No Acre, operação é realizada com apoio do MPAC. Ao todo, estão sendo cumpridos 262 mandados de prisão e 200 de busca e apreensão

O Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) deflagrou em 15 estados, na manhã desta terça-feira (4), uma megaoperação para desarticular comandos de facções criminosas como o Primeiro Comando da Capital (PCC), que constantemente cadastra e recruta novos integrantes em todos os locais do Acre.

Além do território acreano, a operação acontece em Alagoas, Distrito Federal e Territórios, Espírito Santo, Paraíba, Rio de Janeiro, Roraima, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins. Ao final, 15 estados brasileiros devem ser alvo desse tipo de ação.

No interior do estado, uma investigação identificou ações com o objetivo de identificar rotas de tráfico de drogas e estudos, feitos por facções criminosas, para ampliação de atividades. Esse trabalho durou cerca de 3 meses. Ao todo, foram cumpridos dezenove mandados de prisão e dois de busca e apreensão nas cidades de Tarauacá, Sena Madureira e Rio Branco, além do Estado de Roraima.

Ao todo, estão sendo cumpridos 262 mandados de prisão e 200 de busca e apreensão/Foto:Reprodução

Ao redor do país, a operação já rende frutos. No Rio de Janeiro, somente na manhã desta terça-feira (4), vários foram presos na Baixada Fluminense, região dominada por traficantes e milicianos. Em Alagoas, na Região Norte, um morreu e outros dois foram presos, de acordo com informações da imprensa local.

Além do PCC, são investigadas também: Comando Vermelho (CV), Terceiro Comando Puro (TCP) e Amigo dos Amigos (ADA) – todas cariocas; Primeiro Comando de Vitória (PCV) – capixaba; e da paraibana Okaida RB, uma dissidência da Okaida.

No Acre, a Operação foi coordenada pelo promotor Bernardo Albano, coordenador-adjunto do Gaeco, e contou com o apoio do Gaeco de Roraima do MP de Roraima e da Polícia Civil do Acre. Ao todo, em todo o país, estão sendo cumpridos 262 mandados de prisão e 200 de busca e apreensão.

Comentários