Conecte-se conosco

Geral

Fiocruz alerta para crescimento de síndromes respiratórias em crianças de 0 a 9 anos

Publicado

em

O novo Boletim InfoGripe da Fiocruz divulgado nesta quinta-feira (28) alerta para o reaparecimento de outros vírus respiratórios que vem causando Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em crianças de 0 a 9 anos, como é o caso do Bocavírus e das Parainfluenza 3 e 4.

Esses se somam aos casos de Vírus Sincicial Respiratório (VSR) e de Rinovírus, que reapareceram e já vem sendo registrados desde o começo de 2021. A análise verificou que nessa faixa etária houve aumento significativo de registros de VSR, com valores semanais superiores aos observados para Sars-CoV-2 (Covid-19). O VSR é uma das principais causas de infecções das vias respiratórias e pulmões em recém-nascidos e crianças pequenas.

De 0 a 9 anos, foi observada uma estabilização de casos semanais de SRAG em valores entre 1.000 e 1.200, próximos ao que se registrou no pico de julho de 2020 (1.282 casos na Semana Epidemiológica 29). Nas demais faixas etárias, o patamar atual representa os menores valores desde o início da pandemia no país. A análise é referente à Semana Epidemiológica (SE) 42, período de 17 de setembro a 23 de outubro. Tem como base os dados inseridos no Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) até o dia 25 de outubro.

“O número de casos de SRAG segue abaixo dos picos de março e maio deste ano, porém mantendo valores superiores aos de 2020. Houve apenas um leve aumento nas últimas semanas em alguns locais, mas se mantendo dentro da média recente. O importante é destacar essa volta de outros vírus respiratórios gerando SRAG”, afirma o pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.

Entre a população adulta (20 anos ou mais), observa-se um predomínio praticamente absoluto de detecção de Sars-CoV-2 (Covid-19) entre os casos de SRAG. No que se refere à crianças e adolescentes, o predomínio de SRAG se mantém na faixa de 10 a 19 anos, porém com maior presença de casos positivos para o Rinovírus.

Segundo Gomes, a análise dos casos entre crianças de 0 a 9 anos por estado indica que o reaparecimento de outros vírus respiratórios é mais presente na região Centro-Sul do país. Já no estado de São Paulo houve aumento de casos positivos para Bocavírus, Parainfluenza 3 e Parainfluenza 4 nessas faixa etária. No momento, o número de casos semanais positivos para cada um desses vírus se assemelham aos de Sars-CoV-2, porém ainda se encontram abaixo dos casos de VSR.

Em São Paulo chama a atenção o aumento de casos em crianças de 0 a 9 anos positivos para Bocavírus, Parainfluenza 3 e Parainfluenza 4 durante os meses de agosto e setembro. A média de casos positivos por semana para cada um desses vírus – que se encontra entre 15 a 20 casos – já se aproxima do registrado para Sars-CoV-2. No entanto, ainda é inferior à média semanal de registros positivos para VSR: cerca de 35 casos no mesmo período.

No Rio Grande do Sul e Santa Catarina também se observa ligeiro aumento no número de casos positivos para Parainfluenza 3 no mês de setembro entre crianças, aproximando-se ao número de casos semanais positivos para Sars-CoV-2. No Rio Grande do Sul, entretanto, os casos de VSR continuam sendo mais prevalentes nessa faixa etária. “Quanto ao Bocavírus em crianças, além do aumento em São Paulo, verifica-se presença no Amazonas, porém em situação estável em volume similar ao que se observa para Rinovírus, VSR e Sars-CoV-2”, destaca Gomes.

Nos estados, o sinal de aumento de SRAG na faixa de 0 aos 9 anos nas últimas semanas foi constatado essencialmente no Rio Grande do Norte, Roraima, Rio Grande do Sul, Sergipe e Rio de Janeiro. “No estado fluminense tal aumento não se reflete na tendência dos casos em geral por conta da manutenção de queda nas demais faixas etárias. No Rio Grande do Sul, em particular, observa-se um crescimento muito expressivo de casos em crianças ocorridos e digitados na SE 42, sem atraso de digitação (tempo entre semana de primeiros sintomas e inserção do caso no Sivep-Gripe, que pode levar pelo menos 2 semanas), gerando um aumento de casos desproporcional. Tal situação é particular apenas da macrorregião de saúde Norte do estado e pode estar associada a eventual inconsistência no registro, pois é bastante atípica”, ressaltou Gomes.

O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é mais preocupante em bebês prematuros, cardiopatas ou com problemas crônicos no pulmão. Em crianças de até dois anos, é responsável por 75% das bronquiolites e 40% das pneumonias durante seu período de maior incidência. Crianças com menos de cinco anos têm maior risco de desenvolver formas graves. Cerca de 10 a 15% dos casos em bebês menores de dois anos necessitam de internação hospitalar, às vezes, na UTI.

Comentários

Geral

Municípios do Acre devem enviar Declaração de Contas Anuais até 30 de abril

Publicado

em

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real

A Declaração de Contas Anuais (DCA) deve ser enviada pelas prefeituras do Acre e por todos os municípios brasileiros até o dia 30 de abril de cada ano. O prazo – previsto na portaria da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) 1.168, publicada no Diário Oficial da União (DOU) no dia 29 de novembro – não sofreu alteração acerca do que já estabelecia outra resolução.

A normativa, no entanto, reduziu o prazo antes previsto para o envio por Estados e Distrito Federal.

A Declaração de Contas Anuais foi criada com o objetivo de atender a Lei de Responsabilidade Fiscal e possui informações contábeis e orçamentárias de todos os poderes e órgãos do Município. Importante destacar que o formato e a estrutura da DCA para o ano de 2022 seguem as regras estabelecidas na 9ª Edição do Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público (MCASP), vigente no exercício a que se referem os dados.

A portaria 1.168 considerou a necessidade de estabelecer a periodicidade, o formato e o sistema para que a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios disponibilizem suas informações e dados contábeis, orçamentários e fiscais. De acordo com a publicação, esses devem ser divulgados em meio eletrônico de amplo acesso público.

Comentários

Continue lendo

Geral

Traficante é preso com quase 3 quilos de maconha e cocaína em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

Na manhã deste sábado, 04, um homem que não teve o nome divulgado foi preso em flagrante pela Polícia Militar na região central de Cruzeiro do Sul, com quase 3 quilos de maconha e cocaína em uma mochila que ele transportava em uma moto.

O homem disse que iria levar o entorpecente para o município de Tarauacá. Ele a droga foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil para os demais procedimentos do flagrante.

O comandante da Polícia Militar de Cruzeiro do Sul, Coronel Evandro Bezerra informou cita que a PM atua no combate aos roubos por meio da Operação Papai Noel mas segue atuando fortemente contra o tráfico de drogas.

“Sabemos dos desafios deste final de ano quanto a necessidade de parar os crimes patrimoniais, mas o combate ao tráfico também é contínuo, pela PMAC”.

Comentários

Continue lendo

Geral

Detentos que fugiram do presídio de Rio Branco seguem foragidos

Publicado

em

Os dois detentos do Pavilhão N que fugiram do Complexo Penitenciário de Rio Branco, no último domingo (28), continuam foragidos. O Instituto de Administração Penitenciária (Iapen-AC) confirmou a informação nesta quarta-feira (01).

Railson Rodrigues da Rocha e Daniel Valdez da Silva trabalhavam na cozinha da unidade e, segundo as informações, teriam entortado duas barras de ferro para fugir do local. Na área externa da unidade, os detentos utilizaram cordas artesanais produzidas com tecido, conhecidas popularmente como “terezas”, para escalar e pular o muro do presídio.

De acordo com o Iapen-AC tanto o Grupo Penitenciário de Operações Especiais (Gpoe) quanto o Centro de Treinamento de Cães Penitenciários fizeram buscas na mata que fica no entorno do presídio, mas até agora não acharam os presos.

As buscas seguem sendo feitas pelo grupo de recapturas do instituto.

Comentários

Continue lendo

Em alta