Conecte-se conosco

Brasil

Entenda por que cientistas ainda estudam se a Covid-19 surgiu em laboratório

Falta de clareza sobre origem do novo coronavírus favorece teoria de que doença surgiu em laboratório; especialistas dizem que são necessários mais estudos

Publicado

em

Falta de clareza sobre origem da Covid-19 favorece teoria de que doença teria surgido em laboratório
Foto: Getty Images (Westend61)

Análise de Zachary B. Wolf - CNN

Os Estados Unidos estão mais perto do que nunca de superar a Covid-19, com metade do país vacinado e mais restrições retiradas.

Mas estamos longe de saber como esse vírus, que fez o mundo parar, surgiu – o que é muito assustador, já que há sugestões crescentes de que ele não ocorreu apenas naturalmente, como muitos especialistas, há muito tempo, argumentam.

Os EUA, com cada vez mais urgência, estão pedindo mais estudos, alertando sobre os riscos de futuras pandemias e considerando mais abertamente a ideia de que erros ou um acidente em um laboratório chinês causaram a pandemia do novo coronavírus. O governo chinês diz que o caso está encerrado.

O que há de novo?

Um relatório da inteligência dos EUA apontou que vários pesquisadores do Instituto de Virologia Wuhan da China adoeceram em novembro de 2019 e tiveram que ser hospitalizados, um novo detalhe sobre a gravidade de seus sintomas.

Não está claro se os pesquisadores contraíram Covid-19 e o laboratório negou veementemente o relatório, dizendo que é uma mentira forçar a chamada teoria do vazamento de laboratório como a origem da doença.

Cientistas afiliados ao instituto disseram anteriormente que não entraram em contato com a Covid-19 até 30 de dezembro.

Na verdade, os Estados Unidos forneceram algum financiamento para o estudo dos coronavírus e sua transmissão por morcegos, que chegaram ao Instituto de Virologia de Wuhan.

Relatório de inteligência dos EUA apontou que vários pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan adoeceram em novembro de 2019 – Foto: Reuters

No Capitólio, na terça-feira (25), o médico Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas, disse que teria sido um “abandono do dever” não financiar pesquisas do coronavírus em morcegos na China.

“Você não quer estudar morcegos em Fairfax County, na Virgínia, para descobrir qual é a interface humano-animal que pode levar a um salto de espécies”, disse Fauci, acrescentando que os EUA têm que ir “para onde está a ação. ”

Separadamente, na Casa Branca, Fauci disse que muitos cientistas ainda acreditam que a doença ocorreu naturalmente, mas também é imperativo chegar ao fundo dessa teoria com mais investigações.

Um conselheiro da Organização Mundial de Saúde (OMS), Jamie Metzl, disse que a teoria do vazamento de laboratório é possível enquanto os cientistas estão “cutucando e estudando” vírus com a boa intenção de desenvolver vacinas.

“Então eu acredito que o que possivelmente aconteceu foi um vazamento acidental seguido por um encobrimento criminal”, disse Metzl, que foi funcionário do governo de Bill Clinton no Departamento de Estado dos EUA e é membro sênior do Conselho do Atlântico.

Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA, também disse esta semana que não está convencido de que a doença ocorreu naturalmente e pressionou por mais investigações. Esse é o destaque aqui: é preciso haver mais investigação.

Versão oficial sobre a origem da Covid-19 não é boa o suficiente

Um estudo aprofundado realizado pela OMS com o governo chinês, publicado em março, explorou diferentes origens possíveis da doença e concluiu que, embora ainda não fosse possível comprovar como a doença evoluiu, era provável que tenha sido transferida para humanos diretamente de morcegos, ou mais provavelmente de uma espécie intermediária que o pegou dos morcegos e depois o passou para os humanos.

O relatório da OMS argumentou que a teoria do vazamento de laboratório era “extremamente improvável”, embora citasse a falta de trabalhadores de laboratórios infectados antes de dezembro como um argumento contra a teoria.

Mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan, apontado pela China como origem dos casos do novo coronavírus – Foto: CNN

O relatório da inteligência dos EUA, agora, sugere que trabalhadores de um laboratório adoeceram antes de dezembro.

Além disso, mesmo quando foi publicado, os funcionários da OMS pediram investigação adicional e abertura por parte dos chineses.

Acobertamentos no início

No início do surto, sobre o qual a China não avisou apropriadamente o mundo, as autoridades chinesas atribuíram a transmissão a um ponto de acesso inicial, um mercado de frutos do mar em Wuhan, embora agora isso pareça ser essencialmente uma mentira, de acordo com Metzl.

Na verdade, há ampla evidência de que o governo chinês tentou encobrir a existência do vírus. Em fevereiro, a CNN publicou uma reportagem com informações de que denunciantes alertaram sobre o vírus quando ele estava se espalhando e foram punidos por isso. Alguns desapareceram, outros foram detidos pelas autoridades chinesas, enquanto outros contraíram e morreram de Covid-19.

Essa reportagem inclui um cronograma de advertências de médicos na China em comparação com a inércia do governo.

“Seja qual for a origem da pandemia, aquele primeiro mês em que a China estava gastando toda a sua energia tentando encobrir as coisas, em vez de resolver o problema, foi que permitiu que o fogo em um fogão se transformasse em um incêndio na cozinha para, depois, se tornar um incêndio doméstico até chegar a um indêncio mundial”, disse Metzl.

A China não está disposta a se submeter a uma investigação aberta; insistiu em parâmetros estritos para o estudo anterior da OMS. O governo dos EUA e outros criticaram a falta de transparência e a OMS também pediu mais estudos. O governo Biden voltou a ingressar na OMS depois que Donald Trump retirou os EUA da organização global de saúde.

Necessidade de mais estudos

Um grupo de cientistas proeminentes com experiência relevante criticou o relatório da OMS por não levar a teoria do vazamento de laboratório a sério o suficiente – ele foi descartado em algumas páginas de um relatório de várias centenas de páginas.

“Devemos levar a sério as hipóteses sobre as repercussões naturais e laboratoriais até que tenhamos dados suficientes”, escreveram os cientistas na Science Magazine.

As portas fechadas também ajudaram as teorias da conspiração a crescer. Quanto mais evidências houver para a teoria do vazamento de laboratório, mais ela valida pessoas como o senador republicano do Arkansas Tom Cotton, que defendeu a ideia de que o vírus foi criado intencionalmente como uma arma biológica.

Não há evidências que apoiem especificamente essa afirmação e os especialistas ainda dizem que é uma teoria improvável. O jornal Washington Post publicou uma análise de como as questões – levantadas por republicanos como Cotton, bem como por membros do governo Trump, e agora do governo Biden – levaram a uma reavaliação das origens da doença, que não foram definitivamente rastreadas.

O médico Paul Offit, um especialista em doenças infecciosas da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia, disse ao Wolf Blitzer da CNN que era improvável que o laboratório de Wuhan tivesse manipulado o vírus para torná-lo mais contagioso usando a pesquisa controversa de ganho de função, mas que isso precisa ser esclarecido.

Isso vai acontecer de novo

Embora as autoridades chinesas não estejam dispostas a permitir tal investigação aberta, Offit disse que o mundo precisa dela para se proteger contra outra pandemia.

“O que eu sei é que eles têm que permitir isso”, disse Offit. “Esta é agora a terceira cepa pandêmica que se destacou nos últimos 20 anos. A primeira foi a SARS 1, a segunda foi a MERS. Acho que podemos presumir que não terminamos com isso [os coronavírus].”

E ele continuou: “Precisamos saber disso [contaminações por coronavírus] no minuto em que acontecer. Quer dizer, é injusto que tenhamos que contar com um denunciante na China para nos dizer que havia um vírus circulando em Wuhan que estava matando pessoas. Isso atrasou as coisas. Não nos deu a chance de agirmos tão rapidamente quanto precisávamos e eu acho que eles são culpados por isso.”

Comentários

Brasil

TJ-RJ rejeita denúncia contra Flávio Bolsonaro em investigação sobre rachadinhas

Publicado

em

MP-RJ pediu o arquivamento do processo, na semana passada, após anulação de provas em instâncias superiores

Justiça arquivou denúncia contra Flávio Bolsonaro

O Órgão Especial do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro) decidiu rejeitar a denúncia contra o senador Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas nesta segunda-feira (16).

Na semana passada, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) já havia pedido o arquivamento do processo após provas da investigação terem sido anuladas pelo STJ  (Superior Tribunal de Justiça) e pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Flávio Bolsonaro, seu ex-assessor Fabrício Queiroz e outras 15 pessoas foram alvo de ação que apurou crimes como peculato, lavagem de dinheiro, organização criminosa e apropriação indébita, segundo o TJ-RJ.

O caso conhecido como rachadinhas investigou um suposto esquema de desvio de salários no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro, no Rio, com base no relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) que apontou movimentações suspeitas do ex-assessor Fabrício Queiroz.

A tese acolhida pela relatoria é que a denúncia se baseou em informações que o STJ considerou, posteriormente, terem sido obtidas de forma ilícita. O entendimento é que não há mais elementos que justifiquem a acusação. No entanto, a rejeição da denúncia por falta de justa causa não impede o retorno das investigações.

A advogada Luciana Pires, que representa o senador Flávio Bolsonaro, disse em nota que a defesa entende que “o caso está enterrado”.

“O STJ já havia anulado todas as provas. A defesa entende que o caso está enterrado, e, caso haja qualquer desdobramento, serão tomadas as medidas judiciais cabíveis”, declarou Luciana.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Mulher fica com as sobrancelhas horrorosas após procedimento de microblading dar errado

Publicado

em

Crystal Weinstock disse ter pago cerca de R$ 2.230 pela técnica e que sua filha, de 3 anos, ficou horrorizada ao ver o resultado

Crystal Weinstock já está tentando reverter o procedimento
Reprodução/Instagram

Crystal Weinstock, de 37 anos, ficou horrorizada ao ver o resultado da sessão de microblading que fez na sobrancelha. Ao Daily Mail, a técnica em odontologia disse que os dois filhos se assustaram quando a viram pela primeira vez. Ela pagou 440 dólares, cerca de R$ 2.230, pelo procedimento.

“Eu estava pensando em fazer microblading nas sobrancelhas há algum tempo. Como uma mãe ocupada, sei que preencher as sobrancelhas diariamente leva muito tempo e achei que a técnica me ajudaria com isso. Eu nunca, em um milhão de anos, poderia imaginar que elas poderiam ficar desse jeito. Foi horrível. Quando minha filha de 3 anos me viu no dia seguinte, ela ficou assustada e apavorada”, contou.

Crystal disse que a primeira sessão foi feita em novembro do ano passado, porém, devido ao sangramento, a sessão foi interrompida e o pigmento não grudou. “Eu estava tão animada por ter sobrancelhas perfeitas e não ter que me preocupar em fazê-las eu mesma. Me mostraram uma foto de como minhas sobrancelhas ficariam depois e eu adorei. Então, em dezembro, voltei para minha segunda sessão.”

“O sangramento aconteceu novamente, mas desta vez continuamos esperando que o pigmento ficasse. Saí da consulta feliz com a aparência delas, mas infelizmente não durou porque o pigmento não grudou na minha pele”, explicou.

A técnica em odontologia contou que só conseguiu voltar ao estabelecimento para a próxima sessão no fim de abril, quando foi informada sobre “melhorias” que fizeram em relação ao procedimento. Segundo Crystal, ela foi questionada sobre o tamanho das sobrancelhas e disse que não queria nada grande. “Eu disse que só queria que minhas sobrancelhas fossem preenchidas em vez de ficarem maiores. Tive certeza de que não ficariam muito grossas. Eu estava de ótimo humor e mal podia esperar para ver minhas sobrancelhas”, contou.

Depois de algum tempo, ela percebeu que a maquiadora estava levando muito tempo para realizar a sessão e que algo não parecia como de costume. “No final da sessão, ela me olhou e me disse para eu não surtar. Quando dei aquela primeira olhada no espelho, não pude acreditar em meus olhos. Foi horrível”, contou.

Crystal alegou que lhe disseram que ficaria melhor quando o inchaço diminuísse. Mas na manhã seguinte ela acordou e suas sobrancelhas não pareciam melhores do que na noite anterior. “Minha filha entrou no meu quarto para me acordar e ficou muito assustada. Ela começou a surtar. Eu vi o medo nos olhos da minha filha, e meu coração se quebrou. Eu estava tentando manter a calma e fazer algumas pesquisas sobre como eu poderia consertá-las, mas fiquei mortificada.”

Por fim, ela disse que já está fazendo sessões para remover o pigmento. “Talvez eu precise fazer tratamento a laser. Pode levar até um ano para resolver o problema. Algumas das linhas mais grossas parecem estar diminuindo, mas ainda são aparentes”, completou.

Comentários

Continue lendo

Brasil

Alunos de medicina que estudam fora do país receberiam até R$ 5 mil para serem ‘mulas’ de traficantes estrangeiros, diz delegado

Publicado

em

Por

Valor é oferecido para transportar cocaína, skank e ‘maconha gourmet sabor limão’ do Paraguai e da Bolívia em malas até o Brasil. Polícia investiga esquema de cooptação de alunos, que seriam usados como ‘mulas’. Dois estudantes foram presos ao chegar em São Paulo.

Denarc, no Bom Retiro, em São Paulo — Foto: Reprodução/Google Maps

Alunos de medicina brasileiros que estudam fora do país receberiam até R$ 5 mil de traficantes estrangeiros, principalmente Paraguai e Bolívia, para transportarem drogas em malas ao retornarem ao país de origem para visitar familiares.

Há um ano, a Polícia Civil de São Paulo investiga esse esquema de cooptação de estudantes, que são usados como ‘mulas’.

“Estamos investigando há mais de um ano a informação de que traficantes estão arregimentando brasileiros estudantes de medicina em outros países vizinhos como ‘mulas’, como são chamadas as pessoas que são pagas para transportar as drogas”, disse ao g1 o delegado Fernando Santiago, titular da 4ª delegacia da Dise.

De acordo com a investigação, a escolha de alunos de medicina por traficantes demonstra que os criminosos estão selecionando pessoas aparentemente livre de quaisquer suspeitas.

“Alguns brasileiros que estudam no exterior e são cooptados por traficantes de fora, que veem vantagens nisso, já que os alunos costumam viajar com certa frequência ao Brasil para ver suas famílias. Numa dessas vindas, acabam trazendo drogas com eles”, explicou o delegado.

Segundo os investigadores, dois alunos foram presos ao chegar em São Paulo. Eles confirmaram a existência de um esquema de tráfico internacional de drogas que oferece dinheiro a brasileiros que cursam medicina no exterior.

A prisão de um aluno de 24 anos ocorreu em fevereiro deste ano e, na última quarta (11), a polícia prendeu uma aluna de 29 anos, que desembarcou no Terminal Rodoviário da Barra Funda, Zona Oeste da capital paulista.

Ainda de acordo com os agentes, ela disse informalmente que um traficante boliviano lhe prometeu R$ 5 mil para levar 12 kg de Skank (maconha potencializada) até São Paulo.

A droga transportada pela estudante estava em 36 embalagens dentro de uma mala rosa. De acordo com o Denarc, o entorpecente apreendido era uma maconha gourmet, nome dado a ervas geneticamente modificadas com sabores.

No caso dela, havia um aroma de limão. Nota característica da maconha conhecida como Super Lemon Haze (névoa de super limão em tradução livre). A estudante também foi responsabilizada criminalmente por tráfico de drogas.

Super Lemon Haze (névoa de super limão, numa tradução livre do inglês para o português) é uma maconha gourmet que é consumida principalmente por pessoas com alto poder aquisitivo em festas privadas em São Paulo — Foto: Divulgação/Polícia Civil

De acordo com o Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), os brasileiros recebem os entorpecentes nos países vizinhos, depois atravessam a fronteira com o Brasil de ônibus, entrando pelo Mato Grosso (MT) ou Mato Grosso do Sul (MS). E desses estados seguem para São Paulo.

Segundo a investigação, no começo do ano, o jovem preso confessou que um traficante paraguaio ofereceu a ele R$ 4 mil para transportar 3kg de cocaína pura dentro de uma mala preta.

O dinheiro seria pago ao aluno de medicina por um traficante brasileiro assim que ele desembarcasse com a droga na rodoviária de São Paulo.

Ao chegar, ele foi surpreendido por policiais civis da 4ª Delegacia da Divisão de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) do Denarc.

Apesar de confessar o tráfico, crime pelo qual foi indiciado, o rapaz se recusou a dizer os nomes dos traficantes que o aliciaram. A droga que ele transportava foi apreendida.

Cocaína estava escondida na mala de estudante de medicina — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Segundo o estudante preso em fevereiro, o destino da cocaína e do skank seriam diferentes.

“A cocaína seria levada para alguma ‘biqueira’ para depois ser misturada a outros produtos químicos. E aumentando o seu volume seria revendida aos usuários por R$ 18 o quilo”.

“Já o skank é destinado a um público com maior poder aquisitivo. Um grama dele é vendido por R$ 80 em festas privadas”, explicou o delegado.

Por conta da possibilidade de haver tráfico internacional de drogas, o delegado informou que que comunicou à Polícia Federal (PF) as prisões dos dois estudantes de medicina.

“Como temos informações de que esses jovens foram aliciados no exterior, a competência de atuação para investigar crimes fora do Brasil já não é nossa. Então passamos para quem pode fazer isso, que é a PF”, falou Fernando.

Os presos não tiveram seus nomes divulgados pelo Denarc.

Comentários

Continue lendo

Em alta