O senador Gladson Cameli (Progressistas) descartou neste último final de semana, qualquer possibilidade de desistência de sua pré-candidatura ao governo nas eleições deste ano e defendeu uma Força-Tarefa pelo Acre. Para ele, é preciso mobilizar a sociedade e as instituições para a gravidade do problema que é o assassinato de jovens no estado.

“O mês de janeiro nem terminou e já entra para história como o mais violento dos últimos anos. O discurso forte, as posições firmes devem ser no apoio as nossas polícias, às famílias das centenas de vítimas que essa guerra entre as facções vem fazendo e da sociedade que se sente totalmente insegura”, disse.

Para o senador, a pauta segurança pública deve ser colocada acima de qualquer discussão partidária. Destacou que os partidos e as lideranças devem se unir em favor de uma agenda que auxilie o Acre a sair dessa situação crítica que vive setores essenciais como a segurança pública, saúde e a economia.

Ao defender uma Força-Tarefa no estado, Cameli detalhou que esse movimento deve acontecer em vários setores. “Não dá para falar em segurança pública sem investimento forte em educação” analisou. Ainda de acordo o senador, “não podemos falar em oportunidades sem conseguir imprimir uma economia forte, capaz de gerar emprego e renda” acrescentou.

Uma das medidas citadas é a necessidade de integrar todos os órgãos de segurança pública e inteligência. “É preciso governar com as instituições. Na volta do recesso, essa semana, vou buscar a liberação de recursos para o enfrentamento da violência pelo estado”, garantiu.

Ao classificar a situação da segurança pública no Acre como grave, o progressista ressaltou a importância do governo federal ter um olhar diferenciado para o que está acontecendo no Acre. Para ele, em caso extremo, “como o que vivemos”, disse, medidas federais devem ser tomadas.

“É preciso muita disposição para encarar de frente todos esses desafios. Eu vou continuar lutando pelo Acre”, concluiu Cameli.

Comentários