Estado. Para o presidente da República, a divulgação de dados que apontam o crescimento do desmatamento da Amazônia prejudicam as relações internacionais e o processo de negociação internacional do Brasil.

“Nós não podemos ter órgãos do governo, como ainda temos, aparelhados com pessoas que ainda tem fidelidade a ONGs internacionais. Então esses dados servem para alguém lá na ponta da linha ficar feliz e nos prejudicar nas relações que temos com o mundo. Estamos avançando no Mercosul, com os Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão”, disse Bolsonaro.

“Nós duvidamos que os dados sejam verdadeiros. Essa decisão de checar os dados estão nas mãos dos Ministros do Meio Ambiente, Ricardo Sales, e da Ciência e Tecnologia, astronauta Marcos Pontes. Não temos medo da verdades. Dados jogados pra cima para fazer onda e oba-oba não procedem. Não podemos admitir isso”, afirmou Bolsonaro.

Comentários