Conecte-se conosco

Cotidiano

Especialistas ressaltam atenção à saúde emocional dos alunos no retorno às aulas

Publicado

em

Retorno às atividades presenciais ainda em meio à pandemia vai exigir que redes de ensino saibam acolher as crianças e adolescentes também do ponto de vista socioemocional

Mais do que a adoção de protocolos sanitários seguros, os gestores da educação de todo o País vão ter um desafio adicional na volta às aulas presenciais, que vai ocorrer em boa parte dos estados a partir de agosto: o acolhimento às crianças afastadas do ambiente escolar por causa da pandemia da Covid-19.

Silvia Lima, gerente de projetos do Instituto Ayrton Senna e especialista em Formação de Educadores, destaca que além do trabalho de recuperação do conteúdo pedagógico atrasado, os profissionais de educação e pais ou responsáveis devem dar atenção especial à saúde emocional dos alunos.

“É fundamental olhar para o desenvolvimento e para a saúde mental dos estudantes. Olhar com carinho, realizar um acolhimento desses estudantes, de modo que eles possam se sentir seguros. É fundamental estarmos atentos às competências socioemocionais. Para além do cognitivo, os gestores precisam ficar bastante atentos e, ao pensar nesse retorno, realizar ações, um planejamento com intencionalidade que olhe para esses aspectos”, destaca.

Diálogo

Segundo Rafael Parente, PhD em educação pela Universidade de Nova York e ex-secretário de educação do Distrito Federal, é importante que os pais ou responsáveis passem segurança às crianças antes do retorno às atividades presenciais. A volta às aulas, ele diz, deve ser transmitida como um processo prazeroso, onde as vantagens são postas em destaque.

“É importante que a gente converse bastante com as crianças e com os jovens também sobre a importância da escola, sobre como a escola é um ambiente bom, bacana, prazeroso, como é importante aprender, rever os amigos, poder conhecer coisas novas, poder crescer e sobre o prazer da aprendizagem”, indica.

Ainda durante o período de aulas exclusivamente remotas, Hanney Telles Passos conta que se preocupou em manter um diálogo franco com o filho, Thiago, estudante do oitavo ano, sobre o momento que o País enfrentava.

Para a empresária, isso foi fundamental para que o jovem estivesse mais preparado para o retorno presencial à escola. “No início, ele se mostrou bem preocupado. No entanto, não percebemos que, emocionalmente, ele tenha sentido tanto. Creio que, por estarmos acompanhando e conversando sobre todo o processo, o retorno se deu de forma bem tranquila”, relata.

Gestores municipais de educação priorizam busca ativa de estudantes e suporte aos diretores, diz estudo da Undime

Gestores têm novas orientações para gastos dos recursos da Lei Aldir Blanc

Prevenção a Covid-19 é ampliada nas escolas do país

Acolhimento

Para as escolas que ainda não voltaram com as atividades presenciais, há exemplos espalhados pelo País de como o acolhimento emocional aos estudantes pode ser conduzido. O Colégio Presbiteriano Mackenzie Brasília, por exemplo, entendeu que era importante estabelecer, fortalecer e acompanhar a saúde socioemocional dos alunos, conta Sandra Mara Ferrari, orientadora pedagógica.

A iniciativa tem como chave a empatia, de apoio mútuo dentro da comunidade escolar, o que está ao alcance de todas as escolas. “O acolhimento nesse momento é muito difícil, pois ele não pode ser acompanhado de um toque, mas a gente pode fazer o excelente uso da comunicação não-verbal através de um olhar atento, de uma escuta respeitosa, de um tom de voz mais brando, de um gesto afetuoso, até mesmo de uma expressão na fisionomia que possa ultrapassar o distanciamento e o uso de máscaras”, exemplifica.

Integração

Os especialistas ouvidos pela reportagem também foram unânimes ao apontar que o diálogo entre pais e responsáveis com professores e demais profissionais da comunidade escolar é fundamental para facilitar a reintegração das crianças à rotina de aulas.

Ferrari destaca que a escola buscou contato com as famílias e trabalhou em conjunto a resolução de conflitos que surgiram durante o processo de retomada. “Nós não somos de times opostos, somos todos em prol da saúde, tanto física e emocional como também intelectual do nosso aluno. Então, prioritariamente nós tivemos uma escuta atenta e uma comunicação eficiente e eficaz com os pais”, diz.

Segundo Silvia, o período de interrupção das aulas presenciais mostrou que a parceria entre escola e pais ou responsáveis pelas estudantes deve aumentar.  “A gente identificou neste período de isolamento que uma parceria que já era entendida como importante se tornou ainda mais necessária, que é essa maior integração e comunicação entre escola e a família”, diz.

A gerente de projetos do Instituto Ayrton Senna dá algumas dicas de ações que as escolas podem implantar com o objetivo de fortalecer essa interação.

  • Reuniões com os pais, em que eles possam trazer dicas e contribuições de como a escola pode acolher os estudantes;
  • Promover oficinas em que os pais possam debater questões relacionadas à volta às aulas e acolhimento dos alunos;
  • Valer-se do apoio da comunidade local em que a escola está inserida.

Em relação ao último aspecto, a especialista explica que o estado emocional dos estudantes ao chegar às turmas é incerto e algumas escolas podem não estar preparadas para lidar com o assunto. “Muitas vezes a escola não tem competência técnica ou especialistas para ajudar ou dar conta de resolver esses desafios. Então, [é bom] contar com equipamentos públicos e com organizações parceiras para contribuir com o desenvolvimento e aprendizagem do estudante”, recomenda.

A iniciativa não precisa, necessariamente, partir da escola em direção aos pais ou responsáveis. Esses também podem dar o primeiro passo, como Hanney, mãe do estudante Thiago. “Sempre me preocupei em manter uma relação muito próxima com os professores e a escola no acompanhamento do processo de aprendizado e cumprimento das atividades propostas. Mesmo durante o período de aulas remotas, o que facilitou o processo ao retorno presencial”, acredita.

Atenção especial

O retorno às aulas presenciais tende a ser um desafio maior quanto mais novos são os alunos, dizem especialistas. O choro e a tristeza no momento de despedida dos pais são mais comuns entre os pequenos. Nessas horas, as famílias devem estabelecer uma comunicação adequada com as crianças, explica Parente.

“É importante dar nome aos sentimentos da criança e dizer ‘olha, eu entendo que você esteja com medo, receoso de ficar sozinho na escola, mas você vai estar com a sua professora, com adultos que vão cuidar de você, vão olhar pelo seu bem-estar, ver se você está precisando de alguma coisa. Então, não se preocupe porque você vai ficar aqui por um período e depois nós estaremos juntos novamente’, exemplifica.

Silvia ressalta que os familiares podem se antecipar e tornar a volta das crianças à escola menos abrupta, com menor estranhamento. “Nós estamos há uma semana do retorno das aulas. Os pais já podem começar, no dia a dia, ajudando os seus filhos na organização dos materiais, por exemplo, indicando para eles que as aulas vão voltar, que terão a oportunidade rever os professores, os colegas, ajudando-os na rotina de horários de dormir, de se organizar”, conclui.

Fonte: Brasil 61

Comentários

Cotidiano

Domingo (23) será com céu nublado a encoberto e possibilidade de chuva a qualquer hora em todo o Acre

Publicado

em

Por

Já na capital e demais regiões do estado o sol ainda aparece entre muitas nuvens e ocorrem pancadas de chuva com trovoadas entre a tarde e a noite.

A instabilidade aumenta sobre o Acre neste domingo (23) por conta da intensificação do fluxo de umidade sobre o estado. Para este dia a previsão é de céu nublado a encoberto com possibilidade de chuva a qualquer hora do dia nas cidades do oeste acreano.

Já na capital e demais regiões do estado o sol ainda aparece entre muitas nuvens e ocorrem pancadas de chuva com trovoadas entre a tarde e a noite.

Confira as temperaturas em todas as regiões:

 

Alto Acre

 

Em Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia e Xapuri, as temperaturas oscilam entre a mínima de 21°C e a máxima de 31ºC.

Baixo Acre

 

Mínima de 22°C e máxima de 31ºC são as temperaturas registradas em Acrelândia, Bujari, Capixaba, Plácido de Castro, Porto Acre, Senador Guiomard e Rio Branco.

Vale do Juruá

 

Já em Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e Rodrigues Alves os termômetros ficam entre 21ºC e 28°C.

Vale do Purus

 

Em Manoel Urbano, Santa Rosa do Purus e Sena Madureira faz entre 22º C e 30°C.

Vale do Tarauacá/Envira

 

Por fim, em Feijó, Jordão e Tarauacá a variação de temperatura fica entre a mínima de 22°C e a máxima de 28°C.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Diretora do PS informa a sociedade sobre atribuições do hospital em relação ao atendimento do COVID19 e nomeia Médica Deinviane para melhor atender a população

Publicado

em

A Drª Carolina Pinho, Diretora Geral do Pronto-Socorro de Rio Branco procurou a reportagem do site Na Hora da Notícia, neste sábado, 22, para informar a população sobre as atribuições da unidade de saúde e para que a população não busque o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB) como referência do COVID 19, informou ainda que nomeou mais uma Médica, a Drª Deinviane Medeiros para assumir a diretoria técnica clínica do Hospital, para melhor atender à sociedade.

A Diretora destacou que a baixa cobertura vacinal contra Influenza e o relaxamento dos cuidados com a COVID19 parecem contribuir sobremaneira para esse atual cenário que vivemos, já que ambas são doenças virais e apresentam disseminação de forma semelhante.

Sobre os atendimentos no Pronto-Socorro de Rio Branco, Carolina pediu a sociedade para que as pessoas com esses sintomas da gripe e COVID19, não procurem o Pronto-Socorro, uma vez que os hospitais de referência para estes atendimentos são o INTO, UPAs e URAPs, e que o Pronto-Socorro recebe apenas pacientes com urgência e emergência.

“Orientamos que as pessoas não procurem o Pronto-Socorro por sintomas gripais leves e moderados, pois a unidade é referência para doenças graves como insuficiência respiratória grave, infarto e AVC, mas a demanda de pacientes com tosse, dor de cabeça e nariz entupido está absurdamente grande no Pronto-Socorro; a quantidade de atendimentos de usuários com quadro gripal vêm crescendo geometricamente. Mesmo com a orientação de procurar as UPAs e URAPs, a população prefere o PS; inclusive quando o profissional da triagem orienta que o atendimento de ficha verde e azul pode demorar horas, o usuário se nega a buscar atendimento em outra unidade”, disse a Diretora.

Carolina Pinho informou ainda que, o fluxo de pessoas buscando atendimento por causas leves no PS sempre contribui de forma negativa no atendimento de outras enfermidades; frisou ainda que os atendimentos em unidades de urgência e emergência obedecem a ordem de classificação do paciente de acordo com os sintomas e/ou sinais vitais, visando minimizar o tempo até o atendimento médico daqueles pacientes com quadros graves e que ameacem a vida. Assim, os quadros leves e mais crônicos, demoram mais a ser atendidos, geralmente sendo classificados como azul ou verde. Os quadros mais críticos, que trazem sofrimento, dor aguda e/ou ameaçam a vida são classificados em vermelho e laranja. E os quadros classificados em amarelo são aquelas condições agudas mas que não ameaçam a vida. Peço cordialmente a toda população que busque uma unidade de referência”. Concluiu.

👉 Reforço Médico

Para reforçar o atendimento no Pronto de Rio Branco a Drª Carolina informou a reportagem da nomeação da Médica Deinviane Medeiros que estar sendo um destaque na capital Acreana, sendo reconhecida por seu excelente trabalho desenvolvido pelos pacientes que são atendidos pela mesma no Pronto Socorro de Rio Branco.

Deinviane foi nomeada neste dia 18/01/2021 pela diretora geral ao cargo de diretora técnica clínica do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB) para desenvolver com mais precisão seu trabalho magnífico, pelo grande reconhecimento da profissional e credibilidade exercida em parceria com a Sesacre .

A Médica Deinviane já possui experiência como diretora técnica onde exerceu sua função no hospital de Xapuri no ano de 2019 e 2021, exercendo seu talentoso trabalho no hospital Epaminondas Jácome onde a Sesacre tem conhecimento do belíssimo trabalho que a médica prestou e desenvolveu naquela unidade deixando o hospital com um setor de emergência ampliado em estrutura física e dando mais qualidades de serviços à população.

Desde a sua chegada ao Pronto-Socorro de Rio Branco a maior referência do Estado, a competente Médica Deinviane Medeiros, vêm sendo uma profissional excelente buscando sempre a direção da Drª Caroline Roque e da diretora de assistência Thaís Salomão, que relataram a reportagem do site que a Médica Deinviane Medeiros vêm sempre solucionando muitos problemas na unidade de saúde de uma forma positiva, somando o crescimento e melhor qualidade de serviços prestados a população.

A reportagem entrou em contato com a Médica Deinviane que nos respondeu de uma forma muito positiva.

“Encarei o desafio e acredito que o HUERB é de uma complexidade maravilhosa onde tem um corpo médico clínico com profissionais excelentes, magníficos e que são reconhecidos em todo o estado. Acredito que essa parceria será bem desenvolvida para o bem da população acreana, que tando necessita. Estou aqui para somar e conto com o carinho e confiança de todos, ao qual os mesmos são um espelho para o meu crescimento profissional”, disse a Médica.

Por fim, Deinviane, ainda agradeceu a Secretária de Saúde, Paula Mariano, ao governador Gladson Cameli e a direção do Pronto-Socorro que estão com ela neste incrível desenvolvimento de buscas por melhor servi a população acreana.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Humilhada nas redes, jovem se forma vendendo batatinha frita

Publicado

em

Bevalyne Kwamboka acabou sendo ridicularizada, mas deu a volta por cima se formando professora (à direita) Foto: Arquivo Pessoal

Uma jovem humilhada nas redes sociais por vender batatinha frita para conseguir bancar os estudos deu a volta por cima e mostrou o resultado do esforço. Mais do que sustentar a família, Bevalyne Kwamboka conquistou o tão sonhado diploma de professora.

A queniana chegou a ser ridicularizada e recebeu diversos comentários negativos após divulgar nas redes sociais a venda das batatas que ela faz, usando vestidos justos e curtos e com a mão nas frituras.

Aquilo que seria uma forma de chamar atenção acabou virando motivo de piada. Ela sofreu muito com as críticas, mas não desistiu.

Sustento

Bevalyne estudava para ser professora e a melhor forma que encontrou para progredir e pagar seus estudos foi vendendo batatas à tarde, já que ela e seus pais estavam em situação de pobreza.

E foi justamente graças ao pequeno negócio que eles conseguiram se sustentar durante todo esse tempo.

A jovem frequentava a escola de manhã e à tarde instalou o negócio debaixo de uma ponte para vender suas batatas.

Bevalyne usou as redes sociais para promover o negócio e tentar aumentar as vendas.

Mas o resultado não foi o que ela esperava. Embora ela estivesse muito orgulhosa do esforço, as pessoas criticaram a maneira como ela divulgava as vendas.

Bevalyne admitiu que chorou ao ver tantos comentários de ódio. Em entrevista à TV47, ela disse que aquelas piadas realmente a machucaram.

Mas ela persistiu e, após quatro anos, Bevalyne finalmente se formou em dezembro de 2021 no  curso de Magistério.

Volta por cima

Depois da conquista a jovem fez um post no Twitter. Ela agradeceu todo o apoio recebido e disse que se orgulha de usar o capelo em seu estande de batatas, como forma para comemorar este lugar tão importante para sua história.

Muitos usuários a parabenizaram e continuaram escrevendo palavras de incentivo. Eles reconheceram que, sem dúvida, todo o esforço de Bevalyne valeu a pena e sua história é muito inspiradora.

Um dos elogios reconhece o fato de que, apesar das críticas e de todo o desânimo que recebeu, ela conseguiu o diploma universitário graças à venda de batatas fritas, uma forma honesta de sustentar a família e alcançar o grande sonho.

A estudante queniana vendia batatas para sustentar a família Foto: Arquivo Pessoal

A estudante queniana vendia batatas para sustentar a família Foto: Arquivo Pessoal

Com informações do Nation

Comentários

Continue lendo

Em alta