Conecte-se conosco

Acre

Em Xapuri, moradores denunciam queima de resíduos de madeira em Polo Moveleiro

Publicado

em

Imagens Ac24Horas

A queima de resíduos de madeira em uma das marcenarias do Polo Moveleiro de Xapuri tem sido motivo de reclamações de moradores das imediações do chamado Parque Industrial do município. O fogo no pó de serra produz intensa fumaça e é difícil de ser apagado, gerando riscos de incêndio, como ocorreu recentemente em Sena Madureira.

O fato também preocupa com relação ao risco de o fogo se espalhar pela vegetação que circunda o local onde o Polo Moveleiro está instalado, por conta do período propício às queimadas tanto na zona urbana quanto na rural.

A respeito do problema, o proprietário do grupo Torno e Arte Madeira, Aldenor Ferreira da Silva, que possui uma marcenaria no polo, afirmou em uma publicação feita via rede social que existe uma grande dificuldade no descarte dos resíduos de madeira usada na fabricação de móveis.

De acordo com o empresário, maneiras adequadas têm sido buscadas para resolver a situação, com o uso de tratores e caminhões-caçamba custeados com recursos próprios. Segundo ele, “nunca houve nenhum interesse claro do poder público em solucionar tal questão”.

Sobre o fogo, que se originou no último domingo, 11, e permanece ativo por quase uma semana, Aldenor Ferreira explicou que o fato foi acidental. Ele disse que uma pessoa que foi identificada pelas câmeras de segurança jogou uma bituca de cigarro no chão quando recolhia pó de serra para benefício próprio originando a queima do material.

Militares do Corpo de Bombeiros estiveram no local averiguando a situação, mas, segundo o empresário, eles informaram que não é possível apagar o fogo naquele tipo de material com o uso de água. A informação foi confirmada pela comandante da corporação no município, a tenente Marcela Sopchaki.

De acordo com o secretário, Josué Ferreira da Secretaria Municipal de Infraestrutura de Xapuri, a prefeitura não dispõe de condições, em razão da alta demanda de serviços, de fazer a retirada dos resíduos do polo moveleiro.

Ainda segundo o secretário, também não é atribuição do município a retirada do material produzido pelas marcenarias, não havendo nenhum tipo de acordo ou tratativa para isso, o que o leva a considerar que é de obrigação de cada um dos marceneiros cuidar do descarte de suas respectivas marcenarias.

A reportagem também entrou em contato com o secretário municipal de Meio Ambiente e Turismo, Juscelino Facundo, mas ele não respondeu até o fechamento desta matéria.

Risco de fogo

Até o momento, Xapuri não está entre os municípios acreanos com os maiores registros de focos de queimadas no Acre. De janeiro até a metade de julho, foram detectados apenas 11 focos, sendo 7 no mês atual. Com 30 focos de queimadas, Brasiléia é o primeiro colocado no estado, segundo os dados do Inpe.

Comentários

Acre

Redução das queimadas até 7 de agosto é de 53% no Acre, segundo dados do Inpe

Publicado

em

Por Raimari Cardoso

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) divulgou, na semana passada, nota comemorando a queda nos focos de queimadas no Brasil no primeiro semestre do ano.

Segundo o MMA, somados, “os biomas apresentaram queda de, aproximadamente, 3,5% em relação ao mesmo período de 2021”.

A queda, de acordo com a pasta ambiental, deveu-se aos esforços do Governo Federal no combate aos incêndios e no aumento do efetivo de brigadistas.

No Acre, a redução, de acordo com os dados do programa Queimadas, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), é de 53%. São 491 focos detectados neste ano, até 7 de agosto, contra 1.061 do ano passado.

No entanto, o período mais seco do ano para a maioria dos biomas brasileiros, como Amazônia, Pantanal, Mata Atlântica e Caatinga, quando há maior número de queimadas, é compreendido entre agosto e novembro.

No Acre, em 2021, os meses de agosto, setembro e outubro somaram, respectivamente, 3.185, 3.982 e 1.118 focos de queimadas.

Até o momento, os municípios acreanos com os maiores registros de queimadas são: Feijó (107 – 28% do total); Tarauacá (54 -11% do total); Rio Branco (37 – 7,5% do total); Xapuri (37 – 7,5% do total); e Manoel Urbano (34 – 6,9% do total).

A Reserva Extrativista Chico Mendes é a Unidade de Conservação Federal com o maior índice – são 43 focos, o que corresponde a 64,2% do total. Em seguida estão as Reservas do Alto Juruá, com 11 focos de queimadas e do Cazumbá Iracema, com 8 focos.

Comentários

Continue lendo

Acre

MPAC acompanha instalação de Casa de Acolhida para migrantes em Brasileia e Epitaciolândia

Publicado

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da Promotoria de Justiça Cível de Brasileia, participou nesta quinta-feira, 4, de agenda com o Ministério Público Federal (MPF), a Defensoria Pública do Estado do Acre (DPE/AC), Secretaria de Estado de Assistência Social, Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SeasDHM) e os Municípios de Brasileia e Epitaciolândia, na qual foram pactuadas as responsabilidades para dar início ao funcionamento de uma Casa de Acolhida para migrantes, refugiados e apátridas.

Na reunião, o MPAC foi representado pelo promotor de Justiça Juleandro Martins de Oliveira, que também é membro do Grupo de Atuação Especial em Contextos Migratórios (Gaemig) do MPAC.

“A municipalização do acolhimento institucional de migrantes, refugiados e apátridas na região Alto Acre é um dos objetivos do Projeto Cidadania sem Fronteira, que objetiva fortalecer a rede de proteção social dessa parcela da população em situação de vulnerabilidade”, explicou o promotor Juleandro Martins de Oliveira.

A iniciativa vem ao encontro dos objetivos pactuados em um Termo de Acordo Extrajudicial (TAE), firmado entre o MPAC e as instituições supramencionadas, visando a municipalização do acolhimento institucional de migrantes, refugiados e apátridas.

Na ocasião, foram definidas as responsabilidades quanto a manutenção da Casa de Acolhida por parte das prefeituras responsáveis, bem como a definição das equipes técnicas que irão atuar em seu funcionamento. Foi pactuado, ainda, que a Casa de Acolhida inicie suas atividades na próxima semana.

Ana Paula Pojo – Agência de Notícias do MPAC

Comentários

Continue lendo

Acre

MPAC e instituições avançam na elaboração de fluxo de atendimento a migrantes em Brasileia e Epitaciolândia

Publicado

em

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da Promotoria de Justiça Cível de Brasileia, realizou nos dias 4 e 5 de agosto, uma oficina técnica para avançar na elaboração de um fluxo de atendimento para migrantes, refugiados e apátridas, nos municípios de Epitaciolândia e Brasileia.

A oficina foi coordenada pelo promotor de Justiça Juleandro Martins de Oliveira, que também é membro do Grupo de Atuação Especial em Contextos Migratórios (Gaemig) do MPAC. O evento teve o apoio do Centro de Apoio de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania (Caop DDHC) e foi realizado no auditório da Promotoria de Justiça de Brasileia.

“Foi mais um avanço para a política migratória no Alto Acre, pois cada instituição envolvida pôde dar sua contribuição para a elaboração do fluxo, que está sendo construído considerando as peculiaridades da região”, disse o promotor de Justiça.

O MPAC trabalha para fortalecer o diálogo interinstitucional e definir estratégias de atuação integrada que permitam avançar na implementação de uma política de proteção social aos migrantes, refugiados e apátridas na região do Alto Acre.

Comentários

Continue lendo

Em alta