O secretário estadual de Infraestrutura e Transportes, Thiago Caetano, fez uma visita técnica ás obras da ponte do Madeira, na manhã de ontem(16), e constatou que dessa vez, as obras estão dentro do cronograma.

Ao lado de engenheiros das Arlete e da Eneicil, as duas empresas que executam os serviços, o repertório do governo do Acre, depois de atestar que faltam apenas oitenta e quatro metros para unir uma ponta a outra, não teve dúvidas em afirmar: “O isolamento do Acre está com os dias contados”, garantiu.

O otimismo de Caetano se confirma com a previsão de entrega da obra, marcada para setembro desse ano, depois de três previsões frustradas

Baseiam ainda essa previsão, os serviços de conclusão das duas cabeceiras, que devem ser iniciados em junho e concluídos em no máximo noventa dias

“Estamos com todo o projeto dentro do cronograma, aguardando apenas a liberação da última parcela dos recursos para finalizar os serviços. Mesmo a obra nunca tendo parado, tivemos atrasos sim, mas os serviços em nenhum momento foram suspensos”, garantiu o engenheiro Fernando Martins, responsável pelo canteiro de obras.

Carro chefe do programa de desenvolvimento do estado, o agronegócio depende quase que exclusivamente da conclusão e entrega da ponte. É pela hidrovia do Madeira, em Porto Velho, que as empresas do agronegócio pretendem exportar as futuras safras. Hoje, com o transporte em Balsas, fica inviável explorar esse ramo, por causa dos custos da viagem. Com a ponte funcionando, o transporte de grãos ganha em agilidade e redução de custos.

“Não tem como falar em agronegócio semana entrega dessa ponte. O governador Gladson Camelí, quem foi um dos entusiastas desse projeto continua acompanhando e defendendo essa conclusão. Hoje nós dividimos as tarefas. Ele está em Brasília em busca de recursos e me designou para vir acompanhar de perto o andamento dos serviços. Estamos a poucos meses de testemunhar um ato histórico que vai tirar o Acre definitivamente da fila de espera”, disse Thiago Caetano.

Investimento de R$ 153 milhões

Iniciada em setembro de 2014, a obra foi orçada inicialmente em R$111 milhões. Com ajustes no projeto e a construção dos acessos, o pacote total de investimentos do governo federal vai atingir os R$ 153 milhões. Aliás, quando o assunto é números da ponte do Madeira impressionam.

Quando concluída, a obra terá consumido quatro mil toneladas de cimento, vinte e quatro mil metros cúbicos de ferro. Cento e sessenta operários iniciaram na obra, que atualmente é executada por oitenta e cinco trabalhadores. As pilastras principais possuem cinquenta e oito metros de profundidade para 1.084 metros de extensão.

Segundo cálculos feitos pela Arteleste, no período do verão, o ponto mais alto da ponte vai atingir 38 metros; no inverno essa altura cai para 25 metros.

Com pista dupla, pela ponte, segundo previsão da empresa, devem passar pelo local cerca de mil veículos.

Por Jairo Barbosa para o oaltoacre.com

 

Comentários