Em resolução política editada no 4º Congresso Estadual do PSOL do Acre, realizado no último sábado, 2, em Rio Branco, no auditório da Assembleia Legislativa do Estado do Acre, o diretório do Partido Socialista afirma que “assim como o ciclo do lulo-petismo dá sinais de esgotamento, evidenciado com as grandes jornadas de luta de junho, o cenário local caminha no mesmo sentido, com o definhamento político inevitável dos irmãos Viana, que comandam o estado há 15 anos, ao estilo dos tiranos e coronéis da Velha República”.

De acordo com o documento, o autoritarismo é sentido de forma clara em uma imprensa submissa e mera reprodutora de notícias oficiais e na tentativa de desmoralização de desafetos políticos que tentam desafiar ou ousam pensar diferente da família remanescente da Ditadura Militar.

A resolução destaca ainda que o PT no Estado do Acre está em processo de desidratação e encontra grande dificuldade para ganhar as eleições a cada ano, como em 2010 e 2012, além da pior votação proporcional de Dilma entre os estados brasileiros.

Confira a Resolução na Integra:

RESOLUÇÃO POLÍTICA DO IV CONGRESSO ESTADUAL DO PSOL ACRE SOBRE A CONJUNTURA LOCAL E PAPEL DA ESQUERDA SOCIALISTA

psol-verticalAssim como o ciclo do lulo-petismo dá sinais de esgotamento, evidenciado com as grandes jornadas de luta de junho, o cenário local caminha no mesmo sentido, com o definhamento político inevitável dos irmãos Viana, que comandam o estado há 15 anos, ao estilo dos tiranos e coronéis da Velha República.

O autoritarismo é sentido de forma clara em uma imprensa submissa e mera reprodutora de notícias oficiais e na tentativa de desmoralização de desafetos políticos que tentam desafiar ou ousam pensar diferente da família remanescente da Ditadura Militar.

Embora com grande poderio econômico, pressão sobre os funcionários públicos e marketing impecável, o PT dos irmãos Viana está em processo de desidratação e encontra grande dificuldade para ganhar as eleições a cada ano, como em 2010 e 2012, além da pior votação proporcional de Dilma entre os estados brasileiros.

Manobras absurdas, motivadas por interesses escusos, foram feitas pelos irmãos Viana e seus asseclas para atropelar a vontade popular que decidiu pela retomada do antigo fuso horário local, interrompido por um projeto de lei arbitrário levado ao Senado por Tião Viana sem consultar a população previamente.

Para completar, uma operação da Polícia Federal trouxe a lume a podridão que há muito tempo permeia os cofres e as contas púbicas–envolvendo até um sobrinho do governador–, herança maldita que vem desde quando a velha oposição governava, ao seu modo, com falência de bancos, salários atrasados e desvio de donativos.

Apesar de gabar-se aos quatro cantos de que foi o responsável pelo desmantelamento do crime organizado, o PT não age diferente de seus desafetos, dos quais o ex-deputado do PFL Hildebrando Pascoal. A ausência de critérios técnicos para indicação de cargos no Poder Judiciário, as ligações suspeitas de seus membros e a indiferença do Ministério Público nos remetem a uma época que queremos esquecer.

Como um partido de esquerda e feminista, o PSOL não pode furtar-se de prestar toda a solidariedade às desembargadoras Denise Bonfim e Cezarinete Angelim, as quais cumpriram com seu dever constitucional e enfrentaram sem medo o aparelhamento que tomou conta do Estado. São reprováveis e inaceitáveis os achincalhamentos públicos e os preconceitos machistas vindos de quem deveria justamente combatê-los.

A Aleac, por sua vez, mais aparenta ser uma extensão do Poder Executivo. Tomada por deputados conservadores e desconhecedores de seu papel, aprova projetos sem, ao menos, analisar. O próprio presidente da Casa, um dinossauro da política, nunca fez um discurso, desconhecendo que a palavra “parlamento” vem de “parlare”, que significa falar, discursar. Já os parlamentares de oposição têm limitação por causa da ideologia de seus partidos, pelo distanciamento das necessidades populares e por despreparo.

É de se censurar também um pastor-deputado, aliado de primeira hora do “Governo da Floresta”, que despreza a cultura indígena com impropérios de “atrasados”, “destruidores da “moral”, “infanticidas” e “preguiçosos”, demonstrando que a onda conservadora, principalmente da direita religiosa, que toma conta do cenário político é perigosa para o avanço dos direitos das minorias oprimidas.

Nos 25 anos que lembramos a morte de Chico Mendes, homem a quem nosso partido tem como referência na luta dos trabalhadores da Amazônia, na preservação ambiental e na reforma agrária, os seringueiros continuam abandonados e subjugados, as madeireiras estão auferindo altos lucros e a nossa floresta tornando-se mercadoria, pensamento compartilhado também pela sindicalista Dercy Teles, companheira que orgulhosamente integra o nosso partido e esteve ao lado de Chico Mendes nos empates.

Tornar Chico Mendes patrono do capitalismo verde, sabendo-se de seus ideais, é um grave desrespeito à sua imagem e biografia, ainda mais quando observamos que o modelo de desenvolvimento em curso é financiado pelo grande capital por meio de empréstimos de bancos internacionais, colocando em risco nosso patrimônio natural.

Os serviços ambientais, entre os quais o mercado de carbono, são uma séria ameaça à soberania nacional, comprometem a sobrevivência dos seringueiros e violam os territórios dos povos indígenas. A candidatura de Marina Silva representa este modelo que espolia as populações tradicionais, privatiza a natureza e mercantiliza a vida.

Nos movimentos sociais, o engessamento, o peleguismo e a cooptação de lideranças deixam marcas profundas e prejudicam a luta dos trabalhadores, estudantes, indígenas, homossexuais e associações comunitárias. É necessário louvar a resistência de muitas organizações sociais e líderes que atuam com autonomia e enfrentam o autoritarismo.

Destaque-se neste meio o Movimento Acorda Educação, que esteve à frente da última greve dos professores e desmoralizou entidades tradicionais como Sinteac e CUT, conhecidas por defender os interesses de seus dirigentes e do establishment político. Muito nos orgulha a filiação no PSOL do companheiro Waldir França, que, a despeito das fraudes e extraordinária estrutura das chapas do PC do e PT, alcançou uma significativa votação para a diretoria do Sinteac.

Aproximando-se as eleições de 2014, as forças políticas tradicionais já estão se movimentando, mas sem nenhum objetivo ou perspectiva de melhorar a vida dos cidadãos. Ao contrário, buscam atender às vaidades de seus dirigentes e visam aos privilégios que advêm do poder. De um lado, a Frente Popular do Acre administra um Estado à beira do colapso, composta por partidos da direita, fisiologistas e nanicos, além de aliados outrora “satanizados” e combatidos com todo o ardor.

De outro lado, há uma oposição ranzinza, corrupta e ultrapassada. Seus líderes, ex-políticos levados ao ostracismo político e ex-condenados por crimes diversos, articulam-se com o intento de suceder a família Viana e, surpreendentemente, vêm recebendo expressivo apoio nas urnas, por falta de alternativas e pelo desgaste do PT.

O levante que reuniu cerca de 50 mil pessoas nas ruas de Rio Branco trouxe um acalento aos que, por diversos motivos, tinham perdido a esperança ou não enxergavam um horizonte na política local. Mesmo com viés moralista, nacionalista e antipartidário, a manifestação chamou a atenção dos meios de comunicação, das autoridades, e possibilitou o protagonismo da juventude nas discussões políticas, livre das amarras.

A esquerda socialista do Acre, representada pelo PSOL, reafirmando sua oposição ao PT e rejeitando os partidos da velha direita, deve defender as bandeiras de junho, ocupar os espaços institucionais, construir uma alternativa de esquerda para 2014 e consolidar-se nos movimentos sociais. O novo momento pelo qual passa o PSOL, que cresce incrivelmente por todo o país, só fortalece nossa luta em defesa dos trabalhadores, passe livre, reforma política, ética na política, direitos das minorias e oprimidos historicamente, ecossistemas e dos serviços públicos com qualidade.

Dessa maneira, convidamos todos os movimentos sociais, forças progressistas e militantes da esquerda para que se juntem ao PSOL na construção de um amplo movimento político que propugne por um Acre forte, igualitário e livre.

Rio Branco- Acre, 02 de novembro de 2013

PARTIDO SOCIALISMO E LIBERDADE

Comentários