Conecte-se conosco

Cotidiano

“Falta de acompanhamento médico adequado durante o início dos sintomas pode contribuir para quadros graves da Covid-19”, afirma especialista

Publicado

em

Relatos de vítimas da Covid-19 que passaram por dificuldades, medos, inseguranças, dores e solidão durante o período de infecção do coronavírus

Em agosto do ano passado a secretária Michele Souza, 27 anos, moradora da cidade de Planaltina (DF), testou positivo para Covid-19 e o infortúnio surgiu durante a recuperação de uma crise de ansiedade. Michele conta que foi atacada por múltiplas sensações, de várias formas e ao mesmo tempo, como o medo.

“Quando peguei o exame e vi que o resultado era positivo fiquei abalada. A sensação que tive era que ia morrer e deixar meu filho. Foi desesperador”, relata a secretária.

Logo que os primeiros sintomas da Covid-19 se manifestaram, a secretária buscou o pronto socorro. Já na recepção do hospital se deparou com uma nova realidade, onde a morosidade e a falta de informação adequada agem fortemente.

Ao contrário dessa situação, Michele ansiava por diagnósticos exatos, respaldados em exames para ter tranquilidade. No entanto, a secretária relata que a reação do profissional foi de espanto, ao saber que estava diante de um quadro de Covid-19, quando para o médico o correto seria ela estar em casa e isolada.

“Eu acho que muita gente morreu por isso. ‘Espera, está com Covid-19? Afasta’. E, por estar com Covid-19, eu deveria ser preferencial. Para não contaminar ninguém”, explica Michele Souza.

A secretária insistia a cada consulta por exames, orientações, mas conta que toda informação repassada pela equipe médica, além de morosas, chegavam superficiais. Michele demorou aceitar os diagnósticos que evoluíram para cura, mas, de forma dolorida, com transtornos e estresses demasiados e segue com sequelas psicológicas e com tratamento, até hoje.

Em agosto do ano passado a secretária Michele Souza, 27 anos, moradora da cidade de Planaltina (DF), testou positivo para Covid-19 e o infortúnio surgiu durante a recuperação de uma crise de ansiedade. Michele conta que foi atacada por múltiplas sensações, de várias formas e ao mesmo tempo, como o medo.

“Quando peguei o exame e vi que o resultado era positivo fiquei abalada. A sensação que tive era que ia morrer e deixar meu filho. Foi desesperador”, relata a secretária.

Logo que os primeiros sintomas da Covid-19 se manifestaram, a secretária buscou o pronto socorro. Já na recepção do hospital se deparou com uma nova realidade, onde a morosidade e a falta de informação adequada agem fortemente.

Ao contrário dessa situação, Michele ansiava por diagnósticos exatos, respaldados em exames para ter tranquilidade. No entanto, a secretária relata que a reação do profissional foi de espanto, ao saber que estava diante de um quadro de Covid-19, quando para o médico o correto seria ela estar em casa e isolada.

“Eu acho que muita gente morreu por isso. ‘Espera, está com Covid-19? Afasta’. E, por estar com Covid-19, eu deveria ser preferencial. Para não contaminar ninguém”, explica Michele Souza.

A secretária insistia a cada consulta por exames, orientações, mas conta que toda informação repassada pela equipe médica, além de morosas, chegavam superficiais. Michele demorou aceitar os diagnósticos que evoluíram para cura, mas, de forma dolorida, com transtornos e estresses demasiados e segue com sequelas psicológicas e com tratamento, até hoje.

Comentários

Cotidiano

Com investimentos no Cieps, Sejusp avança na formação e capacitação de profissionais da Segurança

Publicado

em

Após investimentos do Governo do Acre, a partir de 2019, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o Centro Integrado de Ensino e Pesquisa em Segurança Pública (Cieps) segue entregando resultados positivos para a sociedade. Desde janeiro do ano passado, pelo menos 5.868 certificados de formação e/ou capacitação foram expedidos a integrantes das forças de segurança acreanas e de outros estados.

De acordo com o chefe de departamento do Cieps, coronel Dalzeny França, “os expressivos investimentos realizados trouxeram uma nova realidade para a área onde está localizado o Cieps”. Nesse período, já foram construídas 14 salas de aulas, todas devidamente equipadas para melhorar as condições de ensino dos alunos; uma quadra poliesportiva, incluindo banheiros e vestiários, dois estacionamentos, um ao lado do prédio administrativo e outro próximo à quadra, sendo esse utilizado pelos policiais para treinamentos e instruções.

Os novos espaços, com mobílias e equipamentos que proporcionarão maior conforto e comodidade aos alunos, visam transformar o Cieps no maior centro de formação da Região Norte. Nesse sentido, bem preparados e capacitados, os integrantes das forças de segurança do Acre poderão otimizar, ainda mais, os serviços prestados à população.

“Só em 2021, foram ofertadas mais de 5 mil vagas de capacitações para as forças de segurança do Estado. Somando-se a esses expressivos números, deve-se destacar as condições estruturais oferecidas pela Sejusp, a partir de modernos equipamentos, no sentido de garantir uma melhor qualidade no ensino”, destacou o coronel Dalzeny.

O heliponto construído já está em pleno funcionamento para pousos e decolagens, contemplando também exercícios de capacitações e treinamentos cotidianos dos operadores. Para os próximos meses, a previsão é de construção de um hangar, para acomodar dois helicópteros, e a sede administrativa do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer/Sejusp).

 

Para o mês de junho deste ano, segundo o chefe do departamento, a previsão é iniciar novas turmas, contemplando os cursos de formação de soldados da PM, para 184 novos alunos, para a Polícia Civil (124), Corpo de Bombeiros (153) e o Instituto Socioeducativo – ISE (360), “chegando-se ao total de 1.639 novos profissionais de segurança sob a administração e coordenação da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança, que tem à frente o coronel Paulo Cézar Rocha dos Santos, titular da pasta”, detalhou.

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Acre é terceiro estado do país com menor número de mortes no trânsito em 2021, diz PRF

Publicado

em

Por

Acre é terceiro estado do país com menor número de mortes no trânsito em 2021, diz PRF — Foto: Arquivo/PRF-AC

Acre é terceiro estado do país com menor número de mortes no trânsito em 2021, diz PRF — Foto: Arquivo/PRF-AC

Por Alcinete Gadelha

Dados do anuário da Polícia Rodoviária Federal (PRF), divulgados nessa segunda-feira (16), apontam que o estado acreano é o terceiro com menor número de mortes nas estradas federais, com 22 óbitos ao longo de 2021.

O anuário da PRF apresenta dados de acidentes, feridos e mortos também e da criminalidade em todo país. No ranking de mortes por estados, o Acre fica atrás apenas dos estados do Amazonas (9) e Amapá (12), com os menores índices.

“Isso se deve pela menor extensão de rodovias federais aqui no estado, que é um estado pequeno, em comparação aos outros do Brasil, mas também a fiscalização da PRF que está sempre em ronda, garantindo que os motoristas sigam as normas de segurança”, explicou a assessora da de comunicação da PRF no Acre, Isadora Costa.

Entres as ocorrências divulgadas foram registrados 254 acidentes ao longo das estradas federais [BR-364 e BR-317], que resultou em 316 feridos, sendo deste total, 103 feridos graves; e 213 feridos leves.

Os dados apontam um aumento de 69% das mortes no trânsito se comparado o ano passado com 2020, quando foram registrados 13 óbitos.

Os veículos de passeio, caminhões e motocicletas foram os maiores envolvidos em acidentes que resultaram em morte.

Em todo país, 5.381 pessoas morreram em acidentes de trânsito. Minas Gerais ocupou o ranking dos estados onde mais ocorreram acidentes em 2021, com 8.308 ocorrências, seguido de Santa Catarina, com 7.882 e Paraná, com 7.330. Em relação a mortes Minas também lidera o ranking (692), seguido do Paraná (569) e Bahia (500).

Comentários

Continue lendo

Cotidiano

Fortaleza enfrenta o Botafogo neste domingo pelo Brasileirão

Publicado

em

Foto: Felipe Cruz / Fortaleza EC

A partida do “Tricolor do Pici” será disputada fora de casa, no Estádio Engenhão. 

O Fortaleza visita o Estádio Nilton Santos, o Engenhão, neste domingo (15) para o confronto contra o Botafogo, válido pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2022, que tem início marcado para as 18h. O Tricolor vem de uma vitória importante no meio da semana, disputada pela terceira fase da Copa do Brasil.

Atuando em 3 competições, o Fortaleza já se prepara para mais um duelo neste final de semana. Em seu último desafio, a equipe somou mais um resultado importante, contra o Vitória. O duelo foi disputado no Estádio Barradão e, com um gol de Yago Pikachu, no final da segunda etapa, o time assegurou a sua classificação para as oitavas de final do torneio. Na partida de ida, a equipe já havia conquistado uma vitória por 3 a 0. Por isso, Vovjoda e seus jogadores encerraram a etapa com um placar agregado de 4 a 0.

Agora, o professor precisa voltar sua atenção para o Campeonato Brasileiro, onde vive uma situação mais complicada. Em busca da sua primeira vitória na competição, o clube vai encarar o Botafogo, no Rio de Janeiro.

Pikachu tem sido um nome decisivo para o elenco em vários jogos e, novamente, pode ser uma peça importante para este desafio. Lucas Lima, Renato Kayzer e Moisés são outros nomes de destaque do elenco e que podem ajudar a fortalecer o esquema ofensivo do time.

No entanto, Vojvoda também precisará ficar atento para que não haja um acúmulo de desgaste entre os seus atletas, isso porque a equipe entrará em campo na metade da semana que vem no penúltimo jogo da fase de grupos da Libertadores.

Fan Token

Enquanto se desdobra entre as principais competições do Brasil e da América do Sul, o Fortaleza também se prepara para entrar em campo no mercado de NFT Futebol, com a venda de seus tokens utilitários.

O fan token do Tricolor logo estará disponível para comercialização através da plataforma da Bitci Brasil, parceira oficial do clube. A corretora multinacional, de origem turca, também é a parceira de outros clubes de destaque do país e da Confederação Brasileira de Futebol, sendo a responsável pelo fan token oficial da Seleção Brasileira.

O ativo da Seleção estreou com sucesso no mercado internacional e logo estará disponível na plataforma da Bitci Brasil.

Sobre a Bitci

Fundada na Turquia, em 2018, a Bitci é uma plataforma de negociação de ativos digitais.  Bitcoin, Ethereum e Criptomoedas, que garantem segurança e rapidez aos usuários durante o processo de transação.

A plataforma realiza cerca 1,2 bilhão de transações diárias e atua fornecendo soluções para o mercado, produzindo tokens para as marcas e clubes com a BitciChain.do

A BitciChain, primeira rede blockchain integrada à bolsa de valores e plataforma de pagamento da Turquia, está sendo desenvolvida pela Bitci Teknoloji. A BitciChain é otimizada para fornecer a empresas e instituições a melhor adoção de blockchain.

Comentários

Continue lendo

Em alta