Conecte-se conosco

Cotidiano

Estrada da Variante de Xapuri é de responsabilidade estadual, diz Bira

Publicado

em

Naquela ocasião, foram anunciados R$ 140 milhões em obras de infraestrutura para a regional do Alto Acre, dos quais R$ 25 milhões foram para a Variante.

O prefeito de Xapuri, Ubiracy Vasconcelos, reagiu à afirmação de Petrônio Antunes e sustentou a posição de que a estrada é de responsabilidade do estado

Por Raimari Cardoso

Em Xapuri, existe uma discussão antiga sobre se a responsabilidade pela manutenção da Estrada da Variante, também conhecida como Estrada do Café, uma das duas ligações da cidade com a BR-317 (a outra é a Estrada da Borracha) pertence ao governo do estado ou ao município.

Há décadas, os investimentos realizados na estrada têm ocorrido por meio de parcerias entre as duas esferas administrativas, mas ela é considerada pelo município como uma rodovia estadual, a exemplo da Estrada da Borracha. No último fim de semana, o diretor-presidente do Departamento de Estradas de Rodagem (Deracre), Petrônio Antunes, negou que seja assim.

Em fevereiro deste ano, quando fez o anúncio de investimentos para a regional do Alto Acre, Petrônio Antunes se referiu à estrada como rodovia AC-308. Naquela ocasião, foram anunciados R$ 140 milhões em obras de infraestrutura para a regional do Alto Acre, dos quais R$ 25 milhões foram para a Variante.

Com a presença do governador Gladson Cameli, os investimentos foram anunciados em um ato pomposo, em Brasiléia, com a presença de todos os prefeitos da regional. Os recursos destinados à Estrada da Variante são para as obras de asfaltamento do que o estado considera como apenas um ramal e o município rodovia estadual.

No entanto, em reportagem do portal G1 Acre, do último domingo, o diretor-presidente do Deracre disse que o que existe a respeito da rodovia AC-308 é que ela está apenas projetada para ser feita e que o projeto está na Caixa Econômica Federal para ser aprovado e a obra licitada até o meio do ano.

“Os ramais são de responsabilidade da prefeitura, porém, há uma parceria para a ação de reparo e o órgão disponibiliza duas equipes para atender os municípios. A gente apoia, mas todo ramal é de responsabilidade da prefeitura”, reforçou Antunes.

A manifestação do diretor-presidente do Deracre se deu quando foi questionado sobre um incêndio ocorrido no último sábado (27) em uma das pontes localizadas na estrada. O ato pode ter sido feito por moradores da região, em protesto pelas péssimas condições em que se encontra a via de acesso a muitas comunidades rurais de Xapuri. Das oito pontes que existem ao longo da estrada, seis estão em ruínas. As outras duas são de concreto armado.

O prefeito de Xapuri, Ubiracy Vasconcelos, reagiu à afirmação de Petrônio Antunes e sustentou a posição de que a estrada é de responsabilidade do estado. Ele prometeu procurar documentos que comprovam isso, mas disse que a discussão não é mais importante que a necessidade de se recuperar a estrada que é uma das mais importantes do município.

“Nós estamos trabalhando nela nesses últimos quatro anos na tentativa de manter o tráfego, pois existe uma parceria sim, mas a responsabilidade é mesmo da esfera estadual. A propósito, quando o senador Marcio Bittar destinou os recursos que foram anunciados para o asfaltamento da estrada, não nos consultaram sobre o assunto, demonstrando que ali é uma AC”, disse o prefeito.

Bira Vasconcelos disse ainda que o município e o governo do estado mantêm parcerias também para a manutenção e limpeza da Estrada da Borracha, o principal acesso a Xapuri, que também é estadual. Segundo ele, os dois casos representam responsabilidades do governo que o município apoia, e não o contrário.

A Estrada da Variante

Em dezembro de 2019, o senador Marcio Bittar anunciou a aprovação dos recursos para o asfaltamento da Estrada da Borracha no Orçamento Geral da União (OGU) para o ano de 2020, junto como o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), então presidente do Senado e do Congresso Nacional, que acabara de visitar o Acre.

O asfaltamento da estrada é um sonho antigo da população de Xapuri, especialmente dos que vivem e produzem ao longo de seu curso. Tendo passado por diversas obras de recuperação ao longo dos anos, em nenhuma ocasião os serviços tiveram qualidade suficiente para que a rodovia voltasse a ter tráfego normal como ocorria há cerca de 20 anos.

Com cerca de 18 quilômetros, a estrada corta um dos mais antigos projetos de assentamento do INCRA, o loteamento Aquidaban, um pedaço de terra de mais de 7.500 hectares, que pertencia ao Estado do Acre. A região foi repassada ao Instituto de Colonização e Reforma Agrária, em 23 de outubro de 1974, pelo então governador Francisco Wanderley Dantas, através do decreto nº 554 de 23/10/74.

A estrada dá acesso a diversas comunidades rurais do município, entre elas o Polo Agroflorestal da Variante, um projeto que destinou um pedaço de terra para famílias que viviam na periferia da cidade, numa tentativa de inverter o êxodo rural. É por ela que os produtores de duas comunidades importantes escoam seus produtos até a cidade: Morro Branco e Ribeiracre.

Além disso, a Variante também é usada como corredor para os moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes que saem dos seringais Albrácia e Palmari. A única alternativa existente para essas populações chegarem até Xapuri é a navegação pelo rio Acre, solução hoje adotada apenas em casos de extrema necessidade, em razão da distância e dificuldade oferecidas pela viagem de barco.

Comentários

Cotidiano

Meia do Rio Branco-AC que teve mal súbito após jogo da Série D passa bem e é liberado de hospital

Publicado

em

Por

Luan passou por exames e ficou em observação durante a noite do último domingo, no Pronto Socorro da capital do Acre. Por causa da pancada recebida, ele deve ficar afastado dos treinos

O meia-atacante Luan, que teve um mal súbito no vestiário do estádio Florestão, na noite desse domingo (7), após o empate sem gols entre Rio Branco-AC e ASA-AL, no jogo de ida das oitavas de final do Campeonato Brasileiro Série D, passa bem e já deixou o Pronto Socorro da capital do Acre.

De acordo com informações fornecidas pelo clube na manhã desta segunda-feira (8), o jogador passou por exames e ficou em observação durante a noite, tendo melhora no quadro de saúde e sendo liberado para retornar ao CT José de Melo, sede do Estrelão. Ele, no entanto, deve ficar afastado dos treinos por período ainda indeterminado em virtude da pancada recebida.

Luan fica caído no gramado após receber joelhada na região da coluna no empate por 0 a 0 com o ASA — Foto: Manoel Façanha/Arquivo Pessoal

Luan fica caído no gramado após receber joelhada na região da coluna no empate por 0 a 0 com o ASA — Foto: Manoel Façanha/Arquivo Pessoal

Luan entrou em campo no segundo tempo contra o ASA, aos 22 minutos. Alguns minutos depois, sofreu uma entrada dura por trás, na região da coluna – semelhante à do colombiano Zuñiga em Neymar na Copa do Mundo de 2014 –, e precisou ser atendido por um longo período no gramado. Ele voltou ao jogo e seguiu até o fim.

Segundo informações divulgadas pelo Rio Branco-AC na noite desse domingo, o jogador sentiu-se mal após a partida no vestiário e precisou ser encaminhado em uma ambulância do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) para o Pronto Socorro da capital.

O Rio Branco-AC enfrenta o ASA novamente no domingo (14), no estádio Coaracy Fonseca, em Arapiraca (AL), às 16h (de Brasília), no jogo de volta das oitavas de final. Novo empate durante os 90 minutos leva a decisão do classificado para os pênaltis.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Veja a camisa que o Brasil vai usar na Copa do Mundo 2022

Publicado

em

Por

Uniforme é inspirado nas onças-pintadas. Esporte Espetacular leva Richarlison ao Pantanal para ver modelo que vai vestir o Brasil no Catar: “A mais bonita do mundo”

“Querimbóra” e “Tô com reiva”! Não, você não confundiu a editoria. Aqui mesmo não é a Juma, mas embalado no sucesso da novela da Globo das 21h, o Pantanal também foi o lugar escolhido para revelar a nova camisa da seleção brasileira. Mas isso não tem nada a ver com a novela. A inspiração da fornecedora de materiais esportivos para vestir o Brasil na Copa do Mundo do Catar foi a onça-pintada e a “Garra Brasileira”, que dá nome à coleção.

É no Pantanal, no centro-oeste do país, que temos maior número de onças-pintadas na América. O Esporte Espetacular levou Richarlison, atacante da Seleção e do Tottenham, até Miranda, no Mato Grosso do Sul, cidade que fica três horas distante da capital Campo Grande. Preparamos uma reportagem especial para mostrar em primeira mão a camisa que o Brasil vai usar na Copa do Mundo do Catar em 2022.

Detalhes da camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo inspirados na onça-pintada — Foto: Reprodução/TV Globo

Detalhes da camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo inspirados na onça-pintada — Foto: Reprodução/TV Globo

Richarlison, aparentemente, gostou bastante da camisa:

– Linda, maravilhosa, a mais bonita do mundo. Aquela cor da presença, aqui tem a bandeirinha (na gola) junto com o botão pra abotoar aqui.

– Não tem coisa melhor do mundo que vestir a camisa da Seleção brasileira. É essa aqui que bota medo nos adversários e agora está vindo a Copa do Mundo dá aquele friozinho na barriga, enquanto o tempo vai passando a gente fica imaginando que tá chegando a hora, tá chegando a hora da convocação também – disse o atacante.

Richarlison visita o Pantanal para ver a onça-pintada, que inspirou a nova camisa da seleção brasileira Brasil — Foto: Reprodução/TV Globo

Richarlison visita o Pantanal para ver a onça-pintada, que inspirou a nova camisa da seleção brasileira Brasil — Foto: Reprodução/TV Globo

– A garra, espírito e resiliência da nação, acima de tudo, a onça-pintada também representa o estilo de jogo do Brasil: tão feroz quanto artístico – explica a fornecedora de material esportivo.

Veja mais imagens da camisa:

Detalhes da camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo inspirados na onça-pintada — Foto: Reprodução/TV Globo

Detalhes da camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo inspirados na onça-pintada — Foto: Reprodução/TV Globo

Camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo de 2022 — Foto: ge

Camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo de 2022 — Foto: ge

Camisa da seleção brasileira Brasil na Copa do Mundo de 2022 — Foto: ge

Uniforme 1 da Seleção para a Copa do Mundo FIFA 2022 — Foto: Reprodução/Nike

Mais detalhes dos uniformes que a Seleção vai usar na Copa do Mundo — Foto: Divulgação/Nike

“Garra Brasileira”, a coleção da Seleção para a Copa do Mundo FIFA 2022 — Foto: Reprodução/Nike

“Garra Brasileira”, a coleção da Seleção para a Copa do Mundo FIFA 2022 — Foto: Reprodução/Nike

Uniforme 2 da Seleção para a Copa do Mundo FIFA 2022 — Foto: Reprodução/Nike

Novo uniforme 2 da Seleção para a Copa do Mundo — Foto: Divulgação/Nike

Uniforme 2 da Seleção para a Copa do Mundo FIFA 2022 — Foto: Reprodução/Nike

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Hamilton descarta aposentadoria da F1 e quer voltar a vencer

Publicado

em

Por

Saída de Vettel, rival e amigo da categoria, não motiva heptacampeão a tomar mesma decisão; piloto da Mercedes ainda quer brigar por conquistas e diversidade no esporte

À luz da aposentadoria de Sebastian Vettel ao fim deste ano e o contrato de múltiplos anos de Fernando Alonso com a Aston Martin para 2023, Lewis Hamilton, hoje piloto mais experiente da F1 ao lado dos rivais, também reassegurou sua permanência na categoria. Na próxima temporada, quando completará 38 anos, o heptacampeão será ao lado de Alonso (42) o piloto mais experiente do grid.

– O mais provável é que, mesmo se eu parar agora, ainda terei combustível no tanque. E não irei me aposentar até que eu esteja completamente esgotado e não tenha mais nada a oferecer – garantiu.

Lewis Hamilton foi segundo colocado no GP da Hungria, vencido por Max Verstappen; heptacampeão conquistou sexto pódio de 2022 — Foto: Marco Canoniero/LightRocket via Getty Images

O anúncio do fim da carreira de Vettel veio há duas semanas, às vésperas do GP da Hungria. O alemão de 35 anos da Aston Martin, dono de quatro títulos, 53 vitórias e 122 pódios, quer se dedicar à família – além de começar a perceber incompatibilidade em seu estilo de vida com o ativismo pelo meio ambiente. Vettel disputa sua 15ª e última temporada na F1.

Apenas quatro dias depois, Alonso foi anunciado como seu substituto na equipe. O bicampeão deixará a Alpine, que não quis lhe oferecer uma renovação de mais de um ano por temer sua potencial queda de rendimento devido à idadee a obrigação contratual com o reserva Oscar Piastri.

Hamilton tem contrato com a Mercedes até o fim de 2023, renovado ainda em 2021. O heptacampeão, que disputa neste ano sua 16ª temporada na categoria, lidera hoje a atual octacampeã de construtores como terceira força do campeonato, superando um começo de ano complicado.

Lewis Hamilton e Sebastian Vettel no GP da Áustria da F1, em 2022 — Foto: Adam Pretty - Formula 1/Formula 1 via Getty Images

Lewis Hamilton e Sebastian Vettel no GP da Áustria da F1, em 2022 — Foto: Adam Pretty – Formula 1/Formula 1 via Getty Images

Ao lado do novo companheiro de equipe – e menos experiente – George Russell, que deu à partida em 2022 com melhores resultados, Hamilton deu suporte à equipe alemã no desenvolvimento do W13, carro da temporada, disponibilizando-se para carregar sensores, avaliar dados e testar ajustes.

Com mudanças bem sucedidas, o heptacampeão voltou a focar em seu desempenho e hoje soma seis pódios até aqui, cinco deles consecutivamente desde o GP do Canadá, em junho.

– Não estou realmente pensando nisso. Ainda penso em como melhorar esse carro; quais são os passos que preciso dar para que esse time volte a vencer. Qual o roteiro para ganhar outro campeonato? O que precisamos fazer para que todos neste esporte comecem a refletir sobre o trabalho que tentamos fazer sobre diversidade? Ainda estou lutando por essas coisas e ainda sinto que tenho muito o que fazer – explicou Hamilton.

Lewis Hamilton e George Russell se abraçam após mais um pódio duplo da Mercedes em 2022; dupla equipara experiência e jovialidade na equipe alema — Foto: Remko de Waal/ANP via Getty Images

Quando o ano virar, apenas ele e Alonso serão os únicos a terem conhecido uma F1 diferente nos primeiros anos do milênio – o espanhol debutou em 2001 e Hamilton, em 2007. E o piloto da Mercedes deu mostras de que ainda pretende permanecer ativo por mais tempo que seu contemporâneo no grid.

– É um lembrete de que estou naquela fase da minha carreira em que as pessoas com as quais estreei e corri por tanto tempo começarão a para. Antes que percebamos, Fernando também não estará mais aqui e então eu serei o mais velho – desabafou o heptacampeão.

Hamilton ocupa a sexta colocação no Mundial com 146 pontos, 12 a menos que Russell, em quarto. A dupla retorna daqui a três semanas após as férias de verão da F1 em 28 de agosto, no GP da Bélgica.

Comentários

Continue lendo

Em alta