Boletos de pagamento ficaram disponíveis na web; Telexfree teve o mesmo problema

Vitor Sorano – iG

Logotipo da BBom, empresa de marketing multinível suspeita de ser pirâmide financeira -  Divulgação
Logotipo da BBom, empresa de marketing multinível suspeita de ser pirâmide financeira – Divulgação

Uma falha permitiu que os boletos de cobrança da BBom com dados de seus associados fossem consultados por terceiros na internet. Foi o mesmo tipo de vazamento ocorrido com informações de divulgadores da Telexfree . Ambas as empresas, que juntas tem aproximadamente 1,3 milhão de integrantes no Brasil segundo seus responsáveis, estão bloqueadas por decisões judiciais, sob suspeita de serem pirâmides financeiras.

Procurada, a BBom informou que a falha foi corrigida na manhã da quarta-feira (31). A empresa nega ser uma pirâmide financeira .

O vazamento permitia que qualquer pessoa baixasse, do site da BBom, boletos de cobrança de terceiros, sem a necessidade de colocar alguma senha. Bastava que se fizesse uma busca pela palavra “boleto” restrita à página da empresa.

A falha foi revelada por Manoel Netto, do blog Tecnocracia , que também encontrou o mesmo erro no sistema da Telexfree . “São erros muito mirins, de programador iniciante (e provavelmente é) lidando com dados sensíveis de pessoas”, diz Netto, sobre as falhas na Telexfree e na BBom.

Nesta quarta-feira (31), a reportagem conseguiu baixar cinco boletos em nome de cinco pessoas diferentes. O valor cobrado em todos os casos, R$ 3 mil, é equivalente ao preço do pacote ouro, um dos que podiam ser adquiridos pelos interessados em entrar na rede de associados da BBom.

Diferentemente do caso da Telexfree, em que os boletos tinham vencimentos com datas posteriores ao bloqueio judicial, todas as cobranças da BBom são referentes a maio – a empresa só teve as contas congeladas pela Justiça em julho.

Leia também: 31 empresas estão no alvo de força-tarefa antipirâmide

Pirâmide x marketing multinível

Braço da Embrasystem, atuante no mercado de rastreamento de veículos e pessoas, a BBom é descrita por seus responsáveis como uma rede de marketing multinível que, em menos de seis meses, atraiu 300 mil associados com promessas de lucros expressivos. Grandes revendedores, por exemplo, foram premiados com carros de luxo.

O Ministério Público Federal em Goiás (MPF-GO) e o Ministério Público do Estado (MP-GO) consideram que o negócio é uma pirâmide financeira. Isso porque, entendem, a BBom depende das taxas de adesão pagas pelos associados para se manter, e não da venda das assinaturas de rastreamento.

Segundo a procuradora da República Mariane Oliveira, a BBom vende mais rastreadores do que consegue entregar . A empresa afirma ter capacidade de atender à demanda.

Em 10 de julho, a juíza Luciana Gheller, da 4ª Vara Federal em Goiás, determinou por liminar (decisão temporária) o bloqueio das contas da Embrasystem , a pedido do MPF-GO e do MP-GO. No dia 17 do mesmo mês, a BBom também foi impedida de fazer novos cadastros .

O recurso da defesa está nas mãos do desembargador Carlos Moreira Alves, do  Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) desde 19 de julho .

Em vídeo divulgado na internet nesta terça-feira (30), o dono da Embrasystem, João Francisco de Paulo, reiterou a legalidade das atividades da empresa e a acusação, já feita em entrevista ao iG , de que adversários da empresa têm plantado informações contrárias à BBom.

Comentários