Ao  lado  da  presidenta  Dilma  Rousseff  e  de  outros  chefes  de  Estado e  de  Governo,  Morales  posa  para  foto  oficial após tomar  posse  para  o terceiro mandato presidencialRoberto Stuckert Filho/Presidência da República
Ao lado da presidenta Dilma Rousseff e de outros chefes de Estado e de Governo, Morales posa para foto oficial após tomar posse para o terceiro mandato presidencialRoberto Stuckert Filho/Presidência da República

O presidente Evo Morales assumiu hoje (22), pela terceira vez consecutiva, a chefia do governo boliviano. O novo mandato vale para o período de 2015 a 2020. A presidenta Dilma Rousseff participou da cerimônia de posse, em La Paz, sede do governo da Bolívia.

Com o terceiro mandato, Morales torna-se o governante que ficou mais tempo no comando da Bolívia. Ele assumiu o poder pela primeira vez em 22 de janeiro de 2006 e foi o primeiro eleito presidente da República em primeiro turno em mais de 30 anos. Morales foi reeleito em 6 de dezembro de 2009 e novamente reeleito em outubro do ano passado.

Antes de fazer o juramento de posse, Morales recebeu cinco dirigentes indígenas e sindicais no Palácio Quemado. Ele entregou aos dirigentes, simbolicamente, a medalha e a faixa presidencial para que fossem levadas ao Legislativo.

Vestido com traje escuro adornado, com motivos andinos, e com uma camisa branca, Morales dirigiu-se, então, à Assembleia Legislativa para a investidura no cargo. No discurso de posse, Evo Morales disse que reduzirá a pobreza. “Até 2020 nos comprometemos, e estamos convencidos de que vamos reduzir a extrema pobreza a apenas um dígito, a 8% ou 9%.”

Álvaro García Linera fez o juramento como vice-presidente, cargo que também dá direito à presidência do Parlamento, onde o partido de Morales, o Movimento ao Socialismo, tem maioria.

A cerimônia de posse contou com a presença dos presidentes do Brasil, Dilma Rousseff, que faz sua primeira visita ao país; da Costa Rica, Luis Guillermo Solís; do Equador, Rafael Correa; do Paraguai, Horácio Cartes; de Trinidad e Tobago, Anthony Carmona, e da Venezuela, Nicolás Maduro, entre outros. Também participaram os vice-presidentes da Argentina, da Bielorrúsia, de Cuba, da Nicarágua e do Peru.

Os eventos de recondução do presidente boliviano começaram ontem (21) com um ritual ancestral indígena em um sítio arqueológico chamado Tiwanaku.


 

*Com informações das agências Télam e Boliviana de Notícias

Comentários