1002200285

Aumento é consequência do preço da gasolina

agazeta.net

A partir desta terça-feira (10), os acrianos começam a pagar mais caro pelo gás de cozinha. Na maior distribuidora local, dependendo da botija, o reajuste chega a 2,2%. O aumento será repassado aos poucos para o consumidor final, no comércio de revenda.

Era só uma questão de tempo para o gás liquefeito de petróleo (GLP) mais conhecido como gás de cozinha, ficar mais caro. Segundo o gerente da base da Fogás em Rio Branco, os motivos do reajuste só podem ser informados pela assessoria de comunicação da empresa.

Contudo, o aumento nos preços não é segredo para ninguém. Na portaria, a botija de 13Kg, que ontem era revendida por R$ 50 nesta terça-feira, passou a ser comercializada por R$ 51.

Diretamente na portaria da Fogás, em Rio Branco, uma carga de 5 quilos passou de R$ 22,50 para R$ 23. Ou seja, um aumento de 2,2%. A carga de 8 quilos passou de R$ 34,50 para R$ 35: um aumento de 1,4%.

Segundo a assessoria de comunicação da Fogás, a alteração nos preços foi necessária devido ao reajuste nos combustíveis que encareceu os custos operacionais da empresa.

Em um ponto de revenda do Bairro da Paz, o botijão de 13Kg, o mais vendido no mercado local, será comercializado a R$ 53. A dona do estabelecimento vai cobrar o R$ 1 de aumento repassado pela distribuidora.

Mas, ainda é possível comprar gás de cozinha sem reajuste. Nos postos de combustíveis, por exemplo, nesta terça-feira, as tabelas de preço do produto estavam sem alteração.

Na Amazongás, empresa que atende cerca de 40% do mercado local, o botijão de 13Kg é revendido na portaria da empresa por R$ 45,05. Segundo o gerente, ainda não há previsão de reajuste para a distribuidora.

Comentários