Conecte-se conosco

Geral

Em reunião na Fieac, Petecão fala da preocupação com a falta de incentivo do governo à indústria acreana

Publicado

em

O senador Sérgio Petecão se reuniu com empresários para debater pautas de interesse da indústria do Acre. Os industriários apresentaram os principais problemas de cada setor e discutiram soluções. Os empresários pedem para que as políticas públicas tenham um olhar diferente para a região Norte, que sofre por estar distante dos grandes centros comerciais do país. Estiveram presentes na reunião representantes do setor de construção civil, cerâmico, confecção, moveleiro, extração mineral, gráfica, produtos alimentares, panificação e confeitaria, além do representante de construções de estradas, pavimentação e obras de terraplenagem.

José Adriano, presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), destacou a importância de valorizar os produtos locais. “Nós precisamos priorizar o que é processado nesse estado. Aquilo que é industrializado aqui, tem que ser internalizado o máximo possível, porque assim fazemos a movimentação da economia por meio da geração do emprego para as famílias do nosso estado”, destacou.

Adriano falou ainda do importante papel da construção civil para o desenvolvimento da região. “Nós entendemos que são necessárias políticas públicas para internalização de todos os recursos que este estado consegue trazer do governo federal, nós estamos falando de investimento em obras públicas, que vai fomentar a economia de todas as formas porque a construção civil irradia e diversifica a distribuição dessa renda em outros setores”, afirmou.

Em sua fala, Adriano destacou a preocupação com a manutenção da BR-364, estrada que liga todas as regionais do estado e, atualmente, se encontra com vários trechos precisando de restauros. “Ela, com certeza, dá uma condição de logística, principalmente da matéria prima para todos nossos industriários, que estão distribuídos por esse estado”, expôs o presidente da Fieac.

Petecão reafirmou o compromisso com as demandas apresentadas. “Nós não temos outra saída, senão gerar emprego aqui no estado. A indústria local precisa de incentivo, porque são elas que fazem o dinheiro circular. A concorrência com empresas de fora é desleal, não podemos falar de desenvolvimento se o dinheiro continua saindo do estado. São os empresários daqui que geram emprego”, afirmou o parlamentar.

O senador falou, também, da importância em aquecer o setor da construção civil, com projetos que estimulem o pequeno, médio e grande empresário. “O setor da construção civil é de fundamental importância porque consegue movimentar vários outros setores do comércio. O nosso estado, infelizmente, depende do dinheiro público, justamente, por não fortalecer a iniciativa privada. O atual governo já mostrou a falta de compromisso com o setor. Enquanto parlamentar, preciso evitar que mais empresas fechem suas portas. Por isso, estou aqui para escutar os setores e ajudar a construir caminhos que fortaleçam nossos empresários”, concluiu.

Comentários

Geral

Jovem de 19 anos morre vítima de capotamento em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Nicole Santos de 19 anos, é o nome da jovem que morreu vitima de um acidente de transito na madrugada deste Domingo, 16, na Vila São Pedro, no município de Cruzeiro do Sul.

O veiculo capotou por varias vezes após perder o controle. De acordo com informações de populares, havia seis pessoas no veiculo, uma era Nicole, que foi arremessada para fora do veiculo devido a força do impacto, das outras cincos pessoas, quatro foram encaminhada para o Hospital do Juruá. Um ficou internado com ferimentos graves e três foram liberados após a analise.

Cruzeiro do Sul presencia neste ocorrido a terceira morte por acidente de transito neste ano de 2022.

Comentários

Continue lendo

Geral

Acusado de atropelar e matar bancário ganha liberdade provisória em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

O servidor público de Mâncio Lima, Verônico Ferreira de Negreiros, conhecido como Einha, acusado de matar atropelado o bancário Gerlando Mendes na última sexta-feira, 14, em Cruzeiro do Sul, foi liberado da prisão em flagrante na tarde desse sábado, 15,  durante audiência de custódia. A juíza Adamarcia Machado concedeu a liberdade provisória, mas suspendeu o direito do homem dirigir e determinou o recolhimento domiciliar  noturno, entre outras medidas.

Einha, que é  chefe da limpeza pública do município de  Mâncio Lima, dirigia o carro da prefeitura e chegava a Cruzeiro do Sul quando aconteceu o acidente. Ele se evadiu do local sem prestar socorro à vitima e foi preso em flagrante na casa de um irmão pelo delegado José Obetânio, horas depois do fato já em Mâncio Lima.

Um vídeo mostra o momento do acidente no início da Rodovia AC-405.   Dirigindo um caminhonete Amarok, Verônico  ultrapassa um caminhão e pega a moto do bancário de frente matando o homem na hora.

A assessoria de comunicação da prefeitura de Mâncio Lima lamentou o fato, se solidarizou à família e disse que daria toda a assistência necessária à família de Gerlando e que vai colaborar com a apuração dos fatos.

Comentários

Continue lendo

Geral

Empresa das urnas eletrônicas foi multada por fraude nos EUA?

Publicado

em

Mensagens reproduzem texto com informação sobre a empresa americana Diebold, que já forneceu urnas eletrônicas para  eleições no Brasil 

Urna eletrônica produzida pela empresa Diebold, usada em eleições passadas
EVARISTO SÁ/AFP

Do R7

O ano de eleições chega e as informações relacionadas a urnas eletrônicas voltam. Um texto publicado nos primeiros dias deste ano se transformou em mensagem que vem sendo muito compartilhada. Ela traz a informação de que a empresa Diebold foi multada em cerca de 50 milhões de dólares pelo governo dos Estados Unidos, “por subornar funcionários na Rússia, na Indonésia e na China e fraudar programação das urnas eletrônicas e de caixas eletrônicos”.

A empresa, cujo nome é Diebold Nixdorf, tem sede nos Estados Unidos e atuação em todo mundo e foi por muitos anos a responsável pela produção das urnas eletrônicas utilizadas em várias eleições passadas no Brasil.

O texto que vem sendo compartilhado nestas mensagens foi publicado no site pessoal de Jacqueline Noronha, uma influenciadora digital de Cuiabá, que tem mais de 50 mil de seguidores no Instagram e é formada em Fonaudiologia, Estética e Cosmetologia, segundo a descrição que consta no site. A data no texto é do último dia 9.

A denúncia é parcialmente verdadeira, mas é antiga. Não se sabe porque a influenciadora decidiu divulgar a informação agora, mas o caso é de 2013. A Diebold foi acusada pela Securities and Exchange Commission (SEC) de violar a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior ao subornar funcionários de bancos estatais da Rússia, Indonésia e China para que os bancos comprassem caixas eletrônicos produzidos pela empresa. A SEC é um órgão equivalente à Comissão de Valores Mobiliários(CVM) no Brasil.

Além do processo ser antigo, ele não tem nenhuma relação com fraudes em urnas eletrônicas, como diz o texto publicado no site de Jaqueline Noronha. O processo tem relação apenas com a venda de caixas eletrônicos(ATMs, como são chamados nos Estados Unidos). A Diebold Nixdorf afirma ser líder mundial em caixas eletrônicos instalados.

Além de suborno, a acusação contra a Diebold também inclui denúncia de falsificação de documentos para encobrir os pagamentos de propinas. Os  funcionários dos bancos estatais daqueles países, que tinham responsabilidade de escolher a empresa fornecedora dos caixas eletrônicos dos bancos em que trabalhavam, eram beneficiados com viagens de lazer bancadas pela Diebold.

A empresa tinha a prática de pagar viagens em troca de licitações. Na China e na Indonésia, a Diebold gastou cerca de US$ 1,75 milhão em presentes para altos funcionários de bancos estatais, para influenciar suas decisões de compra. De acordo com a SEC, esses presentes incluíam viagens a lugares como Disneyland, Las Vegas, Paris e Bali que foram reservados como “treinamento” ou outras despesas comerciais legítimas.

A empresa fez um acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para pagar uma multa de 25,2 milhões de dólares. Para a SEC, a Diebold pagou outros 22,9 milhões de dólares para encerrar o processo. Como parte do acordo, a empresa aceitou fazer uma revisão completa de suas práticas corporativas e se submeter a um monitoramento de 18 meses, feito por uma entidade independente.

Em nota ao MonitoR7, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), responsável por todo o processo eleitoral, afirmou que a empresa prestou serviço à Justiça Eleitoral na fabricação de nove modelos de urnas eletrônicas entre 1999 e 2016. Os modelos são 2000, 2004, 2006, 2008, 2009, 2010, 2011, 2013 e 2015.

“Para isso, cumpriu rigorosas regras estipuladas em editais que estão disponíveis no portal do TSE, não tendo nenhum fato, nesse período, que desabonasse o trabalho da empresa” afirma a nota do TSE.

Todas as empresas selecionadas pelo TSE em licitações públicas desenvolvem a urna a partir do projeto de arquitetura de segurança feito pela equipe técnica do próprio tribunal. Isso quer dizer que todo o projeto da urna eletrônica brasileira e do sistema eletrônico de votação é “concebido e supervisionado inteiramente pela Justiça Eleitoral” como afirma a nota.

O TSE afirma que o sistema eletrônico de votação do Brasil utiliza meios próprios e criptografados de comunicação e transmissão de dados, não tendo nenhum contato com redes públicas, como a internet. De acordo com a nota, “o sistema foi reiteradamente testado e comprovadamente isento de quaisquer formas de manipulação, de fraude na totalização de votos ou de quebra do sigilo do voto”.

Por fim, o TSE aponta que, na época, questionou a Diebold e recebeu a resposta de que “ela atuou proativamente no caso e estava colaborando com as investigações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos e que estava fechando um acordo financeiro”.

O MonitoR7 tentou contato com Jacqueline Noronha para esclarecer as informações publicadas no texto e que são reproduzidos na mensagem viralizada. Porém, até o momento da publicação desse texto, não houve retorno por parte da influenciadora digital.

Portanto, é falsa a informação de que empresa que fabrica as urnas eletrônicas foi multada por fraude. A empresa, que não é a responsável atual pela fabricação das urnas usadas pelo tribunal, foi multada por outras acusações, envolvendo suborno de funcionários de bancos estatais da Rússia, Indonésia e China, em processos relacionados à compra de caixas eletrônicos.

O TSE nega que o processo envolvendo a empresa Diebold nos EUA tenha colocado em cheque a segurança da urna eletrônica criada, desenvolvida e projetada no Brasil, por profissionais do próprio TSE e sob supervisão estrita do tribunal.

Ficou em dúvida sobre uma mensagem de aplicativo ou postagem em rede social? Encaminhe para o MonitoR7, que nós checamos para você (11) 9 9240-7777

É fake que empresa que fabrica as urnas eletrônicas foi multada por fraude

É fake que empresa que fabrica as urnas eletrônicas foi multada por fraude Reprodução/Arte R7

Comentários

Continue lendo

Em alta