As novas informações surgem no mesmo dia em que foi deflagrada mais uma fase da Operação Lava Jato da Polícia Federal.

iG

ex-gerente de Engenharia Petrobras José Barusco Filho afirmou, em depoimento concedido como parte de um acordo de delação premiada, que o PT teria recebido entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões em propina entre 2003 e 2013. As declarações do ex-gerente colocam novamente o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto, no centro das investigações, ao declarar que o petista participava do esquema de pagamento de propina na estatal. O dinheiro usado nos pagamentos, segundo o delator, teria saído de 90 contratos da estatal.

 Operação Lava Jato/Futura Press
Operação Lava Jato/Futura Press

O depoimento de Barusco foi prestado em novembro passado, em Curitiba, e tornado público nesta quinta-feira pela Polícia Federal. “Indagado pelo Delegado de Polícia Federal sobre quanto João Vaccari Neto recebeu em nome do partido dos Trabalhadores – PT, por conta dos aproximadamente 90 (noventa) contratos firmados com a Petrobrás ao longo dos anos de 2003 a 2013, (Barusco) afirma que, considerando o valor que o declarante recebeu a título de propina, que foi de aproximadamente US$ 50 milhões, estima que foi pago o valor aproximado de US$ 150 a 200 milhões de dólares ao Partido dos Trabalhadores – PT, com a participação de João Vaccari”, diz o termo do depoimento.

Comentários